CHAPITÔ CALLING! – Amanhã, 22h, no Bartô.

“londres: pilhagens, revolução ou o que foi então?

debate moderado por Miguel Cardoso (UNIPOP) com a presença de: Alexandre Abreu http://ladroesdebicicletas.blogspot.com/; Luhuna de Carvalho http://www.spectrum.weblog.com.pt/; Renato Teixeira http://5dias.net/; Tomás Vasques http://hojehaconquilhas.blogs.sapo.pt/.

Londres rebentou e, em pouco tempo, o vírus alastrou e pegou. autoridades várias prometiam as mais duras represálias enquanto pessoas de muitas idades, géneros e proveniências sociais incendiavam carros, pilhavam lojas de diversos tipos enfrentando a polícia em pequenos grupos. na blogosfera portuguesa o debate à esquerda ficou amplamente marcado, por um lado, pelos que apontaram o fenómeno pela sua inconsistência revolucionária e, por outro, pelos que, lendo o terreno como uma súbita apropriação do espaço que sempre lhes foi negado, se recusaram a julgar a pureza revolucionária dos amotinados. para pôr este debate à volta da mesa, fomos resgatar à internet alguns dos mais visíveis e interessantes actores desta viva polémica.

bartô|Costa do Castelo nº1, 19 out, 22h

No painel de oradores entra Tomás Vasques para o lugar do Sérgio Lavos. Há substituições que são autênticos programas políticos.

Afinal, também eu não poderei estar presente no debate que no entanto promete ser animado.

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged , . Bookmark the permalink.

Uma resposta a CHAPITÔ CALLING! – Amanhã, 22h, no Bartô.

  1. Rascunho diz:

    A ver se o tempo me permite lá estar convosco…

    sobre o que sucedeu em Londres, reagi, assim:

    (08/08/2011), ainda no meu anterior blog » Elypse

    É curioso observar a deturpação a nível do contexto social. Não posso deixar de censurar o que se está a passar na Inglaterra nos últimos dias. Tinham tudo para reivindicar bem, destruindo os casulos do artesão da miséria – do sistema económico – dizimando as várias instituições que o alimentam/sustentam: bancos, seguradoras, etc.

    Incrédulos alguns (porque outros sabem bem o que se está a passar, mas fingem estupefacção para legitimar a carga policial que se seguirá, etc.), tentam obter uma justificação para o que, à partida, indicia ser injustificável. Estes ainda têm desculpa: os que ao menos tentam perceber a razão de uma geração se revelar alucinada, reagindo como se tem observado. Qual é a razão desta reacção? Para os que enviam a carga policial, não há razão justificável. Portanto, milhares de adolescentes ficaram transtornados de um momento para o outro, por nada.

    É com tristeza que vejo toda uma juventude, devido ao virtualismo a que tem estado subjugada, reagir sem rumo – revelando isso mesmo: que o sistema lhes toldou toda e qualquer direcção. Estão saturados do artificialismo urbano e de toda a sua mecanização. Já só conseguem obter o que resta da sua afectividade de forma gritante e animalesca – tornando-se vítimas da sua vitimização/aniquilação.

    O que sentem ao fazer o que fazem, e muitos não percebem nem nunca irão perceber, é que com esta reacção, mesmo que temporária e por absurda que possa parecer, conseguem suspirar de alívio – como se, por momentos, houvesse alguma lucidez e razão em existir para além de toda a estruturação/formatação a que estiveram sujeitos. Momentaneamente a parte emocional transcende a racional, e descobrem que a humanidade/o ser, a que têm estado vetados, existe… Sentem o que é ser livre, e que com algum esforço e sacrifício até podem obter a tão desejada liberdade.

Os comentários estão fechados.