A Gioconda de Beja

É Procuradora, ouviu o triplo-homicida e, entre sorrisos, desdobrou-se numa entrevista à RTP que provoca náuseas mesmo entre aqueles que nada esperam do sistema de justiça. Entre o absurdo da televisão pública se preocupar em ouvir a Procuradora de um triplo-homicida e o disparate da senhora Maria José Martinho em aceitar dar a entrevista, interrogo-me como continuará a saga. Irão, para lá das tão habituais como deprimentes entrevistas aos vizinhos, familiares e amigos, procurar saber o relato do médico legista que fez a autópsia e chamar o José Pinto da Costa para fazer o comentário técnico?

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged , . Bookmark the permalink.

6 respostas a A Gioconda de Beja

  1. Santos.se diz:

    Os palhaços e o circo da justiça continua aberto!

  2. Justiniano diz:

    Sem dúvida, caro Renato!! Algo verdadeiramente inusitado! Bom desabafo, sim senhor!!

  3. Rui F diz:

    Segue-se o livro…. n edições…centenas de milhar de tiragens…

  4. Pedro Bergano diz:

    Subscrevo! Não vi a dita peça jornalística, mas só o seu anúncio me deu náuseas

  5. Anónimo diz:

    Posso questionar o porquê da sua indignação à Sr.ª Procuradora ter aceite dar a entrevista?

    Ou o Sr. também é daqueles que questiona a censura e a falta de liberdade de expressão?

Os comentários estão fechados.