HOUSE NEGRO

A UGT, por intermédio de João Proença, voltou a trair os trabalhadores. Ao invés de aderirem aos protestos já agendados por vários actores do movimento social, de defenderem os direitos que estão a ser colocados em hasta pública e de em articulação com a CGTP convocarem uma nova greve geral, venderam-se por menos que um prato de lentilhas, que ainda por cima não vai chegar à mesa da esmagadora maioria das pessoas. A subscrição espúria deste acordo com o governo e o programa radicalizado da troika dissipa qualquer dúvida sobre o campo político ao qual o Partido Socialista pertence.

No próximo Sábado, às 15 horas, participa na manifestação que parte do Marquês de Pombal em direcção a São Bento, passando pelo inefável Largo do Rato. De seguida, toma a palavra, a proposta e o voto na Assembleia Popular que se realiza às portas da Assembleia da República, e mostra que as concertações nem passaram do papel, nem foram assinadas em teu nome. A luta continuará a ser corpo a corpo e a paz social não se garante com novos anúncios de guerra.

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged . Bookmark the permalink.

7 respostas a HOUSE NEGRO

  1. Outro diz:

    FILHOS DA PUTA, TODOS PÓ CARALHO! HEI-DE VÊ-LOS DECAPITADOS NA CALÇADA!

    FILHOS DA PUTA!

  2. Camarro diz:

    Da UGT e do PS nada podemos esperar, a não ser a traição permanente. Como é que uma central sindical que, supostamente, deveria defender os direitos dos trabalhadores se presta a este espectáculo?

    Perante a desfaçatez das críticas de JProença à CGTP, estou curioso para ver qual será a resposta de CSilva. Além disso, uma das justificações de Proença para ter assinado este acordo passava pela intenção de diminuir a conflitualidade social. É bom recordar que nem sequer passaram dois meses sobre a greve geral. Este acordo assinado pela UGT indicia, claramente, que a próxima greve geral será muito mais higienizada, e ainda bem…

    • Joaquim Rato diz:

      Camarro! Do PCP e da CGTP é que podemos esperar tudo. Aliás, os seus percursos têm sido exemplares. O povo deve-lhes muito, sobretudo, este governo que é o mais reaccionário do pós 25 de Abril.

      • De diz:

        Rato.
        Por favor não faça jus ao nome e não diga disparates saídos da sua mente demenciada
        E se pensa que estou a ser duro consigo tenha santa paciência mas por hoje já dei.
        Coisas como esta coisa – e refiro-me a João Proença – tiram-me do sério.
        E já não tenho paciência para os serviçais de ocasião que se espraiam a olhar para o umbigo deles ou que são cúmplices dos salteadores do trabalho dos outros.
        Enquanto vão arranjando alíbis para as misérias e os miseráveis que quotidianamente nos governam

      • Camarro diz:

        Meu caro. Essa já não resulta. Bem sei que deve ser complicado ouvir Torres Couto afirmar que a UGT, ao assinar o acordo, levou a cabo uma estratégia suicidária e que terá que explicar muito bem nos locais de trabalho porque é que assinou um acordo deste género, mas daí até culpar o PCP e a CGTP pelo estado a que isto chegou…

  3. Pingback: A única solução é extinguir a UGT | cinco dias

Os comentários estão fechados.