Pingo Doce, deixe lá os seus últimos euros…

… que Alexandre Soares dos Santos (mais um daqueles patriotas amigos de Cavaco) encarrega-se de fugir com eles do país.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

11 respostas a Pingo Doce, deixe lá os seus últimos euros…

  1. Pedro diz:

    Os ricos a pagarem a crise…???? LOOOOOOOOL
    Quando é que o povo acorda….

  2. joão diz:

    Isto cada um sabe de si… eu se tivesse euros também os punha daqui para fora. Só de pensar que os maquinistas da CP, uma classe de portugueses com a peida cheia de privilégios e de garantismos que a maioria não tem, andam a fazer greves selgavens numa empresa falida porque têm a garantia de que os salários ao fim do mês entram sempre nos bolsos deles, nem que tenha de vir dos bolsos dos contribuintes que eles, de resto, usam como carne para canhão para a manutenção das mordomias, só de pensar nisso mando daqui os meus parabéns ao tipo do Pingo Doce. A minha pena é eu não poder fazer o mesmo…

    • De diz:

      João está com tremuras..
      “Só de pensar que ´… diz o João nesse estado peculiar de alma em que,a propósito de un capitalista chorudo,se lembra dos maquinistas da CP.
      E tem pena o João.Pelo patrão.E tem auto-comiseração.Por ele próprio.
      Tão bom ter o dorso fletido em permanente curvatura aos maiorais do capital.Tão bom poder despejar a bílis de servo obediente sobre quem trabalha e não vive do trabalho dos outros.
      Ou será o João mais um patrão dos que singram apropriando-se das mais valias?
      E tudo isto não passará da mais óbvia defesa dos seus irmãos de classe?

    • De diz:

      Já agora e para se saber algo sobre os tais maquinistas da CP sem ser pela via dos marques mendes de ocasião,vale a pena dar uma vista de olhos aqui:
      http://aventar.eu/2012/01/04/os-maquinistas-esses-nababos/#more-1131016

  3. De diz:

    ” quando o navio começa a naufragar os ratos são os primeiros a fugir…”

    http://foicebook.blogspot.com/2012/01/quando-os-ratos-comecam-abandonar-o.htm

  4. De diz:

    Alexandre Soares dos Santos, patriarca da família que controla o grupo de grande distribuição Jerónimo Martins (JM) anunciou hoje que a sua família vai criar uma fundação para estudar os grandes temas nacionais.(16/2/2009)
    …terá António Barreto no cargo de presidente do conselho de administração.
    …que assim pretende mobilizar o maior número possível de cidadãos, para a participação no debate e na resolução dos grandes problemas nacionais”, explica a fundação.

    (Os ratos…)

    … Alexandre Soares dos Santos apelou a que todos se unam na recuperação do país, “porque sem trabalho não se recupera coisíssima nenhuma” (20/9/2011)

    (…Ou as ratazanas)

  5. Dora diz:

    Extraordinário, pensei que apenas corríamos o risco de fuga de capitais caso não tivéssemos recorrido à intervenção externa… e com o maior dos descaramentos e descontrações. Qualquer dia as únicas pessoas a pagar impostos em Portugal são os mendigos que passarão a ter que utilizar um emblema no braço direito, e para a aquisição do qual deverão pagar uma taxa… tipo taxa de circulação…

  6. Carlos Palminha diz:

    Entretem-te meu anjinho, entretem-te, que eles são inteligentes, eles ajudam, eles emprestam, eles decidem por ti, decidem tudo por ti:
    se hás-de construir barcos para a Polónia ou cabeças de alfinete para a Suécia,
    se hás-de plantar tomate para o Canada ou eucaliptos para o Japão, descansa que eles tratam disso,
    se hás-de comer bacalhau só nos anos bissextos ou hás-de beber vinho sintético de Alguidares-de-Baixo!

  7. Pingback: É assim meus filhos… « O Intermitente (reconstruido)

  8. septuagenário diz:

    Nesta bandalheira democrática fogem os capitais.
    Ao contrário de no tempo do fascio ele vinham os Gulbenkians, os Patiños etc.
    É caso para dizer, que estamos a ficar “orgulhosamente só”
    Contradições da porra!!!

  9. De diz:

    “É assim meus filhos…”
    Cheira a …?
    Um intermitente rato defende outro rato(ou outros ratos).Pelo meio cita Adam Smith e apela aos padeiros sabe-se lá porquê
    Intermitente é, já que intermitentemente está em vias de reconstrução…
    Mas permanente é o seu carácter típico de andar aos caídos à espera de material para fazer reconstruções intermitentes.
    O que sobra?Quase nada.Um Noronha feito estrebuchador de coisas assim tipo padeiro (sem desprimor para os padeiros) ou um Miguel a tentar-nos vender o conto de fadas que o dinheiro é mesmo dos ratos que agora abandonam o navio.
    E ele,embora feito sonso sonhe com o dinheiro do ladrão que vai de abalada,esquece-se de algo muito importante:
    Que o discurso do ídolo que agora aparece a defender, não joga com a atitude do sacripanta
    (qual patriotismo qual carapuça.Já sabemos que um neoliberal é por definição um pulha)
    E que essa coisa de luta de classes existe mesmo.E que há os que são exploradores e os que são explorados.
    E há quem cumpra outros destinos.Há os que os cumprem defendendo os Homens.E há os que se prestam a defender o lixo.
    Noronha é apenas neste último caso um flautim menor entre os que batem palmas à rataria

Os comentários estão fechados.