A morte saiu à rua num dia assim


Há 50 anos, num dia como amanhã, a morte saiu à rua. Semanas antes, um grupo de dirigentes comunistas tinha escapado de Caxias no carro blindado oferecido por Hitler a Salazar. Em Goa, o colonialismo português desmorona-se e as sucessivas derrotas do fascismo lançam a PIDE sobre todas as direcções. A 15 de Dezembro, vários membros da direcção do PCP são detidos. Entre eles estavam Octávio Pato, Pires Jorge, Carlos Costa e Américo de Sousa.

No dia 19 de Dezembro, a brigada da PIDE encabeçada pelo criminoso José Gonçalves detecta o responsável pelo Sector Intelectual de Lisboa do PCP e um dos principais especialistas em falsificações de documentos. Aos 38 anos, José Dias Coelho é assassinado a tiro na rua que anos mais tarde receberá o seu nome.

Na mesma calçada onde caiu a gota rubra, vai realizar-se, amanhã, às 17.45, uma homenagem a José Dias Coelho. Às 18.30, dá-se a sessão evocativa na Junta de Freguesia de Alcântara com a presença do secretário-geral do PCP. Por quem deu a vida por uma sociedade livre de exploração e opressão, nem um só minuto de silêncio. Toda uma vida de combate.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

10 respostas a A morte saiu à rua num dia assim

  1. Mário Eduardo de Sousa Carvalho diz:

    A minha homenagem a todos os que sofreram e caíram às mãos da PIDE, com a certeza de que o seu exemplo está na nossa memória, que o sangue que derramaram continua a significar para nós que a LUTA CONTINUA.
    É essa a homenagem que temos que prestar, em respeito à sua coragem e determinação.

  2. Pingback: A lei assassina | cinco dias

  3. Vasco diz:

    Dedicou a sua vida ao Partido e à luta; colocou o seu talento ao serviço do seu povo. Foi assassinado, mas a luta pela qual deu a sua vida continua hoje. Que melhor homenagem lhe podemos prestar?

    • Camarro diz:

      Olhando para o futuro sombrio que se aproxima, serão necessários outros Dias Coelhos, capazes de dar a sua vida, para que a LUTA CONTINUE! É essa a melhor homenagem que lhe podemos prestar.

  4. Felipao diz:

    “Todos devemos dar um pouco, para que uns poucos não tenham de dar tudo!”
    Viva José Dias Coelho!

  5. Manuel Pacheco diz:

    Hoje o panteão internacionalista ganhou mais um herói, o Líder Supremo da República Democrática Popular da Coreia, Kim Jong-il que se junta assim ao Presidente Eterno da República, Kim il-Sung. O Grande Sucessor é Kim Jong-un, terceiro da dinastia Kim.

    O cortejo planificado de lágrimas coreanas é também para o camarada, humilde servo do Cominform, José Dias Coelho. Nem que seja pela recuperação do nome da antiga Rua da Creche.

    E já que estamos a colocar as coisas no seu devido lugar, resta deixar a informação que, ao contrário do belíssimo Mercedes-Benz 540K que Hitler ofereceu a Stalin, nenhum carro blindado foi oferecido por este ou aquele a Salazar.

    O que aconteceu foi que no dia 4 de Junho de 1937 a morte NÃO saiu à rua, ou melhor, NÃO saiu à Avenida Barbosa do Bocage em Lisboa onde o Partido Comunista Português tentou assassinar Salazar com a detonação de uma bomba à porta do local onde frequentava a missa dominical.

    Para contrariar futuras acções tão épicas quanto heróicas como esta, o Estado Português resolveu encomendar dois Mercedes blindados, um para Carmona, outro para Salazar, e COMPROU-OS através da representante da marca em Lisboa, a antiga Sociedade Comercial Mattos Tavares, Lda., facto que pode ser facilmente comprovado pelos registos ainda existentes nos arquivos da Mercedes-Benz.

    Uma visita à Colecção de Automóveis do Museu do Caramulo também será bem esclarecedora para além de muito agradável. Recomendo igualmente a Colecção de Arte no mesmo museu, onde poderão apreciar obras esplêndidas de verdadeiros escultores como Salvador Barata Feyo, Leopoldo de Almeida ou António Duarte…

    • De diz:

      Ora bem
      A morte saiu à rua há 50 anos,pela mão de uma brigada da PIDE.
      Ontem,saiu um putrefacto fascista por entre os escombros e postou-se por aqui a lançar os seus Heils a Salazar

      Sorry pequeno pulha.Rua José Dias Coelho.
      Aprendeu?

      Quanto ao seu ídolo,aquele admirador de Hitler e Mussolini,jaz morto e enterrado algures por aí.

      Vamos aos pontos nos is?
      Quem cometeu o atentado foram anarco-sindicalistas.Um dos mentores,Emílio Santana, sobreviveu ao ditador.
      http://libertario08.wordpress.com/2009/07/04/atentado-a-salazar/
      Pena que Salazar não tivesse morrido na altura.Poupava-se muito sofrimento.E na altura tinha as mãos tão encharcadas de sangue pelo apoio aos falangistas de Franco, com a entrega de muitos republicanos à morte às mãos dos fascistas espanhóis.
      Pois é.A História não é para apagar e não é um fascistóide que o vai fazer,tentando aldrabar como é de bom tom entre os ditos cujos.
      Apanhado claramente a mentir?Isso e muito mais

      Quanto ao carro oferecido por Hitler a Salazar e que este saudoso do Botas diz ser falso,apresentando até os indicativos de compra(perdão,não apresenta nada,diz apenas que se podem ver…nos arquivos da Mercedes (lol,por acaso a mercedes tentou limpar-se de tudo o que dissesse respeito aos nazis..os negócios tinham que prosseguir após a derrota do eixo)
      A história da compra é defendida por um tipo de nome Tiago Patrício Gouveia,com base na tal nota de encomenda.
      O pior é que há muitos que dizem o contrário.Inclusivé muitos sites de direita.E há quem afirme que após a chegada do pedido dos veículos à Mercedes na Alemanha,Hitler se prontificou a oferecer o carro,através do seu amigo na altura Ferdinand Porsche.
      Daí que…
      sorry mais uma vez
      A História não segue ainda os comentários saudosistas das carpideiras do regime fascista.

  6. Manuel Pacheco diz:

    Ao longo da sua falaciosa história, o Partido Comunista Português já nos habituou às suas frentes alargadas, congregadoras e reunidas de vários materialismos e socialismos científicos e filosóficos, todos garantes de amplas liberdades para o povo.

    Em suma, cria e forja alianças, organizações e partidos que quando conduzidos à “acção revolucionária armada” pouco importa que sejam inspirados por Bakunin, Kropotkin ou Lenin, o fim justifica os meios e a capacidade dos comunistas para engolir sapos é lendária, daí, obviamente não repudiarem o atentado a Salazar e também o reivindicarem como seu.

    Mas o que chama a atenção no artigo é a facilidade com que usam e abusam da mentira e o ódio que revelam quando a verdade é reposta.

    Em boa fé ainda esperei que invocassem um lapso na referência ao carro blindado mas foi em vão.

    É que existe uma segunda razão, tão evidente que dispensa prova, pela qual o carro blindado nunca poderia ter sido um presente de Hitler.

    É que o carro referido no artigo usado na fuga de Caxias nem sequer era alemão mas sim um Chrysler Imperial e não consta que Hitler andasse a oferecer carros americanos…

    Escusam portanto de inventar histórias da carochinha entre o Hitler e o Porsche que, pelo exposto, a vossa credibilidade ficou já bem patente.

    Não têm, pois, nenhuma autoridade para contrariar as informações prestadas tanto pelo Museu Mercedes-Benz como pelo Museu do Caramulo que são irrefutáveis pois confirmam a encomenda, compra e pagamento dos dois carros blindados, não houve oferta alguma.

    Em vez de ler os “sites de direita”, convido-os a visitar o Museu do Caramulo, um belo passeio, não só verão as provas como também apreciarão o carro em questão…

  7. Obrigado por escrever sobre isso. Seu artigo me ajudou a fazer um trabalho de casa

Os comentários estão fechados.