A burguesia a sair da crise

Desde o início do ano as empresas europeias cotadas em bolsa já despediram quase 33 mil pessoas, mais do dobro que em igual período do ano passado.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

10 Respostas a A burguesia a sair da crise

  1. manu diz:

    Raquel

    Triste sem dúvida, mas invés de criticares o despedimento da malta deverias criticar quem os contratou.

  2. Zuruspa diz:

    Despedindo pessoas diminuem-se os custos, e aumenta-se o valor das acçöes.
    Capitalismo no seu melhor!

    • Então melhor ainda será despadir as pessoas todas… então aí o valor das acções seria maximizado, não era?

      • Zuruspa diz:

        Mas tens dúvidas?
        Porque é que achas que as acçöes sobem após cada despedimento colectivo? Apercebi-me disso ao ler o livro da Naomi Klein.
        E de facto, pelo Mundo todo, as acçöes já subiram acima dos níveis de Setembro de 2008, quando despoletou a cryse. E daí para a frente o PIB desceu, o desemprego grassou, a cryse das dívidas… e as acçöes por aí acima. É paradoxo, mas é real.

    • Luis Almeida diz:

      Mais maquiavélico ainda, Zuruspa. Já se despede para FAZER SUBIR as acções!
      “Capitalism: a love story! Michael Moore ).

  3. Anónimo diz:

    33 mil novos desempregados e nenhum “da burguesia”: é preciso pontaria.

Os comentários estão fechados