“When you have to shoot, shoot. Don´t talk.”

Em contagem decrescente!

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

4 respostas a “When you have to shoot, shoot. Don´t talk.”

  1. kirk diz:

    Um gajo que não tenha por hábito ler certos blogues ou que nao tenha pagina no facebook, podemos dizer que tem boas hipoteses de nao saber que a manif vai acontecer. Aliás já encontrei pessoas naquelas condiçoes. Eu ainda não vi qq publicidade á manif a não ser na net. Qual é a ideia? É só pra gajos que tenham telemovel ou pagina nalguma rede social?
    Digamos, é apenas para a pequena burguesia radical e suas organizaçoes ou vamos lá ter organizaçoes de trabalhadores? Era fixe saber isso antes de dia 21.
    K

    • Renato Teixeira diz:

      Há colagens a acontecer por toda a cidade, mas é verdade que a info ainda está muito presa à rede. À cola!

      • Kirk diz:

        Quando o Ricardo fala de “toda a cidade” está provavelmente a referir-se a Lisboa. Parece que estamos numa reedição do tempos das organizaçoes da extrema esquerda há 25 ou 30 anos atrás. As suas acçoes apenas abrangiam sectores, mesmo assim pequenos, de pequana burguesia. Era dificil apanhar organizaçoes operarias representativas nessas manifs. Agora, com o Ruptura/FER (sorry, mas nao conheço mais nenhuma organização e ás tantas nem é a FER que está por detrás desta de dia 21) quem viveu aqueles tempos está a ter um “flash-back” de certeza.
        K

    • Slint diz:

      Sabes quantas pessoas têm internet em Portugal? Sabes que somos o único país com mais telemoveis que população? Sabes que mesmo não tendo computador e internet podes ter acesso a um de borla numa biblioteca municipal/escolar?
      Uau ter internet e telemovel é mesmo coisa de burguês de facto, é preciso trabalhar vários meses e andar a poupar para ter tal coisa.

Os comentários estão fechados.