Manifesto pela desclassificação do Douro como Património da Humanidade


O Douro que nós amamos – o Douro das paisagens, das gentes, da natureza – não é aquele que nos querem impor: um Douro feito de betão, de turbinas e de lagos artificiais apenas para que negociatas entre o Estado e empresas privadas permitam a riqueza de alguns.
Hoje mesmo, enviei uma Carta por Correio para os responsáveis da UNESCO e do ICOMOS, respectivamente Irina Bokova (directora-geral) e Gustavo Araoz (presidente). Enviei também por mail para todos os membros das duas instituições e pelo Facebook para todos os apaixonados pelo Douro em Portugal e no Mundo.
Aquilo que proponho – a desclassifcação do Douro Património Mundial – pode ser polémico, mas não haverá muito mais a fazer. O Governo já anunciou, através desse homem de cultura que se chama Francisco José Viegas, que não interrompe a construção da Barragem. Num país em condições, o Douro continuaria a ser Património da Humanidade e o Vale do Tua teria, ele mesmo, a sua própria classificação.
E porque ainda vamos a tempo, é altura de espalhar esta mensagem por todo o mundo e tornar o Tua uma questão com exposição internacional. Todos os que a leram têm nas suas mãos a oportunidade de fazer algo pela região que todos amamos.
O texto completo da Carta, em Inglês e em Português, pode ser lido no Aventar.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

11 respostas a Manifesto pela desclassificação do Douro como Património da Humanidade

  1. Isto nem a brincar.
    Todos os Portugueses se devem bater por todos os meios pela CONSERVAÇÃO do Douro Vinhateiro e manutenção da classificação pela UNESCO.
    Não se consegue isso fazendo “queixinhas” na UNESCO, pois essa entidade já fez o que podia, recomendações ao Governo Português. É necessário sim pressionar o Governo, que teoricamente responde perante os eleitores, para que suspenda e reveja todo o processo do Tua!

    • kirk diz:

      Nem mais.
      Acho esta petição uma palermice do género, “como o governo se anda a portar mal assentem umas palmadas aos portugueses especialmente os do Douro”.
      Se o proponente da petição se sente culpado de alguma coisa é lá com ele. Eu não assino merdas destas que objectivamente atiram para cima de mim parte da responsabilidade do que o governo anda fazer. Eu nem sequer votei neles.
      Imagino as pessoas da UNESCO quando receberem a carta a comentarem: “estes gajos não batem bem!”
      K

      • Ricardo Santos Pinto diz:

        Aconselho-o a ler melhor. Isto não é uma petição. É uma atitude em nome individual.

        • kirk diz:

          Desculpe, tem razão.
          Mas ainda no que respeita á sua carta, acho que a subtileza que se encontra por detrás do que escreveu pode ser incompreendida, pelo que é preferivel ser-se claro. E o que se pode concluir é que Vc tem uma genuina vontade de que seja retirado ao Douro a classificação de Patrimonio da Humanidade. Desde que a UNESCO não o faça, eu estou-me borrifando se o governo pára ou não a barragem. É preciso é que o Douro continue a ser um pólo de enriquecimento da economia regional, mesmo que seja ao preço de uma barragem.
          Espero que este pragmatismo não seja mal interpretado.
          K

  2. Justiniano diz:

    Uma interessante questão a colocar ao David Harvey que, soube ali abaixo, por cá estará!!

  3. A energia hídrica é à borla. Parte dos portugueses já estão a passar fome devido ao dinheiro gasto pelo Estado a importar petróleo. A pergunta é esta: quem e com que dinheiro vai pagar as importações de petróleo? E acrescento, grande parte da dívida soberana portuguesa é do dinheiro gasto a importar petróleo.

  4. Carmo Cruz diz:

    Só mesmo gente desmiolada e mal intencionada para uma coisa destas!
    Deviam ter VERGONHA estas pessoas que se dizem amar a nossa terra…
    Fazer queixinhas porque não aceitam uma decisão de uma sociedade livre, que decidiu em maioria, e como tal enviam um documento que pretende FAZER MAL à nossa terra! Cambada de irresponsáveis estes anormais! Vão trabalhar!

    • Nuno Duarte diz:

      Fala em sociedade livre a cara sra mas fica roída por não poder censurar o sr que expressa a sua liberdade. Fala em decisão de maioria e com que fundamento? o voto num partido legitima toda e qualquer barbaridade que se possa fazer? E quando fala em fazer mal à nossa terra, tenha dó dessa mesma terra que foi construída com muito trabalho pelas gentes que fizeram essa paisagem do Douro, trabalhando com e não contra a natureza rude dessa mesma terra. Que dizer da linha mais emblemática da Península Ibérica, património único, legado de gentes doutros tempos e que nos deixaram a nós, seus filhos, a tarefa de a defender. Como somos maus portugueses se não defendermos a nossa terra e defende-la é fazê-lo contra gente vazia como a sra Carmo ou os nossos próprios governantes. Já agora e por experiência, não têm a sensação de que as pessoas que mandam os outros ir trabalhar são as mais encostadas? Mesmo mesmo para terminar, sr José, sabe qual vai ser o aumento na capacidade de produção energética nacional gerada por esta barragem? Saberá também com certeza o quanto vamos pagar por estes monstros.

  5. Luís Teixeira Neves diz:

    Vai trabalhar tu, meu filho da puta!

  6. Pingback: Uma breve história dos manifestos de esquerda « O Insurgente

  7. Pingback: Uma breve história dos manifestos de esquerda |

Os comentários estão fechados.