Duque teme sair da sua zona de conforto

Na qualidade de Presidente do ISEG, Presidente do Grupo de Trabalho para a definição do conceito de serviço público de comunicação social e/ou comentador político João Duque desdobrou-se, há pouco mais de um mês, em declarações bombásticas sobre a RTP – sobre serviço público de comunicação social o relatório é mais do que escasso. Mas o economista não se limitou a defender que a RTP deixasse a publicidade para os canais privados. Afirmou que a actual informação da RTP estaria manipulada tecendo inúmeras considerações sobre os seus trabalhadores ou que a RTP África e Internacional deviam ser instrumentos de propaganda do poder vigente num argumentário fascistas que o Daniel Oliveira bem caracteriza. Os holofotes tilintavam e Duque inchava com a sua sabedoria.
Mas eis que chega o pedido da Assembleia Regional da Região Autónoma dos Açores para que esclarecesse as seguintes e repetitivas passagens do douto relatório sobre a RTP Açores:

22. Sobre a RTP Açores e RTP Madeira, consideramos que a sua missão histórica está terminada. Dado que existe, também nas Regiões Autónomas, a tendência do poder político para tornar cativos os canais, recomendamos que se apliquem as mesmas recomendações atrás feitas relativas aos canais nacionais

(…)

65. Sobre a RTP Açores e a RTP Madeira, consideramos que os mesmos cumpriram a sua missão histórica de afirmação das autonomias e de ligação entre si e ao Continente. Todavia, consideramos que essa missão está terminada nos termos até agora seguidos. Dado que existe, também nas Regiões Autónomas, a mesma tendência do poder político para tornar cativos os canais, consideramos que devem aplicar-se-lhes as mesmas recomendações atrás feitas relativas aos canais nacionais.

Perante a escassa e enfática repetição do fim da “missão histórica” e de “cativação” política da televisão regional dos Açores, o órgão de soberania correspondente achou que devia ouvir o Professor/Doutor/Comentador que presidiu ao Grupo de Trabalho. Atarefado entre Carnaxide, Queluz de Baixo e Cabo Ruivo, numa primeira fase, o professor mandou dizer que o o seu trabalho havia terminado com a publicação do relatório para, mais tarde, responder com inesperada humildade que pouco sabia de comunicação social e que apenas tinha sido nomeado para o grupo de trabalho para fazer as contas e marcar as reuniões.
Em resposta à Assembleia Regional, Duque justifica deste modo o declinar do convite:

Salvo melhor opinião, entendo que a prestação de declarações ou esclarecimentos enquanto primeiro subscritor e ex-coordenador do referido Grupo de Trabalho não terá o mérito de esclarecer sobre quaisquer questões substantivas ou materiais no âmbito do trabalho desenvolvido pelo Grupo de Trabalho dado que, como é publicamente conhecido, a minha maior intervenção neste Grupo de Trabalho se processou apenas pela sua coordenação administrativa e pela vertente económica que alguns dos temas envolvem.

Mais adiante, sugere:

(…) parece-me que a Comissão Parlamentar a que Vossa Excelência preside ficaria melhor esclarecida sobre qualquer tema ou assunto relativo ao Grupo de Trabalho para a definição do conceito e serviço público de comunicação social se procedesse à audição de outras individualidades com reconhecido mérito científico na área da comunicação social e também componentes do Grupo de Trabalho que, ao contrário de mim, com formação exclusiva na área económica, têm formação científica específica na área.

Na verdade, Duque teme sair da sua zona de conforto. Ontem à noite era vê-lo tilintar banalidades de circunstância, na qualidade de Comentador SIC/Presidente do ISEG, sobre a futura lei do arrendamento. Sem contraditório, sempre.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

22 respostas a Duque teme sair da sua zona de conforto

  1. joao diz:

    os ataques deste Governo ao Estado Social são tantos que gostaria de ver algum blogue, partido politico ou jornal começar a fazer um elenco das coisas que este Governo está a mudar. É que entre as noticias que vai aumentar e os aumentos de facto, perdemos a noção das mudanças. E assim até passam mudanças sem que tenhamos conhecimento.

    Quem quer fazer esta lista? Este Blogue parece ser o local indicado.

    • xatoo diz:

      não há necessariamente que consumir energias a produzir listagens de roubos; por acaso faz-se isso nos casos de delito comum, ou corre-se de imediato atrás do ladrão?
      É preciso gastar energias de imediato é a sacar o ladrão da sua posição de supremacia, ou seja, caçar este governo por atacado e enfiá-lo numa chaimite (neste caso uma Pandur) como fizeram ao Marcello Caetano. Mas desta vez pedir responsabilidades a sério a quem cometeu crimes contra a organização da sociedade civil
      Sem que nos resolvamos a tomar a iniciativa por esta pequena alteração jamais haverá democracia nesta terra…

    • Gentleman diz:

      Quem mais desferiu ataques contra o Estado Social tem sido a Esquerda.
      A lendária incapacidade da Esquerda para fazer contas levou a que o Estado Social se tenha tornado insolvente.

      • Vitor Ribeiro diz:

        Ignorava que Cavaco Silva e o PSD eram de esquerda. Estamos sempre a aprender… Valha-nos um cavalheiro para nos ensinar. Mesmo que não saiba do que fala.

        • Gentleman diz:

          Cavaco e o PSD não foram, nem de longe, quem mais contribuiu para tornar insolvente o Estado Social.

          • A.Silva diz:

            Anda a lutar com o Sócrates pelo 1º lugar na pulhice.

          • Vitor Ribeiro diz:

            Pois não. E o Pai Natal existe, chama-se Antero e vive na Lapónia.

          • De diz:

            A pulhice feita política sob as botas cardadas deste governo.Encontra nalguns comentários forma para alguns tentarem que os seus mestres passem por entre as gotas de chuva.
            A lendária incapacidade diz este. “Esquerda” continua este.Estado social remata este.
            Ou outra forma de tentarem fazer passar por esquerda aquilo que não é.
            O bloco central de interesses a governar de acordo com o paradigma neoliberal.E os seus sequazes a tentarem fazer o jogo da alternância no poder.Para tudo se manter na mesma.Com uma agravante.Neste momento o governo comporta-se como terrorista perante os governados.
            A pergunta é a seguinte:que fazer perante um governo que se comporta desta maneira?

      • xatoo diz:

        e pensei eu que vc já tinha aprendido uma coisa tão simples quanto a esquerda de que fala não ser Esquerda nenhuma. Por isso designamos o PS com P”S” entre aspas (um arremedo de socialismo travestido de social-democracia ainda para mais enfiado na gaveta pelo Carlucci). A Esquerda nunca esteve no poder em Portugal – nem tão pouco no tempo-relâmpago do general Vasco Gonçalves que era um burguês aristocrata (passe as suas boas intenções para salvar um pouco os mais miseráveis deste país) mas que morreu tranquilamente a nadar na piscina privada da sua mansão…

        • De diz:

          Aquilo que não é justo,não é justo
          E para que esta calinada não passe,não posso,ao contrário dos meus hábitos perante a esquerda, deixar de o dizer.
          Ou de como patetices disparatadas podem mostrar que afinal alguns …

          O inimigo está aqui e governa,com toda a força dos que querem voltar atrás no tempo.

  2. A SIC adora o Duque: este, é o “testa de ferro” dos grupos financeiros e faz loby em nome do governo e dos grandes capitalistas.

    O tipo, com aquela cara de “anjinho” só engana os incautos.

  3. Luis diz:

    A RTPInternacional já é um instrumento de propaganda dalguns anos a esta parte, mas de que produto?! Queridos emigrantes, venham cá passar férias, deixar cá uns trocos claro, porque aqui mastiga-se a comida das vossas vavós, vinho regional e música pimba não falta.
    Ultimamente, adicionaram uma nova componente: pastilhas ideológicas do capitalismo. É ver o glorificar do empresário, do sucesso individual fora e dentro do país, e cada vez mais entrevistas de pessoas ligadas à direita. Mas enquanto a caixinha mostrar uns jogos de futebol, tudo porreiraço.
    A RTPAçores, Madeira e Africa tornaram-se uma espinha na garganta desses senhores, mas a Internacional serve-lhes, pois foi sempre uma arma de dois gumes.

  4. A responsabilidade não é de João Duque mas sim de quem lhe encomendou o serviço!

    • kirk diz:

      Vejamos… mas Duque não era obrigado a aceitar, ou era? Duque não está na tropa, e mesmo na tropa a obediência não pode ser cega.
      K

  5. kirk diz:

    Esta atitude não é de modo algum inesperada. Aliás, inesperada seria a atitude contrária; ir a uma Assembleia, mesmo que regional, explicar o alcance das palavras do relatório que assinou seria demasiado democrático para quem defende que uma estação como a RTP Internacional deve estar ao serviço da politica do governo do momento. Dá ideia que Duque espera que Passos se mantenha a governar por muitos e bons anos…
    Não, Duque apenas personifica a atitude arrogante da direita liberal e que já conhecemos desde há seis meses.
    Duque dixit, está dito!
    K

  6. renegade diz:

    Bem apanhado. Uma confissão de incompetência absoluta. Quando eles se enterram ainda dá mais gozo. Como é que um gajo com esta noção de integridade e responsabilidade pode julgar doutoramentos e assinar relatórios?

  7. Gentleman 2 diz:

    1º Gov. Prov. – 1º Ministro Palma Carlos
    2º ” ” – 1º ” Vasco Gonçalves
    3º ” ” – 1º ” ” ”
    4º ” ” – 1º ” ” ”
    ( Em todos estes governos entraram ministros do PPD e do PS)
    5º ” ” – 1º ” ” ”
    6º ” ” – 1º ” Pinheiro de Azevedo (12/9/75 a 22/7/76)

    1º ” Const. 1º ” Mário Soares (22/7/76 ….)
    2º ” ” ” ” ”
    3º ” ” ” Nobre da Costa
    4º ” ” ” Mota Pinto
    5º ” ” ” Pintassilgo
    6º ” ” ” Sá Carneiro
    7º ” ” ” Balsemão
    8º ” ” ” Balsemão
    9º ” ” ” Mário Soares
    10º ” ” ” Cavaco
    11º ” ” ” Cavaco
    12º ” ” ” Cavaco
    13º ” ” ” Guterres
    14º ” ” ” Guterres
    15º ” ” ” Barroso
    16º” ” ” Santana Lopes
    17º ” ” ” Socrates
    18º ” ” ” Socrates
    19º ” ” ” Passos Coelho (28/12/2011….)

    Então quem é que não sabe fazer contas?

    • De diz:

      Gentleman arvora-se em contabilista de?
      Do poder de direita que nos tem governado.
      Sorry gentleman.A sua tarefa ciclópica de encontrar esquerda socialista no poder seja pela mão de Soares,de Guterres,de Sócrates,esbarra no mais confrangedor cenário da realidade factual.
      Mais listazinhas serão necessárias para.
      Esta demonstra uma coisa.Que o bloco centrale tem alternado no poder,com as consequências conhecidas.E que se tem acentuado o pendor neoliberal
      Hoje governa-nos um governo terrorista
      A pergunta é:
      Que fazer perante um governo que se comporta assim?

  8. antónimo diz:

    Bem houve esquerda no governo durante uns 13 meses (em boa parte do tempo dividindo o governo com o ps e o psd) e depois o intermezzo da Pintasilgo, que não chegou a governar por ter caído. O que se queria demonstrar com esta lista? Ainda para mais sendo de critério duvidoso que se possa contabilizar o pré e o pró Europa como sendo a mesma coisa.

  9. De diz:

    “Os dois principais partidos da “troika” nacional da política de direita, PS e PSD, apresentavam-se em 1974 como defensores do socialismo e até como marxistas. Porque escolheram Soares e Sá Carneiro esse embuste? A resposta é simples: o povo português incluindo largas camadas da classe média compreendiam que a alternativa ao fascismo no nosso país só podia ser o socialismo. O capitalismo tentaria “mudar alguma coisa para que ficasse tudo na mesma”. Como foi salientado então: a recuperação capitalista em Portugal representaria o subdesenvolvimento económico, social e político. Foi esta a realidade para onde nos encaminharam – sempre mentindo.”

    Palavras de Vaz de Carvalho
    Agora há quem tente continuar a aldrabar.
    E mais algumas coisas que por pudor aqui não se expressam

    • antónimo diz:

      Não sei quem seja Vaz de Carvalho (só conheço a Maria Amália), mas o CDS nunca na vida se apresentou como marxista, até por isso ficou de fora da aprovação da constituição.

      • De diz:

        ““Os dois principais partidos da “troika” nacional da política de direita, PS e PSD, …”
        Nada dito sobre o CDS
        Bom ano,
        abraço

Os comentários estão fechados.