A esquerda precisa que toda a direita seja assim

Está a fazer bem o estágio ao aborrecido Pedro Correia. Ao contrário de outros tempos, em que conseguia fazer o relato do “debate” entre o Paulo Portas e o Passos Coelho como se de um Benfica-Porto se tratasse, agora é capaz de juntar mais do que uma ideia no mesmo parágrafo, fazer um auto elogioso e conspirar contra a censura que tanto o apaixona. Vejam lá que o patego foi capaz de, em simultâneo, estufar o peito com a ideia de que a reitoria do ISCTE mandou apagar uma parede à conta da sua delação, deixar no ar o perfume que só os saudosistas mais bafientos exalam, dar à estampa aquilo que prefere que fique na penumbra e ainda elogiar os meus amigos: “Os pândegos queriam “ocupar tudo”, começando por ocupar esta parede da Avenida das Forças Armadas, em Lisboa. Tiveram azar: dois dias depois de ter aqui publicado a fotografia, integrada na série ‘Política na parede’, certamente por coincidência alguém se encarregou de limpar o muro, devolvido ao seu estado pré-revolucionário. As “forças reaccionárias”, munidas de um eficaz detergente, desta vez levaram a melhor. Mas espero que os amigos do Renato Teixeira não desistam: enquanto houver uma parede em branco, a revolução continua.” Obrigado Pedro Correia. Keep on!

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged . Bookmark the permalink.

2 respostas a A esquerda precisa que toda a direita seja assim

  1. Antónimo diz:

    então, mas o ex-macaísta que teve a pasta do pcp e do be no dn não é agora um relvista? isso dá alguma capacidade de influência.

    • Luis Almeida diz:

      Não sei quem é o gajo, mas, os ex são sempre piores do que os que nunca foram…
      É como os ex-fumadores que se tornam mais anti-tabagistas militante do que os nunca fumaram…

Os comentários estão fechados.