Argentina 2001 – Grécia 2011/2012 – Portugal? – Europa??

A história está acelerar e aquilo que se passou na Argentina em 2001 (com congelamento dos depósitos nos bancos) é mais do que previsível vir a passar-se na Grécia e muito provavelmente em Portugal. Acima está um óptimo documentário sobre o que lá se passou. Fruto emgrande medida das brilhantes políticas incentivadas pelo FMI, as mesmas políticas que a Troika de forma ainda mais insistente impõe ao sul da Europa.

Para sair do abismo os Argentinos tiveram de rejeitar o FMI. Também aqui sem a derrota da Troika e dos seus cipaios não há saída.

Só que as consequências do colapso do sul da Europa serão quantitativa e qualitativamente, política e economicamente, muitos mais intensos do que a crise Argentina de 2001. E que muitas das “lutas de rua” que irão surgir serão verdadeiras guerras. Quanto ao seu desfecho, não partilho das certezas dos fariseus (acima temos um exemplo entre muitos de como o Fariseu está errado, aliás basta ver o nível de apoio que tem a greve geral), só sei que iremos assistir (como já estamos) a níveis de violência não vistos há muito e que cada vez mais me parece difícil escaparmos a uma grande guerra.

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged , , . Bookmark the permalink.

2 respostas a Argentina 2001 – Grécia 2011/2012 – Portugal? – Europa??

  1. xatoo diz:

    “Ao pregarmos a ortodoxia fiscal às nações em desenvolvimento, ficávamos na posição da prostituta, que, tendo-se aposentado com suas economias, passa a acreditar que a virtude pública exige o encerramento de todos os bordéis” (Arthur Schlesinger Jr, conselheiro económico na administração Kennedy)
    a influência do FMI na América Latina desde 2001 até 2007 caiu de 49 biliões emprestados para cerca de 1 bilião em 2007
    Mas a Argentina pagou o seu preço, o pib caiu 50% e 30% da população caiu na pobreza; tal como a Europa vai pagar um preço parecido agora..

  2. José Borges Reis diz:

    Ahem… “iremos assistir (como já estamos) a níveis de violência não vistos à muito”?! HÁ muito, Furtado. Toca a corrigir! Ab

Os comentários estão fechados.