quem se manifesta na rua, quem faz greve, quem é contra este rumo que é um suicídio para o país, tem menos legitimidade democrática do que quem tem de facto o poder – 1% , os donos dos bancos e das bolsas – que se escondem, que não são eleitos e que estão a decidir em nosso nome?

cronica raquel freire 25 10 2011 antena 1 este tempo (mp3)

em Portugal estamos a viver um pesadelo: os nossos governantes entraram numa espécie de sonambulismo em que deixaram de ouvir as pessoas, o país, e só sabem obedecer à chanceler alemã, ao bce, ao fmi, aos mercados, essas entidades misteriosas com costas largas que servem para justificar todas as medidas de austeridade e que na realidade, são o quê? São o 1% , os super-ricos que provocaram esta crise e inventaram o capital financeiro e especulativo. Somos governados por poderes políticos e económicos, as troikas dirigidas pelo 1%, os banqueiros e amigos. Que nós cidadãs e cidadãos não elegemos.
O governo e os economistas do regime que ouvimos falar na televisão, que nos levaram ao estado actual, parece que foram mordidos pela mosca tsé tsé e que não vêem o óbvio para quase toda a gente: as medidas aplicadas à Grécia e que agora estão a aplicar a Portugal, não resultam, pelo contrário, pioram.
As medidas deste governo não podem resultar, porque é impossível recuperar duma crise sem crescimento. e estão a afundar o país na maior recessão desde há 37 anos, com quebras do investimento e do consumo que não se verificam desde os anos 80.
quem se manifesta na rua, quem faz greve, quem é contra este rumo que é um suicídio para o país, tem menos legitimidade democrática do que quem tem de facto o poder – 1% , os donos dos bancos e das bolsas – que se escondem, que não são eleitos e que estão a decidir em nosso nome?
a minha crónica ESTE TEMPO. antena 1.

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged , , , , , . Bookmark the permalink.

21 respostas a quem se manifesta na rua, quem faz greve, quem é contra este rumo que é um suicídio para o país, tem menos legitimidade democrática do que quem tem de facto o poder – 1% , os donos dos bancos e das bolsas – que se escondem, que não são eleitos e que estão a decidir em nosso nome?

  1. Cara Raquel,
    Totalmente de acordo consigo. Aqui fica a minha opinião também:
    O líder dos novos fascistas, o ignorante e inconsciente Primeiro Ministro, Pedro Passos Coelho, depois de tomar medidas que contribuiram para o empobrecimento geral das classes trabalhadoras e das classes médias remediadas veio hoje dizer que Portugal só poderá sair desta situação empobrecendo. Se é essa a solução encontrada pelo senhor Primeiro Ministro, proponho uma alternativa. Ocupe-se o Parlamento, faça-se a revolução, corra-se com toda essa gentinha que nos trouxe até aqui que é óbvio que não nos vai tirar daqui e refunda-se uma nova Assembleia Constituinte. Os Islandeses não morreram como povo e nós também não vamos morrer. Empobrecemos sim, mas empobrecemos de forma digna. Talvez esta alternativa nos pusesse a crescer mais depressa do que poderiamos imaginar.
    Daqui: http://macloule.blogspot.com/

  2. Renato Teixeira diz:

    É desta que o Fernandes se passa da marmita e invade os estúdios da RTP para calar a emissão à terça-feira. 😉

    Nota: Por invasão entenda-se, privatização. OPA mascarada de ajuda. Spin-off que ainda é mais supimpa. Ele há tipos que souberam bem adaptar-se às regras da clique dos 1%.

  3. raquel freire diz:

    ele que venha 😉

    • Renato Teixeira diz:

      Já está a caminho com ar sisudo e em bando, senhor à força no pinhal do rei.

      • ´De diz:

        Gosto aqui dessa expressão:”…com ar sisudo e em bando,senhor à força no pinhal do rei”
        … trará no ventre despojos antigos…

  4. xatoo diz:

    “entidades que nós não elegemos”
    nem a partir de determinado nivel poderá ser de outra maneira; que racionalismo poderia haver se 3.000 tipos de Vila Franca de Xira decidissem democraticamente instalar ali, na terra deles, uma central nuclear? neste caso uma “assembleia popular” não pode funcionar…
    Portanto, o problema é outro e trata-se de um escalonamento dos diversos niveis de democracia, onde as pessoas se pronunciam gradualmente consoante as suas qualificações, sempre controlados a partir das bases, falando sempre de mandatos eleitos e revogáveis a qualquer momento, assim que se verifique que um qualquer processo sofra desvios.
    Mas a um governo deste tipo chamar-lhe-iam Ditadura, enquanto dos governos do BCE-FMI se diz trabalharem em prol da democracia dos povos…
    cambada de aldrabões

  5. Gentleman diz:

    As medidas que estão a ser aplicadas em Portugal foram aplicadas a partir de 2009 na Irlanda e estão a ter sucesso, com a economia a retomar o crescimento.
    Medidas — convém lembrar — que na Irlanda tiveram a agravante de serem despedidos 25 mil funcionários públicos — o que se levarmos em conta a população dos respectivos países equivaleria a um despedimento de 42 mil funcionários públicos em Portugal.

    • De diz:

      O papel de Gentleman?
      Tentar vender-nos a canga.
      Não colhe.
      Nem a sua chantagem de desemprego se não obedecermos ao patrão.Ou à patroa do patrão,a dona Merkel.

  6. Gletleman vai-te foder com a conversa dos despedimentos. Eles já estão a acontecer em massa e garanto-te que quando eu for despedido não vou ficar só na escadaria da Assembleia da República.

    • Luis F. diz:

      Que elegância ! Que poder de argumentação ! Quase ao nível de um “quando me quiserem aumentar os impostos para pagar o teu ordenado, não vou parar na escadaria da Soeiro Pereira Gomes/Rua da Palma (riscar o que não interessa). “

    • Luis F. diz:

      “Mais um pedaço de propaganda das realidades económicas sob o ponto de vista do banco mais perto de si? ou do banqueiro mais próximo de casa? Talvez as tais políticas tivessem nascido de geração espontânea…?”

      Tretas, ahn? As políticas seguidas (e especificamente a crença nas virtudes da despesa pública) são largamente consensuais – quer dizer, pode-se discordar de gastar no A em vez do B, ou no C em vez do D, mas na questão de fundo não vejo grandes discordâncias…

      “responsabilidades.Enormes.Pela sua abjecta governação e subserviência ao capital.”
      E ?

      “Quanto às alternativas..deixe de ser um papagaio repisando a voz do dono e informe-se.”
      Um bocado irritante esta tendência – quem não concorda consigo é um papagaio, desinformado ou qualquer outra coisa que lhe permita não responder.

      Infelizmente, factos são factos:
      a) Quem nos emprestou dinheiro quer receber.
      b) Não pagar implica que só por milagre alguém nos vem emprestar mais uns trocos.
      c) O Estado gastou, sempre, mais do que recebe. No último ano, foram cerca de 19% de diferença. Sem acesso a financiamento externo, o Estado limitar-se-à a gastar o que tem (ou a ficar a dever aos seus cidadãos…) sendo que para ter mais terá que cobrar mais impostos…

      Venha de lá com as soluções que quiser …

      • De diz:

        Será que sabe ler ou faz-se de tontinho?
        Não leu o conselho para se ir informar?
        É que me parece que anda um pouco arredado da realidade,ou demasiado enredado na propaganda neo-liberal.
        Dizer que “na questão de fundo não vejo grandes discordâncias”…só mesmo a brincar,não?Ou a fazer um espectáculo de pantomina para apagar alternativas.
        Não leu sequer os sites que lhe recomendei?Pelo menos um é especialista em questões económicas.

        Mas como já vi que é um defensor acérrimo da banca e da corja que nos tenta apertar o pescoço para lhes aumentarmos os lucros dos tais empréstimos que outros contraíram
        (esses mesmos os que anda a tentar tapar com o palavreado oco e vazio)
        aqui vai um videozito para começar
        http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=f7cJ_ZBiU-I#!
        Vale a pena ver.
        Há mais

        Entretanto só lhe faço um pedido:
        deixe de ir choramingar para o Arrastão que lhe fica muito mal.
        Cito-o:
        “Há muito que eles lá no 5 dias me riscam a lápiz azul!
        Até a Raquelzinha.
        O tirando meia dúzia de tipos decentes ideologicamente (concorde-se em parte ou não), o que por lá andam são nhurros e da canhota”

        Seja ao menos coerente.
        Ou deixe de fazer tão tristes figuras

        • Luis F. diz:

          “Será que sabe ler ou faz-se de tontinho?
          Não leu o conselho para se ir informar?
          É que me parece que anda um pouco arredado da realidade,ou demasiado enredado na propaganda neo-liberal. Dizer que “na questão de fundo não vejo grandes discordâncias”…só mesmo a brincar,não?Ou a fazer um espectáculo de pantomina para apagar alternativas.Não leu sequer os sites que lhe recomendei?Pelo menos um é especialista em questões económicas.”

          Já sei que o de é que anda informado – os restantes são os 99% …

          De resto, os links pouco interesse têem. O mais relevante é a ideia de que em média, os Estados incumpridores voltaram ao mercado 4 anos depois do default.
          Nada que invalide a premissa de fundo: sem dinheiro, não há palhaço – a não ser que o palhaço esteja disposto a aguardar 4 anos por uma hipótese vaga de pagamento.

          “Mas como já vi que é um defensor acérrimo da banca e da corja que nos tenta apertar o pescoço para lhes aumentarmos os lucros dos tais empréstimos que outros contraíram”
          Tenho alguma dificuldade em responder-lhe sem descer ao nível do “já vi que é um defensor acérrimo dessa corja que se julga no direito de usar o fruto do meu trabalho”, por isso dispenso. Quando tiver argumentos, diga.

          “Entretanto só lhe faço um pedido:
          deixe de ir choramingar para o Arrastão que lhe fica muito mal.
          Cito-o:
          “Há muito que eles lá no 5 dias me riscam a lápiz azul!
          Até a Raquelzinha.
          O tirando meia dúzia de tipos decentes ideologicamente (concorde-se em parte ou não), o que por lá andam são nhurros e da canhota”

          Seja ao menos coerente.
          Ou deixe de fazer tão tristes figuras”

          Quanto a isto, nem percebo o que significa, suponho que seja um erro de copy/paste. De qualquer forma, o arrastão não é bem a minha onda.

      • De diz:

        Já agora sabe onde fica a Islãndia?
        Por lá também havia uns papagaios que diziam exactamente o que Luís F diz.Do género…”quem nos emprestou dinheiro,quer receber,se não pagarmos, o estado,etc e tal”

        Fizeram um manguito aos tais credores …e fizeram-no muito bem.
        Mais um texto para dar um tiro no barco neo-liberal dos que nos aconselham a submeter-nos ao poder económico-financeiro.

        http://resistir.info/islandia/lucita_set11_p.html

    • DrStrangelove diz:

      Despedimentos em massa de contratados sem termos na Função Pública?
      Aonde é que isso está a acontecer?

  7. Luis F. diz:

    “As medidas deste governo não podem resultar, porque é impossível recuperar duma crise sem crescimento. e estão a afundar o país na maior recessão desde há 37 anos, com quebras do investimento e do consumo que não se verificam desde os anos 80.”

    A recessão é causada pela necessidade de abrandar o recurso ao crédito externo. Foram anos e anos de políticas “de crescimento” que levaram a isto. Foram anos e anos a insistir na ideia de que se pode “estimular a economia”, ancorada em “estudos” que garantiam que a despesa X tem um efeito multiplicador de Y….
    Ora, a verdade é que o Estado não sabe nem nunca soube gastar dinheiro – nem fazer contas, sequer.

    Viver a crédito significa abdicar de rendimento futuro em troca de consumo imediato – e pressupõe que haja alguém disposto a financiar-nos.
    Agora que se chegou ao limite, a opção é :
    a) Cumprir o ajustamento e ter acesso a financiamento nas condições acordadas.
    b) Declarar o default, e deixar de ter acesso a financiamento externo – e portanto, fazer o ajustamento todo de uma vez (em vez de reduzir o défice de 9% para 5,9% este ano e 4,5% no próximo, o défice seria sempre, necessariamente de 0% – pela simples razão de que não teríamos quem nos emprestasse um cêntimo).

    Qualquer das soluções é má – mas não resultam de uma opção de hoje, são apenas o resultado inevitável de um longo processo.

    • ´De diz:

      Com o devido respeito, tretas.
      Mais um pedaço de propaganda das realidades económicas sob o ponto de vista do banco mais perto de si?
      ou do banqueiro mais próximo de casa?
      Talvez as tais políticas tivessem nascido de geração espontânea…?
      O pior é que não foram

      E Passos Coelho, o ladrão mentiroso ao serviço de Merkel e amigos, tem responsabilidades.Enormes.Pela sua abjecta governação e subserviência ao capital.
      Pela sua longa carreira de carreirista ao serviço dos interesses torpes,obscuros,de classe do bloco central de interesses.

      Quanto às alternativas..deixe de ser um papagaio repisando a voz do dono e informe-se.
      As vias de sentido único são caminhos para o abismo a que os abutres nos querem conduzir.
      Basta!

  8. Caro Luis F. e a ameaça implícita dos despedimentos é um argumento elegante ou fascista?

  9. Zuruspa diz:

    Ó “homem gentil”, o milagre da Irlanda é täo factual como aquele de Fátima.
    Para que queres que meta aqui o enlace para as notícias relacionadas com o caso, se tu as vais ignorar? Vai bugiar, e entrega o teu RSI ao Estado!

Os comentários estão fechados.