Ensaio Geral – O Domingo Sangrento de 1905

A 22 de Janeiro de 1905 dava-se o ensaio geral da revolução russa. Uma manifestação pelas 8 horas de trabalho e o sufrágio universal acaba num massacre de 150 manifestantes. As derrotas, em história, são sempre parciais ainda que catastróficas. Do Domingo Sangrento nasce o embrião da revolução russa, os sovietes. O de Petrogrado foi presidido por Leon Trotsky.  A derrota russa na guerra com o Japão de 1904-1905, a miséria dos camponeses, e a crescente concentração de um operariado urbano nas grandes cidades, estão entre os factores que levam ao Domingo Sangrento.

Há outros Domingos Sangrentos – o de Derry, na Irlanda do Norte, imortalizado na música dos U2, Sunday, Bloody Sunday. A 30 de Janeiro de 1972 o 1° Batalhão do Regimento de Pára-quedistas do exército de ocupação do Reino Unido disparou sobre uma manifestação pacífica de defesa dos direitos civis e contra a ocupação inglesa e matou 14 manifestantes.

Ainda outro Domingo Sangrento: 13 de Novembro de 1887 – uma manifestação em Londres contra as leis de coerção sobre a Irlanda, que visavam pôr «ordem» no país, é brutalmente atarracada pela polícia. O país não «entrou na ordem» e em 1916 começa aquela que é primeira luta anti-colonial da história contemporânea, a insurreição irlandesa contra a Inglaterra durante a I Guerra Mundial, e pouco depois, em 1922, a derrota inglesa e a conquista da independência da maioria do território.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

5 respostas a Ensaio Geral – O Domingo Sangrento de 1905

  1. João Valente Aguiar diz:

    Raquel,

    algumas correcções.

    1) os sovietes não surgem logo em Janeiro de 1905 mas só para o final do ano, na maioria dos casos.

    2) o Trotsky não foi líder dos sovietes como falas mas do soviete de Petrogrado.

    3) este existiu entre 13 de Outubro e 3 de Dezembro de 1905. Aliás, o primeiro soviete surgiu em Maio de 1905 em Ivanovo.

    Em suma, o Trotsky teve uma importância relevante no Soviete de Petrogrado mas isso não faz com que ele tenha presidido a todos os sovietes, conforme é sugerido no texto. Por exemplo, o Soviete de Moscovo tinha uma direcção bolchevique e chegou a um confronto directo mto mais profundo com o poder do que em Petrogrado. Tal como a curta duração do Soviete de Petrogrado não apaga a sua importância única na história do movimento operário. Sovietes que foram criação espontânea dos trabalhadores. A revolução é a conjugação entre espontaneidade e organização.

    Abraço

    • Raquel Varela diz:

      João,
      Como sabes é controverso

      1) há quem escreva que nascem imediatamente pela mão de anarquistas em Janeiro – Volin, dirigente anarquista russo reclama essa tese – e só depois em Outubro – apoiados na evolução das greves entre Fevereiro e Abril – mudam de direcção e se sedimentam como organização.
      2 ) Tostky foi de facto líder do de Petrogrado (vou referi-lo especificamente), que do ponto de vista das sementes (o ensaio geral de que falava Lenin) é aquele que vai ter mais impacto em 1917.

      Abraço
      Raquel

  2. Armando Cerqueira diz:

    Pois é Raquel, os Portugueses (ou serão antes portugueses) são muito muito muito conformistas.
    Não foi por acaso que tivemos uma ditadura durante 48 anos, e que só terminou porque os oficiais do Exército (um dos suportes da Ditadura) se revoltaram por não lhes convir mais participar na guerra colonial — um dos proclamados ‘capitães de Abril’, o actual coronel Sousa e Castro continua a chamar-lhes num livro de memórias relativamente recente ‘Ultramar’ e ‘províncias ultramarinas’…

    Armando Cerqueira

  3. Carrocel diz:

    Muito interessante! Mas na prática onde é que esta teoria histórica se encaixa na realidade actual, quando as consciências são outras e bem menos humildes?

    Será que desta vez publicará a minha questão?

    Obrigado

  4. Niet diz:

    Para lá do rigor e da heterodoxia, que a combativa Raquel Varela defende e preconiza, convém dizer que o Soviete de Petrogrado teve origens em Janeiro/ Fevereiro de 1905, de acordo com os relatos assentes por Voline, logo a seguir ao Domingo Sangrento,portanto. O imenso despertar da força e consciência revolucionária do proletariado industrial russo cresce e auto-organiza-se

    – depois da ” matança de 9 de Janeiro – através de um ciclo extraordinário de Greves de Massas que sacodem mais de 120 cidades e as principais fábricas de Petrogrado e Moscovo, Odessa, etc. E que se radicalizam no Outono Existiram coincidências muito importantes para a autonomia operária russa: o partido bolchevique só veio à luz em Abril de 1905. E Rosa Luxemburgo tinha profundamente razão histórica ao avisar: ” O proletariado tem o dever e a obrigação, justamente, de se colocar imediatamente, da forma mais enérgica, mais inexorável, mais brutal, pela aplicação de medidas socialistas; e, por isso, em exercer a ditadura, mas uma ditadura de classe, não a de um partido ou de uma clique, ditadura de classe, isto é, com a publicidade mais larga, a participação mais activa, mais ilimitada das massas populares numa democracia completa “. Isso fundamenta e consolida a transformação dos comités de greve em conselhos operários, isto é, em sovietes. Salut! Niet

Os comentários estão fechados.