Podem apagar o vídeo, proteger o trambolho e salvaguardar o extremista Miguel Macedo. Podem dizer que o alemão é anarquista, que a manifestação foi violenta ou que estava em causa a segurança nacional face a um homem que não ofereceu resistência. A memória não se apaga tão facilmente e a sede de justiça não se mata sem justiça. [actualizado]

A impressionante partilha popular do vídeo da agressão já levou a que fosse apagado do Vimeo. Rapidamente reposto no Youtube acabou por perder a estatística a as ligações a ele associado, ainda para mais no dia em que tinha começado a circular internacionalmente.

As televisões não puderam fazer vista grossa e todas acabaram por difundir as imagens, embora distorcendo a cara do trambolho que agrediu um manifestante e, por engano, outro polícia à paisana. Gostava de saber o critério da censura, especialmente quando a generalidade dos meios de comunicação não hesita em representar manifestações de massas com a imagem de uma só pessoa.

Até que ele, e não outros, seja identificado, alvo de inquérito e necessariamente suspenso, deve ficar debaixo de olho. Não da polícia, da qual faz parte, mas do movimento. O Procurador-geral da Republica, o Ministério Publico e os tribunais, sabemos, fazem demasiadas vezes o jogo do poder e da polícia, mas se ficarem calados face ao que foi tornado público, a sua máscara cairá definitivamente. Se assim for, podemos considerar que o momento político já inaugurou um regime que se legitima recorrendo a uma variante da lei marcial, que deve ser combatido com todas as armas disponíveis. O violento polícia infiltrado terá que ser proibido de se dedicar à actividade e deve responder pelos seus actos criminalmente num tribunal civil.

A resposta do 15 de Outubro (uma das plataforma que organizou a manifestação), é a que se exige, uma vez que foi todo o movimento a ser visado pela brutalidade dos agentes à paisana do Miguel Macedo.

Se o problema estiver na identificação, o Procurador-geral que abra o processo ao Comandante de Operações e ao Ministro da Administração Interna, as duas figuras com maior responsabilidade sobre os factos registados no terreno.

ACTUALIZAÇÃO: Entretanto, o Ministro Miguel Macedo já reagiu às exigências do 15O: “A PSP já anunciou que está a fazer uma averiguação às circunstâncias em que decorreu aquela situação que está documentada no vídeo”, declarou hoje o ministro Miguel Macedo em Almeida, à margem da cerimónia inaugural do novo quartel dos bombeiros locais.

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged , , , . Bookmark the permalink.

14 respostas a Podem apagar o vídeo, proteger o trambolho e salvaguardar o extremista Miguel Macedo. Podem dizer que o alemão é anarquista, que a manifestação foi violenta ou que estava em causa a segurança nacional face a um homem que não ofereceu resistência. A memória não se apaga tão facilmente e a sede de justiça não se mata sem justiça. [actualizado]

  1. irmãluciadecalcuta diz:

    ele confundiu o perigoso alemao com o dias loureiro,amigo de terroristas e assaltante de bancos!

  2. irmãluciadecalcuta diz:

    ou sera q foi com aquele q mata velhinhas?

  3. JDC diz:

    “Gostava de saber o critério da censura, especialmente quando a generalidade dos meios de comunicação não hesita em representar manifestações de massas com a imagem de uma só pessoa.”
    Chama-se Estado de Direito, onde toda a gente, TODA, merece um julgamento justo onde é considerada INOCENTE até ao fim do julgamento. É assim em todo o mundo civilizado e tem que ser assim até para com os que se comportam como bárbaros, como foi o caso deste sujeito.

  4. Pingback: Brutal agressão policial a manifestante transita na internet

  5. Pingback: Infiltrado(s) pelo sistema |

  6. Carlos Carapeto diz:

    Eles são mesmo preparados para ver em cada cidadão um deliquente.

    E nós é que temos que provar que não o somos.

    Isto está quase como na América, quando a policia manda parar alguém deve ficar com as duas mãos no volante e a policia é que procura os documentos.

    Com o tempo chegamos lá. Se……..

    • anonimo diz:

      mas na américa, pelo menos onde eu estive, as operações stop não existem e só se cometeres alguma ilegalidade é que a polícia te pode mandar parar… chama-se presunção de inocência… aqui em pt, é que a bófia só tem presunção!

  7. Pingback: MACEDOFINGER 007 – O meliante mentiroso ao serviço da brutalidade policial, do ataque à greve, da frau Merkel e do herr FMI. | cinco dias

Os comentários estão fechados.