VI – feminismos…

Passam já 5 anos desde que, no referendo de dia 11 de Fevereiro, o «Sim» ganhou e se despenalizou a Interrupção Voluntária da Gravidez (IVG). Mas ainda há hospitais que se negam a realizar a IVG, como o Fernanda Fonseca (Amadora-Sintra), São Francisco Xavier, Évora, Ponta Delgada, Angra do Heroísmo, Torres Vedras.

Ainda há entraves burocráticos nos centros de saúde, por exemplo, no encaminhamento para as consultas prévias. Durante este processo, por vezes, o pequeno prazo estipulado de 10 semanas é ultrapassado e a mulher vê negado o seu direito à IVG e é arredada para o espaço da punição e da clandestinidade.

Os direitos não podem ter prazos de validade e nós não queremos continuar a ser cidadãs de segunda, vendo as nossas vidas decididas pelo Estado ou por qualquer cardeal.

Os governantes insistem na ideia de que a melhor forma de evitar e prevenir o aborto é proibir ou encarecer, e, por isso, o Governo prepara-se para taxar o aborto, aumentando brutalmente as taxas moderadoras, em particular a aplicável para o caso de repetição. A isto respondemos: a prevenção faz-se através do planeamento familiar gratuito e universal e de uma educação sexual alargada à sociedade.

A crise não pode ser uma desculpa para taxar direitos nem para os retirar.

Não podemos deixar em mãos alheias o destino que queremos dar ao nosso corpo e à nossa vida. A lei do aborto tem de ser uma lei que nos sirva, a nós mulheres, e não uma que sirva apenas os interesses económicos, impondo modelos éticos, de família, de maternidade.

Por isso, no dia 8 de Março, afirmamos a nossa posição e dizemos:
«O aborto é um direito»

Traz um papel/cartaz com esta frase e aparece às 18:30h para participar num Flash Mob, em frente à residência oficial do 1º Ministro.

Rede 8 de Março

(também aqui)

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

2 respostas a VI – feminismos…

  1. Pingback: VI – Feminismos… « Paulo Jorge Vieira

  2. Capuxinha diz:

    Companheiro,
    O nome do Hospital é FernandO Fonseca, que foi um grande médico.
    Eu li isto e tinha só uma perguntinha…
    Actualmente, os médicos não podem ser OBRIGADOS a fazer abortos. Acha mal? Na sua opinião a liberdade dos médicos não interessa nada… certo?
    Passe bem.

Os comentários estão fechados.