Enternecido com o capitalismo

É enternecedor saber que depois de uma empresa ser privatizada e definitivamente livre do diabólico jugo estatal, os seus accionistas decidem convidar exactamente os mesmos que o governo vigente nomearia. Por outro lado, reconheçamo-lo, o capitalismo não esquece velhos  amigos.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

4 Responses to Enternecido com o capitalismo

  1. Vitor Ribeiro diz:

    “O autor declara peremptoriamente que qualquer semelhança entre o que se segue e pessoas, coisas e acontecimentos realmente existentes, [bem como práticas levadas a cabo por outros partidos em idênticas circunstâncias e veementemente criticadas], é absoluta e pura coincidência.
    No entanto nada o impede de verificar que as coincidências têm causas matemáticas bastante curiosas.”
    Pedro Passos Coelho, parafraseando Mário Henrique Leiria…

  2. JgMenos diz:

    A venda da EDP é no essencial um acordo entre Estados – um falido e ameaçado de bancarrota e outro enriquecido pelo capitalismo e, por manter uma activíssima vanguarda da classe operária no poder , sem constrangimentos distributivos .
    E como tudo em que político – e consequentemente o Estado – mexe, se resume maioritáriamente a transaccões de tachos e poder, tudo está a decorrer na maior normalidade.

  3. Simon diz:

    Adoram cuspir no Estado, mas não largam a mama. Não raras vezes conjugando a situação de tachos políticos com pensões milionárias decorrentes de uns anitos não sei onde (v.g. CGD, Banco de Portugal).

  4. Tiago C diz:

    Não há almoços grátis

Os comentários estão fechados.