Soares, a ternura dos 80

“Fui ministro dos Negócios Estrangeiros e acho que foi o único ministério onde não houve saneamentos. Achei sempre que a Revolução do 25 de Abril não era para nós fazermos o mesmo que os adeptos da ditadura nos fizeram a nós. Sempre fui e preguei a tolerância. Aliás, os militares de Abril tiveram a grande inteligência de deixar ir Marcello Caetano e o Presidente da República para o Brasil. Se os têm julgado, nunca mais aquilo acabava, teria sido uma desgraça. Apoiei isso desde sempre. E no meu ministério disse: “Comigo não há saneamentos!””

Via João Vilela

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

2 Responses to Soares, a ternura dos 80

  1. João Vilela diz:

    Não há Tide nem Omo que lhe cheguem aos calcanhares!

  2. jal diz:

    a contra-revolução continua a confessar-se…

Os comentários estão fechados.