Imperialismo perde batalha na cidade síria de Homs


Imagens da chegada do exército sírio a Homs há cerca de quatro meses.

O exército sírio acaba de expulsar de Homs os grupos armados que tentavam lançar uma operação de destabilização a soldo do imperialismo norte-americano e europeu com o apoio da Turquia. E esta não é a única notícia boa. Durante as buscas por toda a cidade, as forças sírias capturaram vários cidadãos estrangeiros, entre os quais militares franceses que, entretanto, se tentaram fazer passar por reféns dos próprios grupos opositores.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

56 Responses to Imperialismo perde batalha na cidade síria de Homs

  1. von diz:

    O imperialismo… Nos tempos da URSS, o que se chamaria a esse regime? Principado?

  2. Nuno diz:

    Fazia-lhe bem não ler só o Avante!

    • Bruno Carvalho diz:

      Leu aqui alguma citação do Avante?

    • Carlos Carapeto diz:

      E vc lê para saber o que diz sobre a Siria?

    • Luis Almeida diz:

      É o único órgão decente neste país. Os outros só repetem o que o dono manda!
      Noticiam, por exemplo, alguma coisa das imensas lutas do povo americano, que alastram por centenas de cidades? E das prisões e repressão de que têm sido alvo a mando das “forças da ordem” do Prémio Nobel da Paz ? Ou não é notícia? Ou são “critérios jornalísticos”? “independentes”? Tenha juízo, Nuno…

  3. Carlos Carapeto diz:

    Hoje estou ao lado de Assad, a luta contra o imperialismo não me deixa outra alternativa.

    A consciência politica por vezes prega-nos estas partidas.

  4. Morte aos Mercados diz:

    Agradecimentos ao Bruno Carvalho por partilhar informação genuína e não-manipulada. As redacções da imprensa burguesa só iluminarão o povo quando alguém lhes deitar fogo.

    • von diz:

      Ora aqui está, ou falam como nós queremos ou fogo com eles. Um exemplo perfeito de tolerância. Estou seguro aqui ou pretende atirar-me com uma tocha?

    • von diz:

      Os velhos hábitos são difíceis de largar… Já os gajos daquela cruz esquisita também eram assim.

  5. xatoo diz:

    Bruno
    eu não sou do PCP mas, como é evidente, neste caso não posso estar mais de acordo consigo; eles que ladrem que nós lá vamos passando
    as “primaveras árabes” têm sido provocadas pela ingerência ocidental com fins ainda não de todo perceptiveis
    A própria Hillary Clinton, sobre a Líbia, já veio publicamente confirmar que o seu departamento gastou 30 milhões de dólares em gadgets e software para ajudar os “dissidentes” a enxamear o you-tube com informação falsificada
    http://xatooo.blogspot.com/2012/03/primaveras-arabes-provocadas-por.html

  6. João Cerqueira diz:

    As mulheres e crianças mortas, os civis bombardeados, toda a população de Homs faziam parte do imperialismo?
    E o seres humanos que morrem à fome na Coreia do Norte, regime comunista mais preocupado com a bomba atómica do que com a vida dos seus cidadãos, também foi o imperialismo quem os matou?

    • A.Silva diz:

      Fazia-lhe bem não ler só os meios de propaganda (ditos mass media) do capital.

      • von diz:

        Pelo contrário, por vocês só se lia os vossos flyers, tudo o resto para a fogueira, incluindo os escribas.

        • A.Silva diz:

          João Cerqueira, está a ver porque lhe recomendo outras leituras???

          É que senão fica assim como este Vom, que só consegue gaguejar uns disparates, que já nem ele sabe em que pasquim decorou.

  7. BRUNO diz:

    Sou de esquerda e nas politicas económicas estou ao lado do PCP, mas estas aberrações e outras, como a adoção por casais homoxsexuais, são primitivas.

  8. João diz:

    O Bruno Carvalho tem razão, perdeu o imperialismo, ganhou a ditadura síria. E congratula-se com isso. Depois admiram-se de os trabalhadores terem medo do PCP, partido que mais os defende. Excepto na Câmara de Setúbal. Ou não?

  9. Não sei se conheces a Síria. Se conheces, só podes sentir vergonha deste post. As coisas são complicadas e não compro a propaganda de lado nenhum nem trado o exército rebelde como gente em que se possa fiar. Mas tratar o exército da Síria, uma das mais brutais e sanguinárias ditaduras árabes, como libertador e exibir um vídeo de propaganda do regime só pode causar náuseas a quem conheça a Síria. O Cinco Dias está a chegar ao limite dos limites.

    • João Valente Aguiar diz:

      Eu tinha era vergonha de andar para aí sempre a defender conciliações e contemplações com os EUA, de longe o país mais assassino do século XX e XXI. Isso sim é de esquerda: dizer que ambos são maus e por isso não participando no combate político. E a não participação na tomada de partido só pode resultar numa cumplicidade com a vergonhosa acção americana para trucidar povos atrás de povos. Ou os 500 mil iraquianos mortos de 2003 em diante às mãos do exército americano e respectivas empresas de mercenários não interessam? É que é pelo US army que você está a tomar partido com essa posição de querer ficar em cima do muro. Quem tem mais força só soma ainda mais força de apoio com o silêncio e o titubear. À esquerda que lutou e luta abnegadamente em qualquer parte do mundo contra o imperialismo americano só pode causar náuseas estas tomadas de posição titubeantes, medrosas e, em última instância, legitimadoras de acções militares genocidas. Isso sim é que é preocupante e não posts corajosos como este do Bruno.

      • Kirk diz:

        O que o mata, e não só a si, é que Vc só conhece duas cores, preto e branco, ou então o velho principio mafioso, os inimigos dos meus inimigos meus amigos são.
        Há uma nova forma de pensar desde há anos mas Vc, talvez por ser muito novo, não se apercebeu. Se o imperialismo americano é o maior assassino do ukltimo seculo não é menos verdade que a ditadura siria é uma ditadura sanguinária, á qual, pelos vistos, Vc, em nome duma estranha Liberdade dos povos, fecha os olhos e defende tacitamente. O que cada vez se tem mais dificuldade é aceitar que em nome da luta anti-imperialista se admita o apoio politico a ditaduras que, em termo de crueldade nada ficam a dever a qualquer ditadura da antiga América do Sul, e salvas as devidas distancias, nada ficam a dever ao exemplo americano em termos de crueldade com os povos. Nem ingerencia nos negocios da Siria, nem apoio é sua politica fascista! Custa muito perceber isso?

        K

        • Carlos Carapeto diz:

          KIRK;

          Consegue acrescentar qualquer coisinha à repressão dos opositores do Barhaien?

          Esses coitados estão desarmados, mesmo assim são reprimidos com violencia brutal.

          Ignora que foram vários condenados à morte por participar nos protestos?

          Não está sintonizado nessa onda é?

      • Lamento quando não escolhe entre imperialistas e assassinos. Não devo ser de esquerda por isso, seguramente. Por achar que os inimigos dos meus inimigos não passam a ser meus amigos. Sabe que entre a luta contra uma ditadura sanguinária e o imperialismo não escolho mesmo. Sou contra as duas. Porque sou internacionalista e pela autodeterminação dos povos. Internacionalista faz-me ser solidários com qualquer povo oprimido. Ao defender a autodeterminação dos povos sou obrigado a lutar pela independência dos países e a democracia nesses países (condição para que a autodeterminação seja mesmo dos povos e não apenas dos ditadores que os oprimem). Está-me cá a parecer que sou é bem mais de esquerda do que o senhor. Ou pelo menos mais coerente.

        • De diz:

          Tretas
          Internacionalista?Auto-determinação dos povos?
          Como sucedeu na Líbia?

          De repente uma grande náusea

          • Zuruspa diz:

            Já somos dois, amigo De.
            Aliás, a náusea começou por Afeganistäo, ainda nos anos 90.

            Agora mostram fotos de mulheres a dizerem que “näo as podemos abandonar”. Hipócritas de m…! Durante a “ocupaçäo soviética” as mulheres andavam destapadas como queriam enquanto estudantes universitárias. Agora com a democracia toda têm sorte se as deixarem aprender a ler! É uma liberdade do caraças! As mulheres líbias devem estar igualmente em delírio com tanta liberdade!

        • A.Silva diz:

          No seu artigo publicado no Expresso, Daniel Oliveira toma uma posição aparentemente equilibrada sobre o conflito Sirio, equilíbrio esse que omite o papel fulcral da ingerência externa nos assuntos da Síria. Ingerência que se traduz não só no apoio político, mas também financeiro, militar e mediático por parte de países como EUA, Arábia Saudita, Qatar, Turquia, ou NATO e EU, aos fundamentalistas islâmicos na Síria.

          Ao omitir este facto, Daniel Oliveira está a sonegar um importante dado para a compreensão do que se passa na Síria hoje, deixando a imagem de um confronto exclusivamente entre os fundamentalistas religiosos e o poder autocrático de Assad. Desta forma, Daniel Oliveira branqueia toda a estratégia do imperialismo naquela região do mundo.

          Parece que mais uma vez, o sociais-democratas sob a capa de uma espécie de pureza de princípios, ou de falsa neutralidade, se colocam na prática e objectivamente ao lado das forças mais sinistras da humanidade.

          Por isso é normal que o seu discurso, neste caso, tenham tantas afinidades e similitudes, com o discurso de Paulo Portas.

        • João Valente Aguiar diz:

          Daniel, se houver intervenção militar americana não haverá povo para ser solidário. Tão simples quanto isso.
          E o internacionalismo que defende deve ser aquele em que o BE apoiou gratamente o pacto de agressão ao povo grego. Internacionalista, é verdade, mas com o grande capital.

        • Carlos Carapeto diz:

          Senhor Jornalista D O se é assim como diz, então diga-me onde posso encontrar artigos de opinião seus, sobre a feroz repressão exercida contra os participantes dos protestos no Barhein. E a sua condenação ao envio de forças Sauditas para abafar os protestos populares?

          Já teve a amabilidade de denunciar as pesadas penas de prisão a que foram condenados os médicos e as enfermeiras que trataram os feridos?

          Diga-me onde posso encontrar o seu repudio por estes actos?

          Aquilo que entende por internacionalismo não é mais que o paroxismo das suas preferencias politicas na medida em manifesta sempre um percurso irregular na avaliação de democracia, direitos humanos e liberdade. Ao contrário daquilo que defende esses conceitos nunca se podem alcançar através de interesses alheios, impostos pela força das baionetas do capitalismo. Diga onde já aconteceu?

          E neste caso da Siria, que como diz é um perfeito conhecedor do país e da situação, sabe perfeitamente que caso Assad caia o imperilismo resolve muitos problemas de uma só vez.
          É a Palestina, é o caminho livre para o Irão, são os transvases das águas do Eufrates para Israel, é o escorraçar de vez a esquadra Russa do Mediterrâneo, é livre transito do petróleo do Iraque para a Europa, anula-se o custoso projeto do Nabuco.

          É isto que pretende o D O? Dar total controle ao imperialismo de uma das regiões mais estratégicas do planeta?
          Se é isso que pretende, por favor meu caro deixe-se de pronunciar em nome da esquerda e da luta dos povos, porque não passa de um embusteiro infiltrado ao serviço do imperialismo.

      • De diz:

        Ah, essa pretensa equidistância entre as partes.

        No que a Líbia se tornou.Sob as garras desta coisa asquerosa e nojenta, esparramachada aqui neste vídeo:

    • A.Silva diz:

      “…o exército da Síria, uma das mais brutais e sanguinárias ditaduras árabes”, Daniel oliveira e já agora o que pensa da Arábia Saudita e do Qatar, ilustres patrocinadores dos ditos rebeldes?

    • Bruno Carvalho diz:

      Não só conheço a Síria como já lá estive. Não tenho qualquer vergonha de mostrar aquilo que nenhum dos seus colegas mostra. Efectivamente, defendo reformas importantes no regime sírio como, aliás, o fazem os comunistas sírios. Contudo, não tenho qualquer pudor em afirmar que defendo o direito do Estado sírio em se defender de qualquer agressão externa, aconteça ela através de uma agressão directa ou indirecta do imperialismo. Sobre os militares franceses detidos, o Daniel Oliveira não faz um único comentário. Aliás, tenta, como sempre, caminhar entre as gotas da chuva.

      O 5dias está efectivamente a chegar ao limite dos limites para gente que como o Daniel Oliveira defende que o Estado espanhol é uma democracia. Para gente que como o Daniel Oliveira defende a União Europeia. Para gente que como o Daniel Oliveira apoiou a ajuda à banca grega e mascarou isso como se fosse uma ajuda financeira ao povo grego. Tenha vergonha na cara.

    • João Torgal diz:

      De acordo, Daniel.

      Para além da opção pela ditadura sanguinária, é manipulação histórica à maneira estalinista.

      Entretanto, vejamos as notícias do regime abençoado pelo partido comunista: regime onde não há pobreza, desigualdades sociais ou exploração dos trabalhadores. Para além de ser um regime de direita opressivo e assente no culto da personalidade.

      http://www.publico.pt/Mundo/coreia-do-norte-concorda-em-suspender-enriquecimento-de-uranio-e-ensaios-nucleares-1535840

      P.S.: O 5dias é um blog plural e ainda bem que assim é

  10. Samuel B diz:

    Que vergonha de post! Deve ter as mãos bem sujas também… Que vergonha!!

    • Vasco diz:

      Porquê? Não acredita que os «rebeldes» são bonzinhos, pois não? Líbia diz-lhe alguma coisa?…

    • De diz:

      Que vergonha de post?
      Por não repetir as canalhices da propaganda ao serviço do império?
      Por tentar abrir o caminho a uma outra informação sem ser a da “voz do dono”?

      Mãos sujas?
      Aí a coisa fia mais fino.Quem lhe dá autorização para insultos soezes a quem não conhece e a quem emite opiniões diferentes da cartilha neoliberal?
      Cartilha neoliberal que cada vez se aproxima mais dum neo-fascismo repugnante e asqueroso?

  11. Pingback: Uma boa notícia. « vida breve

  12. JR diz:

    Sou comunista com muita honra , não defendo nenhum dos lados que estejam em guerra simplesmente porque sou anti guerra , também sei que em guerra não se olha a meios para atingir fins ou matas ou morres infelizmente é assim. Devia de haver um tribunal internacional que condena-se quem começa as guerras independentemente da razão . Talvez assim houve-se paz no mundo.

  13. Vasco diz:

    Viva o Daniel Oliveira, que tantos favores faz àqueles que diz abominar. E aquele argumento do «já esteve na Síria», que é assim para o vaidosão, saiu-lhe furado… Lá porque ganhou os favores do Expresso e das Tv’s (por que será?, ah já sei porque é «aberto», «moderado», «culto», «inteligente» – qualidades que só ganhou quando se afastou do PCP) não quer dizer que seja isso que acha e que acham dele.

  14. Bruno o que os comunistas sírios defendem não é com certeza os crimes contra o povo sírio que o trauma da guerra vem reavivar ao mesmo tempo que a memória de intervenções externas mais recentes faz temer,nem eles nem você nem eu,embora discorde que como você faz se fale de boas notícias a propósito do que ocorre …

  15. xico diz:

    Os franceses infiltrados é assim um pouco como aquelas manifestações de estudantes em Espanha, em que a maioria dos manifestantes, de estudantes não têm nada?

    • De diz:

      Afinal este xico que anda a dizer que viveu num dito estado dito socialista pertence a outra coisa.
      Uma coisa que aquilata a verdadeira identidade dos manifestantes espanhóis

      Estudantes ou não estudantes eis a questão
      Por outras palavras:bufo ou agente policial?

  16. Vasco diz:

    Das duas uma: ou os cidadãos franceses são mercenários e há que tirar daí ilações; ou são realmente reféns dos grupos «opositores» e a França não pode ficar muda e queda perante o rapto de cidadãos franceses e há também que tirar ilações.

    Paris: we have a problem!

Os comentários estão fechados.