APETECE-ME dizer que o fascismo que grassa pela Europa (e a merda do trabalho que diariamente nos tolhe) é também isto, este esquecer: e só hoje me calhou referir aqui (alguns dias depois) a morte desta Senhora (sem comentários)

Montserrat Figueras (15 / 3 / 1942 – 23 / 11 / 2011)

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

3 respostas a APETECE-ME dizer que o fascismo que grassa pela Europa (e a merda do trabalho que diariamente nos tolhe) é também isto, este esquecer: e só hoje me calhou referir aqui (alguns dias depois) a morte desta Senhora (sem comentários)

  1. De diz:

    Uma Senhora de facto.A música antiga (mas também a barroca) devem-lhe muito,a ela e a outros que como ela tentaram aliar a fidelidade aos projectos originais com uma alegria e uma luminosidade verdadeiramente notáveis
    Parece que o cancro a levou.Cedo demais.
    Cancro que me faz lembrar sempre o fascismo na sua forma vil e cobarde de actuar.

    Jordi Savall,Arianna,Ferran…mas também todos nós.
    Ainda bem que se lembraram dela por estes lados

  2. De diz:

    (Porque me lembrei da vela de La Tour – que a adivinho sempre bruxuleante – quando escutei a voz de Montserrat nalgumas passagens desta obra?)

    (e o respeito pela obra e pelos criadores e por quem escuta e pelo todo, por parte de quem fez este vídeo?)

    Requiescat in pace. Nunc audiat choros Angelorum…alguém escreveu

    • Carlos Vidal diz:

      Sim, meu caro amigo, a vela e a voz, bela analogia.

      Sobretudo esta voz, frágil como a vela. Não era um vozeirão, uma Callas, Tebaldi, Sutherland, Kanawa, Berganza, uma Price, uma Fleming…..

      Era outro mundo: um pé na cidade, outro na Idade Média. Insubstituível. Até para o Savall. Foram dezenas e dezenas de discos e descobertas.

      Nós ouvimos e amamos.
      Os fascistas que nos governam, ouvem e pensam: quantos Euros podemos poupar com estes Hesperions e estes chatos que fazem música, ainda por cima medieval??
      O pinochetista das Finanças nem sabe do que estamos a falar.
      Abraço.

Os comentários estão fechados.