Balanço musical 2011 (músicas: 20-11)

Eis a quarta e penúltima parte do meu top de temas do ano (estas foram a primeira, a segunda e a terceira partes)

20 – Ty Segall – Goodbye Bread

  Numa carreira marcada pelo ruído lo-fi e por uma atitude punk, fica tão bem este assomo de melodia e de nostalgia 90’s. Quem dera aos Oasis terem construído algo assim…

19 – The Black Keys – Little Black Submarine

No meio do retro-blues mais acessível de El Camiño, sobressai um tema com contornos folk e um delicioso arranque a meio. E a produção de Danger Mouse…

18 – Real Estate – Green Aisles

Com um jogo de guitarras notável, a canção perfeita para mostrar a fronteira entre a alegria do Verão e uma certa melancolia outonal que os Real Estate exploraram de forma magistral em Days.

17 – Paus – Deixa-me Ser

O poder apoteótico da bateria siamesa surge aqui acompanhado por uma guitarra fabulosa e por um certo lado pop. E, à medida dos Paus, assim se constrói uma extraordinária quase-canção.

16 – M83 – Raconte-Moi Une Histoire

Vários sintetizadores em camadas, os estalidos dos dedos, a lenga-lenga infantil e uns sonzinhos mais celestiais, numa fabulosa progressão e em mais uma dimensão do grande disco dos M83. O portentoso single fica para o top-10.

15 Gil Scott-Heron & Jamie XX – I’ll Take Care of You

A guitarra tão característica dos XX, o lado mais electrónico de Mr. Jamie, a voz e a alma incrível do saudoso Scott-Heron… a junção perfeita dos vários universos, com o aconchego que faltou a grande parte do disco.

14 – Sérgio Godinho & Bernardo Sassetti – Em Dias Consecutivos

A reunião de dois vultos da música portuguesa é marcada por um piano delicioso, um lado sombrio notável e uma letra com um tom político subliminar e declamada com o tom tão peculiar de Godinho. Previsivelmente brilhante.

13 – Toro y Moi – Elise

Depois do lado dançável de “New Beat”, o lado emotivo de “Elise”. Uma melodia densa, em que só o crescendo e a garra da entrada do refrão vale quase mais que todo o disco anterior.

12 – Nicolas Jaar – Two Many Kids Finding Rain in the Dust

Electrónica orgânica e negra, com uma voz meio fantasmagórica e um piano e violino a criarem também uma ambiência sombria. Fosse a electrónica sempre tão sofisticada como aqui e eu seria fã do género.

11 – PJ Harvey – This   Glorious Land

Uma letra irónica, breves trechos de uma corneta bélica descontextualizada a aumentar esse sarcasmo e um toque folk à escala da compositora… entrada directa para a lista dos mais fortes temas da carreira de PJ Harvey.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

Uma resposta a Balanço musical 2011 (músicas: 20-11)

  1. posso dar a minha opinião? diz:

    Boas!

    epá.. opinião de um gajo que ouve musica só para se distrair e passa por este blog às vezes.
    tirando paus, sergio godinho e pj harvey, esta selecção é uma valente merda.
    é uma opinião, vale o que vale.
    arrisco mesmo dizer que o sergio godinho e a pj harvey já fizeram muito, muito melhor.

    espero pelos 10 primeiros.

    bom ano.

Os comentários estão fechados.