Um cobardolas na Presidência da República


Foi-se a Monarquia, veio a República. Foram-se os reis, vieram os Presidentes. Excelente, agora o povo escolhe o mais alto magistrado da Nação. Aquele que o representa em última instância.
No caso de Portugal, esse alguém é Cavaco. Alguém que, perante uma manifestação pacífica de estudantes, cancela uma visita oficial. Alguém que, perante o medo de ser contestado, foge a sete pés. Alguém que tem medo de putos.
Na minha terra, o presidente Cavaco tem um nome: cobardolas. É o que ele é. Um cobarde. Um fraco. Um pixote. Sempre foi.
Esperava mais da República de que ele se diz representante supremo. Uma República onde, apesar de tudo e como se pode ver pela foto, uns são mais cobardes do que outros.
Apesar de tudo, foi bom para os putos da António Arroio, que hoje estão de Parabéns. Afinal, quem é que o queria lá?

ADENDA: O «corajoso» José Sócrates também foi à António Arroio enquanto decorria uma manifestação dos estudantes. Tão corajoso que no final fugiu pela porta das traseiras.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

17 Responses to Um cobardolas na Presidência da República

  1. tric says:

    se eles tratam assim o Presidente da Republica de Portugal, nem quero imaginar cmo tratam os professores…o Partido Comunista tambem é um partido de cobardolas, basta atentar o silêncio que se mantiveram e mantem, acerca da tomada de controlo de activo estratégicos do Estado Português, por parte do Partido Comunista Chinês…nem piaram, face ao partido do país mais poderoso da Internacional Comunista!! Cobardolas

    • Augusto says:

      Meu caro o tempo da “veneranda figura” acabou com o Tomás de triste memória.

      Contestar o Presidente da Republica, o Primeiro Ministro, os Ministros os Deputados, é um direito de qualquer cidadão.

      Se Cavaco sabia que aquela escola NEM REFEITÓRIO TEM, se sabia que neste momento as condições na Antonio de Arroio não são dignas de uma escola de Artes, o que pretendia ao fazer a visita?

      Mostrar apoio de um sector da população, a juventude estudantil…. mostrar preocupação pela degradação do ensino publico, de que a Antonio de Arroio é um exemplo….ou pelo contrário arranjar um pretexto para aparecer nos telejornais…

      Se perante uma contestação PEFEITAMENTE NORMAL e SAUDÁVEL em DEMOCRACIA, o Presidente da Republica mete o rabinho entre as pernas, e deixa-se ficar em Belem ao cuidado da D. Maria Cavaca.
      O que se poderá de esperar do sr Cavaco Silva, se perante os CRIMES que a Direita PSD-CDS está a cometer contra Portugal e os Portugueses, suscitarem uma revolta generalizada do povo, vai a correr refugiar-se na Aldeia da Coelha?

    • artur says:

      Andas distraido ou isso é mania?

    • C.Silva says:

      A posição do PCP s/ a venda dos 21,35%

      “… dos 21,35% que o Estado detinha no capital social da EDP à empresa chinesa Three Gorges constitui um acto de gestão danosa, por … que dá um passo significativo no criminoso processo de privatização da EDP iniciado na década de 90 pelo Governo PSD de Cavaco …”

    • A.Silva says:

      Tric se o preconceito não lhe toldasse o pensamento, podia já ter tido conhecimento da posição do PCP em relação à alienação de activos estratégicos:

      - ” O anúncio da entrega dos 21,35% que o Estado detinha no capital social da EDP à empresa chinesa Three Gorges constitui um acto de gestão danosa, por parte do Governo, contrário aos interesses nacionais, que dá um passo significativo no criminoso processo de privatização da EDP iniciado na década de 90 pelo Governo PSD de Cavaco Silva, e que terá de ser revertido tão cedo quanto possível.”

      Realço o: TERÁ QUE SER REVERTIDO TÃO CEDO QUANTO POSSIVEL.

      Seria bom que todos os outros partidos tivessem uma posição tão clara e patriótica como o PCP.

      Tric é melhor tirar as palas!

  2. Vítor Vieira says:

    E agora vai começar a habitual lengalenga sobre a “manipulação” dos miúdos, sobre o “aproveitamento político”, “a mão dos comunistas”, blábláblá… enfim, quem aprendeu na velha escola usa sempre a mesma cartilha…

  3. Armando Cerqueira says:

    O Senhor Presidente Aníbal Cavaco Silva, homem de grande cultura universal e leitor compulsivo da grande literatura europeia do século passado, ficou tão sensibilizado com a obra fundamental de Robert Musil que – não se revendo nessa populaça reivindicante, discordante e vociferante da escola António Arroio – se identificou profunda e imediatamente com a personagem princiapal de Musil: “o homem sem qualidades”…

  4. O Rural says:

    Ainda se fala que esta geração de professores manda estudantes para as unviersidades com nota 9.

    Vejam só a categoria destas crianças blablabla!

  5. maré says:

    A António Arroio continua a ter a energia especial de uma grande Escola.

  6. V Cabral says:

    O “Presidente Alforreca” é o comandante supremo das Forças Armadas. Se ele quisesse metia-se dentro duma chaimite e fazia a programada visita à Escola …
    Ele nunca fugiu duma manif. de apoio …

  7. coeh says:

    presidente com medo é coisa feia!

    • notrivia says:

      Não, não. Precisamente o contrário.
      Thomas Jefferson já dizia que no dia em que os governantes perdessem o medo da população que governam, estavam abertas as portas à tirania.
      Enquanto houver um sistema de líderes (medíocre por definição, que reflecte um estado de consciência cívica muito deficiente, onde uma massa inconsciente entrega a gestão dos assuntos públicos a um ou meia dúzia…) a coisa só vai lá se houver uma pressão constante sobre os tais.
      A única coisa que lhes proporcionaria paz seria a plena consciência que estariam de facto a trabalhar em prole do bem colectivo.
      Se não conseguissem aguentar a pressão, podiam sempre dedicar-se a jardinagem… é mais relax.
      Mas o cavaqueira é erva ruim… faz merda, espalha-a pelas paredes, e sabe-se lá que mais… não arreda pé e ainda faz-se de despercebido.
      It’s about time they feel the pressure!

  8. Luis Almeida says:

    Há uns tempos escrevi na sua página do FB o seguinte: ” V. Exa., quando se candidatou, sabia que era ESTA, e não outra, a Constituição vigente. Por isso, no momento solene da tomada de posse, quando jurou ‘ cumprir e fazer cumprir’ a Constituição, só podia estar a fazer figas atrás das costas! A minha mãezinha, mulher simples e que nunca aspirou a cargos públicos, sempre me ensinou que um juramento ou a palavra de honra são mesmo para cumprir”.
    No dia seguinte o meu comentário tinha desaparecido. Vi, depois, a página com mais atenção e constatei que todos os comentários críticos tinham sido igualmente eliminados. Só ficaram os laudatórios…
    No tempo do fascismo, o Américo Tomás tinha muitas alcunhas, sussurradas em voz baixa. Uma delas, toda a gente sabe, era “cabeça de abóbora”, mas uma outra, com subtil piada, era “presidente da república”!
    Acho que, no Cavaco, “presidente da república” é também mais alcunha do que propriamente o nome do cargo…
    Um gajo do 24 de Abril no mais alto cargo do Portugal democrático saído da Revolução de Abril!! Pode ?
    Claro que concordo com o epíteto de cobardolas.

  9. Jorge says:

    Não cheguei a perceber foi a imagem relativa ao Sócrates…

    • Ricardo Santos Pinto says:

      Encontrei a foto e vinha a propósito. Mostra que os estudantes da António Arroio já antes se levantaram em defesa dã sua escola. O outro, ao menos, não cancelou a visita.

  10. Vasco says:

    Grandes miúdos. O futuro está garantido.

Comments are closed.