8 de Março

“A chave do triunfo feminista está na paciência revolucionária” María José Urruzola

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged . Bookmark the permalink.

9 respostas a 8 de Março

  1. joão viegas diz:

    Pois, pena não postar o texto todo. Como era mesmo ? “Maria, tem paciência, mas vai p’ra casa aturar os miudos que eu tenho de ir beber uns copos com os camaradas da barricada para celebrar o dia 8 de Março” (cito de memoria) ?

    Boas

  2. Rocha diz:

    Epá não suporto quem tenha o feminismo sempre enfiado pelo traseiro, quando são gajos ainda é pior. O único feminismo que vale alguma coisa é o feminismo proletário, o das mulheres trabalhadoras, o que fala francamente sem pedir licença, o que não escreveu um livro, o que vive no mundo real e não no esgoto prutefacto das teorias académicas.

    Paciência, paciência é para aturar a pedância das feministas pequeno-burguesas.

    • Oh Rocha, não há cu que aguente. Era mais fácil se desenhasses um pie chart e na intersecção “mulheres” e “proletariado” estivesse a tua definição de “feminista”… por mais machista que as suas cabeças eventualmente fossem. Que aborrecimento de conversa. Ao menos torna-o graficamente apelativo.

  3. Y diz:

    Eis uma estratégia mental para aceitar as derrotas recorrentes: é preciso paciência. Sim, muita. Espere sentado e deixe uma carta aos seus netos e bisnetos, Renato. O inatingível é fascinante.

    • Renato Teixeira diz:

      A deixar para todos os netos e bisnetos, não só os meus. Fique descansado. Com sorte também os seus.

  4. Pingback: 9 de Março | cinco dias

Os comentários estão fechados.