Double Standards

O Público titula que “ataques entre Gaza e Israel desencadeiam a escalada mais sangrenta dos últimos anos”. Depois de ler a notícia lá se percebe que o sangue é todo palestiniano. Gostava de saber porque é que neste caso, ao contrário de outros, é tão difícil ouvir a palavra “massacre”. É que não é outra coisa que Israel interpreta, há praticamente 64 anos. Não está na hora de tratar o colonizador como colonialista?

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged , , . Bookmark the permalink.

19 respostas a Double Standards

  1. xatoo diz:

    dois busilis da questão:

    Obama assina Lei que criminaliza protestos de dissidentes
    http://rt.com/usa/news/trespass-bill-obama-secret-227/

    Liza Behrendt, uma activista do grupo Judeus pela Paz, invade a reunião da AIPAC: parem com as ocupações! ninguém me fará calar!

  2. xatoo diz:

    Sionistas chegarão ao extremo de destruir a Mesquita Al-Aqsa?
    http://english.farsnews.com/newstext.php?nn=9012151827

    a prática Israelita de Execuções extra Judiciais
    http://www.roytov.com/articles/popularresistance.htm

    já estou como o Paulo Granjo com as sua xaxadas, podia passar o fim de semana aqui a pôr a escrita em dia, que completar uma lista de crimes de assassinos jamais conseguiria

  3. An Lage diz:

    Este Xatoo é um anti-semita sem qualquer tipo de problemas com isso, ao contrários doutros aqui. Então vocês não sabem que os “sionistas” controlam os media, os governos e o mundo inteiro?
    São o Mal absoluto!

    Esquerdosos…
    http://www.engageonline.org.uk/blog/article.php?id=718

    • De diz:

      O mal absoluto?
      Ainda por cima com letras maiúsculas?
      Mas que disparate é este?
      Mais uma vez se regista que coisas como Lage pensam que são todos como eles.
      Mal absoluto era o que dizia um facínora qualquer lá nos states,enquanto uivava por mais sangue.Um bom aliado dos sionistas pois então.

      Agora chavões aprendidos nos becos mais sujos da história das ideias…é demais

    • Vasco diz:

      Não confundir anti-semita com anti-sionista… Não sou dos primeiros e sou completamente dos segundos.

  4. xatoo diz:

    “anti-semitismo” o caralho nazi-fascistóide An Lage
    http://www.jewsagainstzionism.com/zionism/zanda.cfm

  5. Luis Almeida diz:

    Isto anda tudo ligado, Renato. O Salazar também apodava de anti-portugueses todos que eram contra o colonialismo, quando, anti-português era o regime. Os verdadeiros patriotas eram os que se opunham ao regime e apoiavam a independência das colónias. Do mesmo modo, quem demonstra amar Israel é quem, judeu ou não, apoia o BDS e outras sanções sobre o regime sionista.
    Quem ama o seu país quer que ele melhore e não é escondendo os seus crimes ou acomodando-se a eles que o consegue. Um verdadeiro patriota prefere que o seu país seja amado e respeitado do que temido e odiado.
    Israel faz-me lembrar aqueles adultos que, para explicar a sua pedofilia, alegam ter sido eles próprios abusados em crianças…
    Sou membro de uma organização pró-Palestina em Lisboa ( mppm-palestina.org ) que apoia a solução “dois-estados” propugnada pela ONU e pelo Tribunal Russell Para a Palestina ( sede em Bruxelas ) e eu próprio já apoiei essa solução. Até recentemente, por constatar que na prática foi Israel eliminou essa solução, ao fazer gorar todas as iniciativas a ela conducentes! E, quando o Plano A, manifestamente não resulta, passa-se ao Plano B, não é?
    É claro, que solução que agora considero mais viável ( um só país ) implica não a erradicação de Israel mas, que deixe de ser “um estado judaico”. Um homem, um voto. Seja judeu, muçulmano, druso ou cristão. Ou sem religião nenhuma…
    A solução “dois estados” só seria ainda possível, a meu ver, se houvesse o reconhecimento, pela ONU e outras instâncias, de uma declaração unilateral de independência, por parte da Palestina, como estado soberano e de pleno direito. Caso contrário seria a continuação do recorrente “empurrar com a barriga” o que mais convém a Israel. Eternizar a solução através de intermináveis negociações de paz. Acho mesmo que, na presente situação, lutar pela paz é uma manobra de diversão. A paz virá quando a Palestina tiver o seu estado ou quando os palestinianos forem cidadãos, com iguais direitos, de um único país…

    • xatoo diz:

      a solução “dois-estados” propugnada pela ONU em 1948 é fisicamente impossivel de execução no terreno depois de décadas de usurpação de terras, expulsões e novas construções de colonatos, numa extensão tal que a Palestina terá para aí apenas uns… quanto muito 20% dá área legalmente considerada na resolução inicial da ONU.
      A solução neste nosso tempo passa pela criação de Um único Estado, não religioso, não racista, não sionista. Para haver paridade ética no voto da população enclausurada no actual projecto “Israel”, tal opção obrigaria a repatriar as centenas de milhares de judeus imigrantes ilegalmente importados pelo Sionismo como carne-para-canhão das mais diversas nacionalidades de volta para os seus locais de origem
      Depois disto, é facil resolver a situação do território: cada pessoa um voto. Democraticamente, como nos sitios civilizados.

    • Vasco diz:

      Boa, Luís Almeida.

  6. Joana diz:

    Vai aprender o significado da palavra massacre sff.

  7. Vasco diz:

    Desta vez estou com o Renato. É que de um lado há a mais avançada tecnologia militar made in USA. Do outro foguetes – sim FOGUETES – que nem carga explosiva têm. Só matam alguém se lhe caírem mesmo em cima. Por isso é que o resultado é sempre este: «troca de “bombardeamentos” entre Israel e Palestina (uns com aviões e drones, outros com foguetes) e morrem palestinianos à fartazana…

  8. José diz:

    Double standards. Em bom português, hipocrisia.
    Algo que me faz vir à memória a Síria.
    Mas isso é a mim.
    Aqui não.

    Toda a razão, Vasco. Os palestinianos atiram milhares de foguetes, alguns artesanais, mas também Katyushas e Grads, pelo que os israelitas vão ter que ir às compras, arranjar um arsenal similar e atirar com o mesmo número de “foguetes” aos palestinianos, de modo a que o Vasco já permita que Israel se defenda.

    Na conferência de imprensa, um dos grupos disse que já tinha atirado para Israel, 80 mísseis Grad e mais de cem outros projécteis, entre morteiros e rockets. Um dos Grad caiu a 40 km de Telavive. As escolas israelitas foram evacuadas e um dos mísseis caiu num jardim infantil. Vazio, para tristeza de muitos aqui.

    • Zuruspa diz:

      Quando os mísseis israelitas caem em jardins infantis palestinianos levam o jardim, a escola, e todos os ocupantes à frente. Mas isso já näo lhe causa engulhos. Está o pires a gritar à chávena que tem o cú quente!

      • De diz:

        Na mouche!

      • José diz:

        Vejo que tem bons conhecimentos da termodinâmica da cerâmica. Que bom para si.
        Como desconhece o que me causa engulhos ou não, atira barro à parede a ver se cola, mas o barro escorregou para o chão. Apanhe-o e faça um pires ou uma chávena. Bom proveito.

  9. De diz:

    Mais democracia made in … com o travo do colonialista policiesco:
    Facebooked: UK Teen arrested for Afghan war post
    http://rt.com/news/afghanistan-facebook-teenage-arrest-439/

Os comentários estão fechados.