antes ditador que homossexual (comentários?)

O presidente da Bielorrússia, Alexander Lukashenko, comentou esta segunda-feira as sanções impostas pela União Europeia ao país dizendo que prefere ser ditador a homossexual.

(também aqui)

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

8 respostas a antes ditador que homossexual (comentários?)

  1. Pingback: antes ditador que homossexual (comentários?) « Paulo Jorge Vieira

  2. Miguel Lopes diz:

    O Lukashenko é homofóbico. Isso já se sabia. Só espero que isso não sirva para justificar as sanções e a pressão sobre a Bielorrússia – que é o objectivo dos mainstream media.

  3. Antónimo diz:

    No fundo é tudo o mesmo argumento. Não escolherás com quem dormes, não escolherás em quem votas.

  4. xatoo diz:

    vamos por partes, a começar pelo princípio
    quem ofendeu quem primeiro?
    o Guido Westerwelle chamou Ditador ao Lukashenko
    este, numa terra de machos asiáticos, deu-lhe uma resposta a condizer
    http://www.foreignpolicy.com/articles/2009/09/30/germany_has_a_gay_minister_yaewn

  5. Luís Teixeira Neves diz:

    Ele que vá mas é apanhar no cu. E (pelo caminho) faça o bigode.

    • Antónimo diz:

      ai esta mania de hostilizar os outros pelo aspecto. o homem é um ditador por ser um ditador, não por usar bigode.

  6. Rocha diz:

    Quantas ditaduras amigas da União Europeia e amigas da Alemanha não têm total impunidade para matar, torturar e violar e são chamadas de monarquia ou até de democracia?

    Colômbia, Chile, Panamá, Líbia (sim falo já da pós-Kadafi), Arábia Saudita, Bahrein, Qatar, Espanha e sim os Estados Unidos.

    Esta troca de ofensas não altera nada no meu repúdio e antagonismo pela Alemanha imperial – o 4º Reich – pois o que estão a fazer ao povo grego é genocídio (e à periferia europeia tb).

  7. Vasco diz:

    É isso. A resposta foi MUITO infeliz, mas a arrogância alemã não é menos grave, antes pelo contrário, pois pretende justificar sanções e pressões sobre um país soberano.

Os comentários estão fechados.