Um risco do trabalho de campo que eu não corro

(foto de antropóloga no sul de Angola)

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged . Bookmark the permalink.

6 Responses to Um risco do trabalho de campo que eu não corro

  1. Catarina G. diz:

    a tanto não cheguei, mas recebi um convite de um pescador no sul da Tanzânia para tirar a roupa (estava de t-shirt e calças a meio da canela) e ir nadar no mar. agradeci o convite, e expliquei que não era turista (só as crianças ou mzungos adultos sem noção das regras sociais locais relativas ao vestuário é que nadam por prazer naquela parte do mundo).

    • paulogranjo diz:

      Algum tipo de assédio há sempre, mais tarde ou mais cedo, por muito pouco atractivos(as) que nos consideremos.
      Mas o mais engraçado da foto é, acho, que aquela curiosidade e inspecção mamária inter pares faz, de facto, muito sentido.

  2. mucubal diz:

    A mim foi-me dito para ter especial cuidado em não deixar ver os meus genitais, não fossem os mucubais improvisar uma circuncisão logo ali no local

  3. retornado diz:

    É da UNICEF, cooperante, com muito leitinho para distribuir pelas criancinhas da etiópia.

Os comentários estão fechados.