O luto da PSP ou o suicídio do Miguel Macedo?

“Não cooperaram, não quiseram manter-se vivos” não é só uma declaração política, grave, indesculpável e que exige consequências. “Não cooperaram, não quiseram manter-se vivos” é também um retrato psicológico de uma polícia e de um governo trapalhão, sem sentido, sensibilidade, bom senso ou competências sociais. Em apenas meio ano, o executivo já terá perdido o respeito da maioria absoluta dos eleitores.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

16 respostas a O luto da PSP ou o suicídio do Miguel Macedo?

  1. Diogo diz:

    Este indivíduo devia ser imediatamente despromovido.

    Vi na televisão várias operações STOP na operação Natal. Era uma autêntica caça à multa. Sobretudo naquela ICs em que por causa de uma casa tinha placas de 50.

    Os que «não quiseram manter-se vivos» talvez tivessem preferido ver a polícia a chamar a atenção para os pontos negros.

  2. les rock diz:

    por acaso o senhor bófia disse alguma mentira? excesso de velocidade, falta de civismo, desrespeito por regras básicas de segurança, imprudência, condução sob efeito de alcool e, para terminar, inconsciência total, irresponsabilidade e desrespeito pelo próprio e pelos outros é o que causa as mortes na estrada.

  3. Gentleman diz:

    «Em apenas meio ano, o executivo já terá perdido o respeito da maioria absoluta dos eleitores.»

    Confundindo desejos com realidade, Renato?…

  4. Gentleman 2 diz:

    Se viajar nos transportes públicos vai começar e verificar que não são desejos mas sim realidade. Vá também aos mercados e apure o ouvido. O desejo do Renato começa a tornar-se realidade. Ah! Ah! Ah!

  5. gânfias diz:

    claro, rock! até porque nós já recebemos vários prémios internacionais pela qualidade das nossas estradas, e foram todas feitas como manda a sapatilha.
    e eu, que nunca na vida guiei um pouco mais distraído ou com o telemóvel na mão, também nunca vi cruzamentos mal feitos, nem placas enganadoras ou sem sentido, ou sequer buracos não sinalizados. a história dos garranos atropelados… acho que é mentira.
    mas mesmo assim, tenho que confessar que já fui surpreendido: um dia, passou por mim um carro de um ministro. ia a 210km/h, num cruzamento do centro da cidade. eu colaborei e com alguma sorte travei a tempo. ainda estou á espera da medalha.
    e, por falar nisso, gostava de saber porque é que se vendem carros capazes de atingir velocidades superiores a 200km/h (eu sei, estou a ser modesto) se o limite em Portugal é de 120km/h?

    • JDC diz:

      Numa situação de emergência, qualquer veículo em Portugal pode ultrapassar os 120km/h. Está no código. Além disso, você pode andar a mais de 120 km/h em terrenos privados ou até num autódromo, se estiver para isso…

      • anónimo diz:

        pronto, eu não sou técnico mas acho que isso se resolvia com algo que, quando em marcha de urgência, se pudesse desligar.
        claro que a questão de legislar sobre um tema desses levanta mais problemas. mas é precisamente essa visão criminalizadora(?) de todos os actos, e até das intenções, dos cidadãos na sua vida quotidiana que esse senhor da farda transpira em cada palavra.
        é por isso que me chocam tanto as suas afirmações, para além da evidente falta de sensibilidade num tema tão melindroso.

      • De diz:

        A liberdade “absoluta” dum ministro ir a 210 Km/hora.

        Estava numa situação de emergência pois então.
        Precisava urgentemente de ir “fazer merda”

  6. eu diz:

    Deves perceber tanto de segurança rodoviária…tal como um caçador de gambuzinos!!!

    Dizes mal por dizer…típico da esquerdalha anarquista de merda!!

    Já agora, não é PSP, mas sim GNR!! E ele não disse uma única mentira.

    Fala do que percebes e não vomites merda!

    • Renato Teixeira diz:

      Não é preciso vomitar nada de especial para perceber que na estrada não morrem só os suicidas. Percebeu?

  7. xatoo diz:

    gente com consciência social já tinha perdido o respeito por esta maralha do PSD+apêndiceCDS ainda muito antes de tomarem posse
    Por enquanto os idosos (52% são mulheres com cultura rural semi-analfabeta, tanto votam no PSD como no partido dos Animais) e os reformados nas zonas urbanas são tão pobres que ainda não foram atingidos, mas as coisas vão mudar quando se aperceberem da carnificina legislada p/ demolição dos serviços de Saúde – já está a começar a acontecer: “Tempo e listas de espera para realização de diagnósticos e terapeuticas nos Hospitais geram movimento de contestação” lá se vão as putas das sondagens do ex.patrão da UGT que montou o negócio com as fraudes aos fundos europeus para formação
    http://www.esquerda.net/artigo/resposta-do-minist%C3%A9rio-da-sa%C3%BAde-ao-bloco-gera-onda-de-contesta%C3%A7%C3%A3o#.TvsQYoFBeJg.twitter

  8. A meu ver, as conlusões do articulista são demasiado abrangentes e abusivamente indutivas.

  9. Pingback: À Queima-Roupa | cinco dias

Os comentários estão fechados.