Quem cala, consente?

Via José Manuel

O que se passou na Bélgica tem raízes profundas. Nas greves da General Motors, nos anos 30, como bem identificou um leitor e se pode ver no vídeo acima, mas em muitos outros momentos da história, o patronato, os governos fascistas e as mais recentes cruzadas imperialistas, têm recorrido à contratação de mercenários para vencer uma guerra para a qual não encontram quem a faça de boa vontade. No Iraque e no Afeganistão os terroristas de Bush e de Obama, na Palestina, no Líbano, na Síria ou na Jordânia os colonos de Israel, os milicianos marroquinos de Franco na guerra civil espanhola ou o exército do apartheid sul africano em Angola, são alguns dos exemplos que me assaltam a memória.

Há quem veja nesta denúncia um ataque aos que preferem continuar em silêncio, não percebendo que a única defesa possível é o combate tão frontal como feroz aos que para impor a austeridade estão dispostos a resgatar todos os métodos e todos os regimes que a luta dos trabalhadores tratou de enviar para o museu de antiguidades.

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged , , , . Bookmark the permalink.

3 Responses to Quem cala, consente?

  1. “Justiça” alemã interdita greves de trabalhadores no aeroporto de Frankfurt -a decisão segue-se a um pedido da companhia aérea Lufthansa e da empresa gestora do aeroporto, a Fraport- será que vão contratar mercenários para impor a decisão?

Comments are closed.