Urge “Guilhotinar” os Traidores

Já escreveram aqui sobre o que significa a UGT. Aguarda-se agora saber o que vai fazer quem tem a responsabilidade nas mãos: o sindicato dos enfermeiros, dos engenheiros, dos trabalhadores dos aeroportos, dos bancários, dos seguros. Deixo aqui uma lista para que se torne público quem assinou este acordo e se encham de vergonha. Quando romperem com a UGT serão aplaudidos aqui também.

Também já aqui se lembrou que traição não é uma palavra exclusiva da UGT, embora o salto qualitativo nesta seja evidente.

Para não sermos porém precipitados, era também importante lembrarem-se que neste país há sindicatos independentes, e há gente, imensa gente que, como eu, nunca soube o que era um subsídio de férias, um subsídio de doença ou segurança social digna. Há muitos anos que não tenho 17 dias de férias úteis, trabalho 12 horas por dia e muitas vezes 6 dias por semana e os meus melhores amigos estão desempregados. A nós a CGTP não tem nada a dizer, a não ser um cordão policial quando fazemos manifestações.

Para eu trabalhar 12 horas há muitos, dos meus, dos nossos, que estão desempregados. Juntos, precários e desempregados, somos a garantia de que estes acordos sobre quem tem contrato podem ser assinados.

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged . Bookmark the permalink.

19 respostas a Urge “Guilhotinar” os Traidores

  1. rms diz:

    A CGTP defende trabalhadores. Obviamente, desempregados e precários são trabalhadores. Dizer o contrário é fazer o jogo da classe dominante: dividir, ainda mais, para reinar.

  2. Mike diz:

    A mim a CGTP nunca me fez um cordão policial… mas devo ser especial…

  3. subcarvalho diz:

    rms…méééééééééééééééééé

  4. silva diz:

    Quem investiga o caso do despedimento colectivo de 112 trabalhadores do CASINO ESTORIL.

    É tudo uma grande treta, isto de haver justiça, mas mais tarde ou mais cedo a verdade vem ao decima mesmo que os chineses comprem a verdade.

    Acabar com a Máfia PS e PSD e não deixar nenhum para a próxima geração.

  5. Armando Cerqueira diz:

    Bom dia Raquel,
    apenas um pedido (i) e uma pergunta (ii):
    i) por um lado parece-me importante acrescentar a cada nome o respectivo partido político, ii) por outro lado pergunto-me, inquieto, o que é que João Proença e ‘amigos’ terão ganho material e subjectivamente com esta imensa traição aos trabalhadores? Estejamos atentos às respectivas carreiras profissionais e políticas para depois tirarmos conclusões.
    Um abraço

    Armando Cerqueira

    • Raquel Varela diz:

      Bom dia Armando,
      Nomes dos dirigentes sindicais? Ou das centrais?
      Valia sim a pena, se tiver eu acrescento, claro.
      Abraço
      Raquel

  6. A.Silva diz:

    A direita e toda a tralha neoliberal/reaccionária tenta fazer passar a ideia de que “os sindicatos só defendem aqueles que têm trabalho e pagam a cota”, o objectivo deles é claro e límpido, denegrir as organizações de trabalhadores para melhor explorarem aqueles que vivem do seu trabalho.

    Há mais quem queira alinhar com esta tralha nauseabunda?

  7. Zuruspa diz:

    Raquel, também queres nivelar por baixo e arrastar os poucos que väo tendo contrato para a tua situaçäo? É isso que dás a entender. É que eu preferia que os precários deixassem de o ser.

    E olha, já chateia o choradinho de näo ter férias e trabalhar 10.000 horas por dia e 10 dias por semana. Se o fazeis é porque o quereis. A única vantagem dos recibos verdes é que trabalhas quando queres, e tiras férias quando queres. Abdicam disso em troca de quê+ Promessas väs. À primeira todos caem, à segunda só caem os parvos.

    Porque näo juntas os teus amigos precarios todos e criam uma cooperativa de consultoria? Foi o que eu fiz.

    Porque é que o FERVE e a Plataforma 15O näo fazem acçöes de formaçäo para “empresários individuais” em que a 1.a frase é “Peçam pelo serviço pelo menos 1,5 vezes o salário de um trabalhador da empresa em posiçäo equivalente. É assim que eu faço a minha “prestaçäo de serviços”. Quem quer, quer, quem näo quer cheira e deixa. As empresas já sabem que o meu trabalho sai bem à primeira, claro que podem sempre “contratar” um gajo qualquer pelo salário mínimo, mas depois o barato sai-lhes caro, e têm de me contratar novamente para desfazer o que está mal, e fazer bem.

    Usem a força que têm. Se näo entendes, nada a fazer.

  8. Tiago de Lemos Peixoto diz:

    Pequena (grande) imprecisão no teu texto. A CGTP não representa de facto muitos trabalhadores e sindicatos independentes, mas não é a eles que estende o cordão. Aliás, a não ser que te insiras no conjunto de infiltrados ( partidários ou de extrema direita), não creio que haja grande razão de queixa da actuação da CGTP. Houve sim petardos durante a Internacional enquanto gente fazia a saudação Romana. Razões que a meu ver justificam um perímetro de segurança, que não visava excluir outros, mas defender os que lá estavam de provocadores. Quem chegou como eu um pouco à frente do cortejo pode confirmar que se tentava fazer tudo para sensibilizar e acomodar a chegada de mais manifestantes. E quem sabe ler nas entrelinhas sabe identificar os apelos à desobediência civil ( “qualquer acção praticada contra estas leis é mais legitima que as mesmas”), o repúdio aos infiltrados ( A CGTP afirmou-se contra os manifestantes violentos, mas ninguém aqui pode em consciência discordar dessa parte nem se revê nos mesmos, certo?), ou até o claro piscar de olho a iniciativas cívicas ( veja-se ainda ontem o Carvalho da Silva dizer que as propostas de mudança não virão do parlamento, mas dos que estão fora dele. Menos de uma semana depois da apresentação de uma lei cidadã contra a precariedade).

    Por isso, e pelo excelente post, convém fazer aqui a ressalva. Porque, ainda que nem todos os trabalhadores caiam sob a alçada da CGTP ( e ainda bem) esta não está contra eles.

    E porque o dividir para reinar é a melhor arma que “eles” têm, convém não cair na armadilha.

  9. vítor dias diz:

    Deixando de lado o vezo anti-CGTP da Raquel Varela, só lembrar que há nomes que enganam e que os sindicatos mais representativos de professores, função pública, enfermeiros etc, etc, estão na CGTP.

  10. Pingback: Pepe é um idiota (quote) | Total Blog

  11. cidadão diz:

    Porqûe é que estes indigandos trabalhadores, escravizados pelos imundos capitalistas, não canalizam a sua raiva toda para a iniciativa privada, juntando-se e criando empresas ou organizações aonde poderão dar 6 meses de subsídios de férias aos seus privilegiados trabalhadores e praticam um horário de no máximo 20 horas semanais, com um salário mínimo de 1500€/ mês. Espero para ver quantos dias durará tal organização.

Os comentários estão fechados.