Eis o relatório do ICOMOS sobre a Barragem do Tua que Passos, Relvas e Viegas andaram a esconder durante 6 meses


Dantes, quem queria ver algo publicado, enviava-o a um jornal. Agora, enviam-no aos blogues. Significativo indicador da independência destes e da subserviência daqueles face aos poderes político e económico. Sinais dos tempos…
O Aventar publica hoje, em Inglês com tradução para Português, o relatório do ICOMOS / UNESCO sobre a Barragem do Tua. Arrasador é a palavra que me ocorre para caracterizar os impactos da construção da Barragem. E escolho apenas algumas passagens:

. A área de intervenção da Barragem afecta totalmente a Região do Douro Património Mundial.
. A construção da Barragem significaria um impacto muito grande na Região do Alto Douro Património Mundial que implicaria a perda do VEU (Valor Excepcional Universal) e sérias ameaças à sua autenticidade e integridade.
. Todas as outras estruturas, incluindo as linhas para o transporte de energia que não estão representadas nos projectos, têm um impacto muito negativo numa área classificada como Património Mundial.
. Medidas compensatórias, mesmo que tenham de ser revistas à luz do Plano de Gestão, não são o ponto mais importante, mas sim se a Barragem de Foz Tua deve ser construída de todo.

Tudo isto – destruição do Vale e da Linha do Tua, destruição do Douro Património Mundial, fim de uma fonte de turismo irrepetível, alteração das próprias características que fazem do Porto um vinho único – para produzir 0,6% da energia eléctrica do país e criar meia dúzia de empregos – o daqueles que a partir de Lisboa vão fazer a gestão da Barragem. Ah, claro, e para a EDP fazer um negócio de muitos milhões à custa de todos nós.

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged , . Bookmark the permalink.

15 respostas a Eis o relatório do ICOMOS sobre a Barragem do Tua que Passos, Relvas e Viegas andaram a esconder durante 6 meses

  1. O Rural diz:

    Deviamos era continuar e terminar a barragem de Foz-Côa.

    Já toda a gente está farta de ver e estudar as pinturas tupestres.

    Alias são mais bonitas em fotografia do que ao vivo.

    E ja existem fotos com fartura.

    E não afecta a paisagem duriense, até a valoriza.

    Porra!!!haja coragem e vergonha na puta da tromba!

    • Ricardo Santos Pinto diz:

      Se fosse um bocadinho inteligente – ao menos um bocadinho… – conseguiria ver que este post não fala da Barragem de Foz Côa.

    • Samuel diz:

      “Porra!!!haja coragem e vergonha na puta da tromba!”

      Sim, sim… porque na sua, pelo que se vê, só há ignorância e estupidez!

      • JgMenos diz:

        Tudo em baixo nível.
        Mas ofacto substancial é que Côa sempre foi a melhor solução – energética e ambiental. Para fazer um museu de reproduções bem podiam ter posto as gravuras em visita subaquática.
        Mas então, como havia um Governo para derrubar, a gritaria foi mais que muita. Preparam-se agora para fazer o mesmo, quando deixaram o Sócrates fazer o que quis?

  2. Kaos diz:

    Sei que os tempos não estão para grandes optimismos mas o futuro pode estar nas nossas mãos se soubermos exercer os poucos direitos que ainda nos restam. Aqui deixo o meu desejo de um 2012 tão bom quanto o possível.
    Kaos
    Wehavekaosinthegarden.blogspot.com

  3. Pedro Lérias diz:

    Então, mas isso agora é fácil. É só falarem com o comité central do PC lá da China e pedirem para pararem tudo. Ah, e baixarem os preços. Estou certo que agora o socialismo vai entrar pela EDP a dentro.

    • Ricardo Santos Pinto diz:

      Se não tem nada a dizer contra ou a favor da Barragem, se calhar mais vale estar calado e não fazer figuras tristes.

      • Pedro Lérias diz:

        Democracia à la 5Dias: é favor estar calado. E a graçolas com o nome, se ganhasse um tostão cada vez que um iluminado qualquer em vez de contestar uma opinião recorre a isso… Teria sede na Holanda!

        A sério, qual a vossa opinião sobre ser a China a decidir neste momento se a barragem do Tua avança ou não? E a do Carlos Dias? Se calhar é melhor perguntarem-lhe primeiro…

        • Ricardo Santos Pinto diz:

          Não sei quem é o Carlos Dias, mas já que pergunta, não é a China que decide se a Barragem avança ou não. Como é óbvio, a China meteu-se neste negócio para ganhar dinheiro e não quer saber dos valores ecológicos, do valor do turismo ou do que quer que seja. Fará exactamente o que qualquer outro accionista faria.
          Não é a EDP que tem de decidir se a Barragem pára ou não. Já sabemos que pela EDP não pára. Quem tem de decidir é o Governo português.

  4. leitor diz:

    Um programa da RTP2 (isto sim é serviço público) desmascarou esta negociata toda: http://www.youtube.com/watch?v=PwX17IcNyrk

    Resumindo, as barragens têm um valor energético reduzido (não produzem energia, apenas armazenam a eólica), não trazem desenvolvimento às regiões, são apenas boas para as grandes construtoras e edp. Muito mais vantajosos, criando dez vezes mais empregos, seria investir na reabilitação da linha do Tua e outras linhas transmontanas, para aproveitamento turístico. Melhor seria até Bragança, e depois até Espanha, onde passará a alta velocidade. De notar que Bragança, capital de distrito, com milhares de habitantes, NÃO tem ligação ferroviária, enquanto se constrói uma nova autoestrada A4, que além de caríssima para o Estado (todos nós), será muita mais cara aos utilizadores.

    Isto é uma questão de bom senso, nada tem que ver com ideologias!

  5. Vitor Ribeiro diz:

    Não se preocupe Ricardo, o cultural secretário já descobriu a cultural solução: um cultural arquitecto de cultural renome que fará uma cultural intervenção de elevado interesse cultural e tudo ficará culturalmente resolvido. Et voilá!
    Moral (cultural) da história: não há bem que sempre dure nem mal que não se resolva com assinatura de um arquitecto famoso…

  6. Gustavo Encarnaçao diz:

    Pessoal, atençao a uma coisa mto importante!!!!
    Todas as barragens e mini hidricas com seus equipamentos, nomeadamente turbinas, que vao produzir a energia eletrica, funcionam com pressoes internas de cerca de 8bar, estas pressoes resultam da introduçao de oleos de lubrificaçao dentro destas maquinarias os quais estao depositados em enormes reservatorios nas imediaçoes destas obras, estes oleos estao em contacto permanente com a propria àgua que passa nos canais internos das barragens, transformando àgua pura que è recolhida pelas serras em àgua poluida. Todas as entidades envolvidas nos testes da àgua estao compradas pelos atè entao detentores das referidas obras, atè agora o Governo Portugues. Uma vez que estao a par desta situaçao e como a empresa que gere estas obras foi vendida, nada melhor que levantar agora estes problemas e obrigar os responsàveis a cumprir as normas que regulamentam estas questoes, inviabilizando ou melhorando estes sistemas. Quando falamos em escadas de peixes que foram construidas em determinadas barragens, deviamos verificar se efectivamente estas cumprem os seus objectivos nao se tornando antes cemitèrios de peixes. è efectivamente isto que sucede em Portugal actualmente, tanto devido ao dificil acesso aos referidos locais pelas entidades competentes em fiscalizaçao, como aos subornos que foram aceites atè hoje pelo pessoal a quem competia este tipo de fiscalizaçao. Conheço trabalhadores que em primeira mao me testemunharam esta bandalheira e pode ser que alguem se interesse por esta dica e tebha condiçoes para fazer uma investigaçao digna. Inicialmente ainda pensei que poderiam taxar estes erros aos novos donos das instalaçoes mas o que realmente vai acontecer è alguem ou algum grupo vai continuar a receber luvas para manter isto tudo no anonimato….
    Dissecar bem o que foi feito atè agora antes de partir para novas aventuras..

  7. Alberto Andrade diz:

    divulgem aí num post à maneira malta! 🙂

    http://acampamentoactua.wordpress.com/

Os comentários estão fechados.