Emigração, deportação, emigração, deportação… podes respirar

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

29 respostas a Emigração, deportação, emigração, deportação… podes respirar

  1. Luis diz:

    A emigração é um dos tais crimes do capitalismo que nunca será punido e é esta a “raiva que sinto nascer nos dentes” quando penso nisso.

  2. Luis diz:

    Caro Gentleman,
    A emigração faz parte do capitalismo, pois não existiria aquela sem este ou um regime que promova a acumulação de riqueza à custa de mão-de-obra barata.
    A emigração não é um direito (de cidadania), mas uma necessidade intrínsica do capitalismo, pois ela apenas aconteceu com o capitalismo e até pode continuar num regime que o Homem seja apenas considerdo com força produtiva. Como é uma componente capitalista claro que regimes não ditos como tal não a subscrevem.
    Se o meu amigo insistir que a emigração é um direito e eu que é o que digo acima, a nossa conversa termina aqui mesmo.

    • Gentleman diz:

      Insisto. Emigração, como componente da mobilidade geográfica humana, é um direito. Foi graças à mobilidade humana que os primeiro homens saíram de África e povoariam todos os continentes. Aliás, a ONU considera a emigração como um direito humano.
      Uma região tem toda a legitimidade para implementar políticas de controlo da imigração por razões de sustentabilidade e gestão do território. Não deve é restringir a emigração. Restringir a emigração é tão grave como uma empresa que proibisse um trabalhador de despedir-se, um homem impedisse a mulher de separar-se, ou um pai impedir um filho de sair de casa.

      Quanto ao capitalismo necessitar da emigração. Conte-nos lá como é que o Japão ascendeu, nos anos 60, a 2ª potência económica mundial (e nesse lugar manteve-se durante 40 anos) tendo uma emigração e imigração percentualmente residuais.

      • De diz:

        A fugir com o rabo à seringa.
        “Emigração, como componente da mobilidade geográfica humana, é um direito. ”
        A tentar fazer escola?Ou a defender a rectaguarda dos terroristas que neste momento ocupam o poder?As boutades de um primeiro-ministro ladrão/mentiroso?
        (talvez até a justificar a poolítica salazarista de…)
        Na sua ânsia de mostrar serviço o rapaz abre o manual e socorre-se da “empresa” da família,da evolução natural das coisas
        Chamar demagogia barata a tais chorrilhos será suficiente?

      • De diz:

        ” A maioria dos trabalhadores imigrantes provavelmente prefeririam manter-se e trabalhar nos seus países de origem se pudessem encontrar os trabalhos que lhes permitissem uma vida decente” dizia em 2009 Walden Bello.

        A tentativa fanhosa de esconder os crimes do capitalismo e a sua acção monstruosa em prol do lucro,apenas do lucro e só do lucro?
        (oculta por baixo da reza bacoca e hipócrita dos direitos da família….a tal família para a qual o grande capital se está nas tintas…como se vê na acção quotidiana deste governo…que até põe em risco de despejo cerca de 100 000 seres,com o aplauso de facínoras sociais em actividade “logistica”?

        • Oliveira diz:

          “We must aggressively assert what is the unvarnished truth: that migrants overwhelmingly make a positive contribution to the economy and culture of their host countries. We must frontally oppose state repression of migrants and confront the right wing populist groups that scapegoat them. We must demand an end to the deportation of undocumented migrants, the rapid legalization and granting of full citizenship rights to those with papers and their children, and the facilitation of the achievement of legal status of those without papers.”
          Walden Bello também disse isto, no mesmo artigo de 2009.
          Mas esta coisa, na sua tentativa fanhosa de permanente manipulação das realidades para o seu interesse, esta coisa perfere escamotear o sentido global do artigo do Walden Bello.
          Vá lá… ao menos não é como a carta do Mandela para o Friedman, aquela que era falsa e esta coisa mantém que é verdadeira…

          • De diz:

            Oliveira?
            O sionista que defende os métodos dos SS aprendidos pelos generais israelitas?
            Sorry sionista.Com coisas assim não se discute

            (O sentido global do sionismo só perante um tribunal de guerra)

      • De diz:

        Mas há mais.
        O mais impressionante é que Walden Bello,falando com a autoridade da sua própria experiência, focava na altura o que se passava no continente americano.Este filipino escrevia assim em 2009:
        “As condições de pobreza e problemas económicos empurraram as pessoas para fora das suas sociedades, mas estas condições não são naturais. Foram criadas. E no desempenho dos países em desenvolvimento, desde finais dos anos oitenta, o motor principal da expansão da pobreza e as dificuldades económicas foram os programas de ajuste estrutural promovidos pelo FMI e o BM e a liberalização do comércio fomentada pela Organização Mundial do Comércio (OMC) e os acordos comerciais como o Tratado de Livre Comércio da América do Norte (TLCAN).
        Promovidos sob a aparência de oferecer eficiência, estes programas destruíram a agricultura e a indústria num país atrás de outro. No México, severos cortes ao apoio estatal á agricultura, intenções de sepultar a reforma agrária, e o TLCAN, que impôs a liberalização, fizeram da agricultura um caso perdido, forçando o campesinato mexicano a deslocar-se em massa para os Estados Unidos. Nas Filipinas, o ajuste estrutural destruiu a base industrial do país e, com ela, centenas de milhar de empregos industriais e fabris, enquanto que a liberalização imposta pela OMC tornou pouco atractiva a agricultura para os camponeses cujos produtos não podem competir com as matérias primas subsidiadas pelos Estados Unidos, Europa e outros países. Para muitos destes camponeses desalojados e seus filhos, a relocalização nas metrópoles urbanas é o caminho para a emigração”

        Os passos seguidos pelos povos da América Latina mos anos 90 do século passado.
        E a semelhança de métodos e meios praticados nesta europa neste nosso século:
        “As condições de pobreza …foram criadas”

        A aniquilação do nosso tecido produtivo.Da nossa agricultura,das nossas pescas,da nossa indústria.Sacrificadas aos altos interesses de outros altos interesses.
        E a pata e a submissão ao FMI e quejandos…

        Os tais movimentos migratórios para o “desenvolvimento da humanidade” que Gentleman quer ocultar
        Mais as políticas “beneméritas neoliberais” que quer esconder.

        • Gentleman diz:

          O funcionário amestrado De Pavlov deu mais um festival de vacuidade.
          Escreveu, escreveu, escreveu… e não foi capaz de apresentar um único argumento contra aquilo que escrevi.
          Enfim…

          • De diz:

            Eu sei que não gostou,lol
            Ver denunciada a sua tentativa de louvar a migração dos portugueses sob as ordens de Coelho e companhia afecta-o

            Ver como as pulhices das políticas neoliberais são da mesma forma desmascaradas ainda o afecta mais
            O nome aos ditos
            Sempre

          • Gentleman diz:

            Não gostei, De Pavlov?!! Eu ri-me à gargalhada!

          • De diz:

            Sério gentleman?
            Ouvimos as gargalhadas aqui

            Vamos a coisas mais substantivas que os néscios risos:
            “Depois do regresso da Emigração, trinta anos depois a Fome regressou a Portugal. Já só falta a suspensão da Democracia.

            «Chegam sem a refeição da manhã, rondam sistematicamente o bar, mas nada compram. As escolas identificam assim cada vez mais alunos com carências alimentares, aos quais procuram dar resposta, apesar de os seus orçamentos também estarem em crise.»

          • De diz:

            A solução para um governo que se comporta como terrorista social?
            Emigrem.(O dinheiro é preciso para outros fins.Para os banqueiros.Para os “credores”.Para as zonas de conforto dos alemães e quejandos.)

            Passos Coelho continuará também a rir nesciamente quando se encontrar de novo com Merkel?

          • Gentleman diz:

            De Pavlov… (longo bocejo)

          • De diz:

            Um ignorante é mesmo um ignorante.Adiante
            Um neoliberal é outras coisas mais para além de ser neoliberal.Adiante

            Um neoliberal ignorante é um conjunto de coisas assim como o gentleman

            Tudo isto a propósito de quê?
            Da ignorância de gentleman sobre o significado fisiológico do bocejo.
            Numa simples wikipedia:
            “Estudos científicos recentes apontam que o bocejo está sim relacionado ao sono, no entanto, conforme apontam as pesquisas, o bocejo é uma forma do organismo driblar o sono. Ao bocejar a pessoa estimula a circulação sanguínea e diminui a temperatura corporal, o que colabora para aumentar o estado de atenção”

            Vá aprender então.

            (o riso néscio de Coelho perante Merkel será também contagioso para a sua tropa fandanga?)

    • De diz:

      Clap!Clap!Clap!

  3. Gentleman 2 diz:

    Protegem os seus cidadãos .

  4. Gentleman 2 diz:

    Protegem os seus cidadãos. Ah! Ah! Ah!

  5. Mário Abrantes diz:

    *****

  6. Luis diz:

    Caro Gentleman,
    Já que insistes e seguindo o teu raciocínio: achas que a emigração tem outras componentes sem ser a de “mobilidade geográfica humana”? Se achares que tem, podias-me fazer o favor de as citar?

    • Gentleman diz:

      O que é que fez os nossos longínquos antepassados saírem de África e espalharem-se pelo mundo? Porque queriam fazer turismo? Duvido. Moveram-se motivados por aquilo que move o ser humano: a busca de felicidade. A busca de felicidade que leva à emigração pode ser motivada por questões económicas, questões de segurança pessoal, ou questões sentimentais.
      Repito: emigrar é um direito humano; um dos muitos direitos humanos que os estados socialistas negaram ao seu povo.

  7. Luis diz:

    Mário,
    O que significa esses teus cinco asteriscos?

  8. De diz:

    O discurso de Walden Bello pode ser lido aqui
    (Com a acusação frontal ao neoliberalismo)
    http://www.odiario.info/?p=1445

  9. Luis diz:

    Caro Gentleman,

    No processo emigratório temos o país acolhedor e o emissor. Qual deles na tua opinião determina o processo? Eu acho que é o acolhedor!
    Continuas a ver o processo sob o ponto de vista do emissor: sentimentos, segurança e económico. Será que o país acolhedor também fá-lo pelas mesmas razões?!??!?!
    Eu emigrei por razões de saude ( e claro por não ter possibilidades financeiras pa a bons especialistas) mas o país to Tio Obama acolheu-me por razões económicas.
    No teu caso, o país acolhedor não foi por razões também económicas?!!??

    • Gentleman diz:

      Quem deve determinar o processo é:

      1. O indivíduo e a sua vontade de emigrar
      2. O país-destino que decide se quer ou não acolhê-lo

      Qual é o problema é o país-destino necessitar de mão-de-obra e beneficiar com a vinda de imigrantes? O acolhimento é um contrato de mútuo acordo que o imigrante pode rescindir a qualquer momento despedindo-se e regressando ao seu país de origem (ou rumando a outro país). A emigração é um contrato win-win para ambas as partes: indivíduo e país acolhedor. É assim que é, e assim que deve ser.

  10. Luis diz:

    Gentleman,
    Precisamos afinar a terminologia se quisermos chegar a algo frutífero.
    Quem emigra tem vontade de emigrar ou necessidade de emigrar?
    Não há países que ganham com a vinda de emigrantes, mas sim a classe sócio-económica que os explora. A mesma classe que criou o desiquilibrio económico entre que provoca a emigração.
    Eu quando emigrei aqui para os states, não beneficiei nada o vizinho da esquina, talvez pelo contrário, coloquei-o no desemprego por mais tempo o que fez que ele precissasse de oferecer a sua força de trabalho por menos dinheiro, etc. etc…
    Mas quem beneficiou e ainda beneficia? O Império!
    Olha, que tenhas um BOM ANO na companhia dos teus e força……. porque talvez um dia nos possamos encontrar no mesmo lado do muro>

Os comentários estão fechados.