A crónica da polémica de Pedro Rosa Mendes


 

Via João José Cardoso.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

7 respostas a A crónica da polémica de Pedro Rosa Mendes

  1. JgMenos diz:

    Justo comentário….E depois?
    Não queremos o dinheiro deles cá?
    Não queremos o nosso trabalho lá?
    É o possível equilíbrio: uns denunciam-na, outros conformam-se à realidade.
    A cada um a liberdade da sua missão.

  2. paulo diz:

    pequena coreção
    a ultima crónica é de dia 25/1/2012 e fala sobre portugal, o medo eos khmers vermelhos

  3. Carrocel diz:

    Parece que “este tempo” chegou ao fim…
    Engane-se, quem alguma vez pensou que foram as palavras arrojadas pelo jornalista Pedro Rosa Mendes no passado dia 18, que conduziu ao final repentino do programa “Este Tempo” na ANTENA 1. Existe um grande erro nesta matéria, pelo que tentarei explicar a verdadeira razão.
    As palavras meritórias do Pedro, foram evidentemente o melhor instrumento público, de justificação ao encerramento abrupto do programa. Mas este foi simplesmente o bode expiatório desta história que indigna o ouvinte mais insensível às indignações de … “este tempo”.Vendo bem, e de preferência com óculos de massa, o verdadeiro alvo a atingir quando se decidiu extinguir o dito programa foi apena um: a “pensadora revolucionária e mediadora” Raquel Freire, realizadora nos tempos livres. Entre todos os intervenientes no programa, esta é sem dúvida a que consegue elevar melhor as suas palavras ao “nada”, num preocupante e repetitivo chocalhar de ideias, despejadas de conteúdo. Este “nada” previamente estudado e seguramente pensado dentro de uma estratégia revolucionária com alcance de nível Mundial, começou a atormentar a vida e as familias dos senhores do mundo.
    Segundo informações fidedignas, numa cooperação entre o Pentágono, a CIA e a NASA, onde as traduções são feitas por um açoreano que evita desta forma a deportação, ficou demonstrado que Sra Freire através das suas crónicas políticas radiofónicas, conseguia conceber na atmosfera pessoal um “buraco negro” idiológico imensurável. O fenómeno em parte inquietante consubstanciava silenciosamente, não apenas às consciências obtusas dos portugueses mas, uma panóplia de residuos e poeiras perdidas na atmosfera, originando, sem qualquer originalidade, um aglomerado de novos burgueses de esquerda “SOARISTAS”, sem soluções continuamente vazios e além disso de ideais precários.
    Após o alerta e lógicamente preocupados com a futuro da bovinidade portuguesa a direcção da RDP e alguns administradores, do qual eu tive o previlégio de fazer parte, decidimos por unanimidade encerrar o programa. Lamentamos aqui a perda do excelente profissional Pedro Mendes, para poder não lamentar a vitória sobre o “nada”.
    …outra coisa! A censura em democracia é relativa, se tentarmos comentar um artigo no Blog 5 dias, escrito pela camarada Freire podemos ter a sorte de este não ser publicado. Porque será?

    • Slave diz:

      Tanto texto para não dizer nada.
      Spin de 2,5 estrelas em 5

      A RDP é minha e de outros como eu e não do governo que em cada ciclo passa por lá, seja qual governo for.

      • Carrocel diz:

        O SLAVE não entendeu que eu me estava a referir às nódoas do bibe com xadrez azul e não vermelho.
        É tudo teu!
        E ainda bem que entendeste, pois é sinal que o “nada” te tocou o “clitóris” cerebral. Tenta ver se a frigidez não te toca a imaginação do orgasmo.

        Gostinho e trocar palavras, adeus!

  4. jose pereira diz:

    Ate parece que no governo anterior não houve a mesma “bajulice”

Os comentários estão fechados.