Flamenco Jazz Company

Este fim de semana vi estes tipos ao vivo, num bar de jazz. Depois de entrar no metro, nos cafés, nas bancas dos jornais, nos hospitais, nas lojas e não conseguir frequentar um único local público sem o omnipotente lixo televisivo e musical,  lembrei-me, ainda durante o concerto, de um poema do Guimarães Rosa que diz «Qualquer amor já é um pouquinho de saúde, um descanso na loucura…»

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

4 respostas a Flamenco Jazz Company

  1. Luigi Fare Niente diz:

    Sou português mas, a música com que mais identifico na Península Ibérica é,sem dúvida,o Flamenco! 10E100 em relação ao fado.

  2. Listener diz:

    Eis uma tentativa de transformar Flamenco Jazz Company em lixo musical.
    “O meio é a mensagem” .

  3. maré diz:

    Concordo em absoluto quanto ao lixo, mas este só é omnipotente porque é omnipresente, senão não seria assim. Quanto a ser omnisciente, aí não tem qualquer hipótese porque a blogosfera, por exemplo, desmascara-o.

  4. Luis Almeida diz:

    Não há dúvida: o flamenco é muito “jazzístico”…

Os comentários estão fechados.