Vinte anos depois, o comunismo não morreu!

Há poucos dias, o Partido Comunista da Federação Russa (PCFR) alcançou um importante resultado nas eleições legislativas. Apesar da fraude eleitoral, a burguesia daquele país não conseguiu esconder o avanço dos comunistas. Oficialmente, o PCFR obteve 12,5 milhões de votos, mais de 19 por cento, e passou de 57 para 92 deputados. Em conferência de imprensa, dirigentes comunistas acusaram o partido Rússia Unida, de Vladimir Putin e Dmitri Medvedev, de se ter “apoderado de 12 a 15 por cento dos votos”.

Há dados muito interessantes. Por exemplo, no oblast de Irkutsk, o PCFR passa de 10,7 para para 27,8 por cento. Em Novosibirsk, de 16,4 para 30,3. Em Nizhny Novgorod, de 12,7 para 29. E nas duas principais regiões, Moscovo e Leninegrado, os comunistas sobem, respectivamente, de 14,1 para 26,6 e de 10,8 para 17,3 por cento.

Aos protestos contra a fraude eleitoral, o governo respondeu com a violência. Destacamentos completos da polícia russa foram mobilizados para Moscovo e, desde domingo, já foram efectuadas mais de mil detenções. Mas a indignação alastra-se por todo o país e ameaça provocar uma crise política sem precedentes desde os anos posteriores ao fim da URSS. À oligarquia que cresceu e engordou com a derrota da experiência socialista acabou-se-lhe o estado de graça.

Quando passam 20 anos daquela fatídica data, os resultados da recuperação capitalista nas ex-repúblicas socialistas soviéticas estão à vista. Não são apenas as eleições e as sondagens, apesar das manipulações, que denunciam o descontentamento do povo russo. Os índices sociais e económicos revelam a tragédia que representou o fim do socialismo para milhões de trabalhadores.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

19 respostas a Vinte anos depois, o comunismo não morreu!

  1. Francisco d'Oliveira Raposo diz:

    As datas fatídicas não caiem do céu. Tão pouco a procura do Socialismo como alternativa ao Capitalismo. Mas onde se aguça a luta de classe lá volta a pairar o querido “fantasma”…
    Aprendendo com o passado para projectar uma alternativa de futuro.

  2. Sou um livre-pensador, logo não-alinhado, mas o regime actual da Rússia é capitalista decadentista e é natural a nova emergência do marxismo. Tem é que haver uma auto-crítica dos erros do passado.
    Mais livre-pensamento contra o neoliberalismo em http://anticolonial21.blogspot.com/
    O triunfo do neoliberalismo é temporário, não é definitivo.

  3. João diz:

    Talvez se existisse pluralismo político, no âmbito do regime socialista, a fatídica data não tivesse acontecido.

  4. Raul diz:

    Óptimo. Mas olhem que, por exemplo, na Áustria e na Holanda, a extrema direita está aí na calha para ganhar as próximas eleições. Só espero que não aparecem aí uns “iluminados” a vangloriar-se de 80 anos depois o fascismo estar na maior… (:

  5. A CADA DIA DE CRISE NO MUNDO QUE SE DIZ “”CERTO E VERDADEIRO””, AS IDEIAS DE MARX/LÊNIN/CHE/FIDEL, SE MOSTRAM PERENES E VERDADEIROS DENTRO DO CONTEXTO ATUAL, ASSIM COMO VERDADEIROS EM SUAS ÉPOCAS.
    O SOCIALISMO SE MOSTRA AINDA MAIS SOBERBO E UM SONHO A SER ENTENDIDO E SEGUIDO POR TODOS QUE LUTAM POR UMA SOCIEDADE MAIS JUSTA,IGUALITÁRIA, MENOS ALIENANTE ( INDIVIDUAL-CONSUMISTA ) E SEMPRE BUSCANDO O C O L E T I V O……BELO ARTIGO E SAUDAÇÕES VITORIOSAS AO PARTIDO COMUNISTA DA RUSSIA….””A LUTA CONTINUA…VENCEREMOS!!!!””

  6. corrector diz:

    Vejam lá por onde a coisa já anda…

  7. Pingback: Vinte anos depois, o comunismo não morreu! – Bruno Carvalho «

  8. Tiago diz:

    Ainda esta semana conversei por Skype com um amigo russo. Um tipo lúcido, conhecedor de História, e seguidor da actualidade política. Disse ele:
    – A esmagadora maioria do povo russo não quer um regresso à URSS
    – A maioria dos votantes no PCUS não querem um regresso à URSS. O voto no PCUS é sobretudo um voto de protesto contra o Rússia Unida.
    – A ocorrer uma revolução, receio que sejam os nacionalistas a tomarem o poder
    – Putin faz questão de manter o PCUS como segundo partido. Funciona como tampão para partidos democratas liberais e também assegura a perpetuação do Rússia Unida no poder. A ideia é: por pior que seja Putin, o povo russo nunca optará pela “velha alternativa”. Um gajo esperto, o Putin.

    • De diz:

      Um gajo esperto este Tiago
      Lembram-se de uma velhinha que numa campanha eleitoral profetizou a vitória do candidato do PSD, um tal Fernando Nogueira?
      E de como de forma um tanto pueril,este veio a público confessar tal “adivinhação” garantindo a vitória que nunca ocorreu?
      Pois bem a historiazinha repete-se com este Tiago,mas agora de uma forma muito mais néscia.
      Porque ao que parece a conversa mais ou menos privada que o Tiago teve com um russo lhe permite tirar as conclusões que tira
      Numa tentativa ínvia de tirar rendimento do “peixe” qualifica-o,ao tal interlocutor como um tipo lúcido,conhecedor da história…
      Como a velhinha do Fernando Nogueira…mas agora com mais vestimenta dourada para fazer brilhar mais a pílula.Daí o termo néscio
      Porque se o Tiago tivesse via skipe falado com o Passos Coelho ou com o Portas como se fora um cidadão russo…
      estaria a dizer que estes tipos eram lúcidos e conhecedores da história.”esquecendo” o que estes são e o que servem
      (ambos os interesses dos interesses do Tiago.E tudo a bem da nação)

      A desonestidade intelectual dá nisto.Para os gajos espertos fazerem propaganda aos espertos gajos

  9. Armando Cerqueira diz:

    Bruno Carvalho,
    independentemente das posições ideológicas, desvios, dissidências, etc. de cada um, a questão do Comunismo (e do Socialismo) é um tema muito importante (proque não está morta, apesar do que os ideólogos da Direita pensam), e deveria ser tratado de boa-fé e sem espírito de cruzada anti-comunista.
    Eu gostaria de saber:
    – quais são as propostas (linhas programáticas) fundamentais do PCFR?,
    – quais as ligações, semelhanças ou diferenças em relação ao programa do defunto PCUS?,
    – quais são as linhas programáticas actuais fundamentais do PCP?,
    – acha (e em quê) que os PCs já fizeram as suas autocríticas em relação ao falhanço das experiências anteriores? A que conclusões chegaram?,
    – acha que as actuais propostas programáticas do PC e do PCFR são realizáveis? Qual/quais é/são o/s modelo/s de sociedade proposto/s? O capitalismo continua em crise larvar, vai-se adaptando e simultaneamento criando mais profundas desigualdades.
    Penso que estas questões são fundamentais, devem ser tratadas honestamente, com seriedade e profundidade.
    Cumprimenta-o o
    Armando Cerqueira

    • Bruno Carvalho diz:

      Armando, agradeço o seu comentário mas é-me difícil, em pouco tempo, responder-lhe a todas essas questões.

  10. João Lopes diz:

    Caro Armando Cerqueira,
    Apesar da sua pergunta ser dirigida ao Bruno deixe-me dar o meu contributo. O PCP realizou um congresso extraordinário em 1990 (o XIII) com um ponto único da ordem de trabalhos: A análise na situação nos então países socialistas. Não conheço nenhum outro partido que naquele momento o tenha feito. Voltou a analisar essa questão do XIV Congresso em 1992. No último congresso, o XVIII em 2008, inscreveu como objectivo aprofundar a análise das causas da derrota do socialismo. Encontrará vários documentos do PCP a propósito dos vinte anos da queda do muro de Berlim (separador “Internacional” na página web). O PC grego elaborou um documento muito extenso que é a sua análise sobre as causas da derrota do socialismo. (http://inter.kke.gr/News/2008news/2008-12-thesis-socialism/).

  11. LINHAS DO http://inter.kke.gr/News/2008news/2008-12-thesis-socialism/

    Não devemos esquecer as características especiais do período que na bibliografia marxista é conhecido como o ” período de transição “, durante o qual a revolução socialista busca a vitória, uma possível guerra civil se desenvolve, a luta acentuada das relações comunistas que estão apenas começando a desenvolver contra relações de exploração capitalista, que ainda não foram abolidos, é travada. A duração deste período depende do atraso que o socialismo herdou do capitalismo. A experiência histórica tem mostrado que este período não pode durar muito tempo. NoURSS este período foi concluída em meados da década de 1930. A luta com as relações capitalistas, as dificuldades na construção de uma base socialista eram afiados, devido à herança feudal e patriarcal nas antigas colônias da Rússia czarista. Lenin, em seu tempo, destacou que em países onde a indústria é mais desenvolvida, as medidas de transição para o socialismo são restritas ou em alguns casos tornam-se completamente desnecessária.

  12. V CABRAL diz:

    O capitalismo é uma coisa antiga e velha, vem desde o feudalismo. O Comunismo é mais recente e parece-me mais justo … só não percebo que Portugal, país onde somos quase todos engenheiros, doutores e professores, teima em não experimentar o P.C.P.

  13. V Cabral diz:

    Fico “bruto” quando vejo que num País onde só hà DRS e ENGS, ainda não se percebeu, que é mais saudável recuperar o Comunismo do que mantermo-nos nesta galinhaça. Beijinhos !

Os comentários estão fechados.