Do silêncio para a rua!

O Plenário de Desempregados decidiu avançar para um movimento: “Somos um grupo de trabalhadores que alterna a sua condição entre o desemprego, o sub-emprego ou a precariedade, e estamos empenhados na criação de um movimento para o combate político e para a defesa dos nossos direitos.”

No próximo dia 6 Março, data em que se comemora a primeira marcha de desempregados, nos EUA, vamos estar no Centro de Emprego do Conde Redondo. No dia 15 de Março vai realizar-se um plenário na margem sul e, no dia 22 de Março, iremos engrossar as fileiras da manifestação que está marcada para a tarde da Greve Geral.

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged , . Bookmark the permalink.

17 respostas a Do silêncio para a rua!

  1. helder diz:

    Fodasse, isso nem chega a ser um rato. Para parir tal coisa, bastava o fb. Foi pelo convivio, está visto.

    • Renato Teixeira diz:

      Então? Que grandeza faltava que só o helder vê?

      • helder diz:

        Posso estar enganado mas parece que já te dei essa resposta num outro post sobre o mesmo tema.

        P.S. se :” só eu vejo” que isto é uma mão cheia de merda nenhuma é bom sinal. Obviamente sou eu que estou errado.

  2. JMM diz:

    mais um.

    agora falta o Movimento Desempregado Há Um Mês, o Movimento Desempregado Há Dois Meses, etc. Quantos mais movimentos, melhor. Eles agradecem!

  3. leão da abissínia diz:

    Quantas pessoas estiveram no plenário?

  4. Luis Nobre diz:

    Esta resposta só mostra o carácter divisionista que mais este movimento tem. Será como os precários e os seus meia-dúzia, liderado por um trabalhador com vinculo efectivo, um movimento de ninguém a fingirem-se desempregados.

    • Renato Teixeira diz:

      Divisionista?!? Do quê?!?!?

      • Ana diz:

        A intenção é criar um espírito de união e discussão entre os desempregados, pois não existe nenhuma organização/instituição que nos una e nos permita confraternizar. Os centros de emprego têm outro intuito. Lá porque decidimos unir-nos num grupo isso não significa que nos vamos afastar da luta organizada. Os que de nós já dela fazem parte mantêm-se firmes. Nos outros nasce vontade de união, luta e de conhecimento, o que não é uma coisa má. Quanto mais discutirmos e nos organizarmos melhor, talvez alguns de nós até consigam sensibilizar mais pessoas para o que realmente se passa e o verdadeiro porquê do desemprego. Não estamos a dividir pessoas que já praticam uma luta organizada, essas estão sensibilizadas e a fazê-lo. Queremos conversar com essas e com as outras todas. Esse espírito ‘anti-tudo-o-que não-fomos-nós-a-criar’ não ajuda ninguém. Estive no plenário e estou muito satisfeita com os resultados, espero que cresça.

        Ana

  5. Luis Nobre diz:

    Existe um movimento de trabalhadores desempregados!

  6. Pingback: 400 pessoas em 24 horas | cinco dias

  7. Eu por acaso estava curioso para saber quantas pessoas participaram. Acho uma excelente iniciativa.

Os comentários estão fechados.