A contra propaganda contra-ataca

‘Movimentos sociais reivindicam “auditoria cidadã” à dívida’

Este cartaz, que circula pelo fb, e este título, publicado no esquerda.net, são abjectos e o mais certo é não passarem de uma manobra de pessoas contrárias ao espírito do 15O. Pelo menos, assim quero acreditar.  Tenho participado no movimento e posso desde já assegurar que foi dada a indicação para que não se colasse nenhuma propaganda por cima de outras organizações ou eventos. Este ataque ao cartaz do PCP não pode ser senão uma provocação de alguém interessado em que não exista nenhuma ponte de contacto entre esta organização e o protesto internacional.

Relativamente ao título que o BE faz, baseando-se em declarações da Paula Gil, levanta vários problemas. Em primeiro lugar porque nas declarações que cita fica claro que o único movimento a defender a auditoria, tout court, é o M12M (ver as citações da Paula Gil), o que torna o título não só falso como malicioso. Em segundo lugar porque esta é uma estratégia que conspira acima de tudo contra o BE e uma das suas aderentes mais empenhadas no 15O, o que deixa perceber porque razão o artigo não é assinado. É que se a Paula Gil e o M12M têm todo o direito de defender o que entendam em seu nome, não é menos verdade que quer a activista em causa quer o M12M têm dado uma batalha justa para que ninguém extrapole as suas competências no interior do 15O, dignidade que o BE, consciente ou inconscientemente, desrespeita.

Um e o outro caso, espero, tratam-se de mal entendidos. Se assim for o 15O deixará claro se tal provocação foi feita em seu nome e o esquerda.net não ficará à espera do desmentido para rectificar o seu título, correcção que não me admirava que também viesse a ser feita pela própria Paula Gil ou pelo M12M.

Aqui, um bom artigo da Lusa com as mesmas declarações.

Actualização: Entretanto já foi publicado um esclarecimento por parte do M12M. A ler e esperar que os “visados” tirem as devidas ilações.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

54 respostas a A contra propaganda contra-ataca

  1. andré diz:

    Quanto ao cartaz: existe muita gente por aí que não tem noção da etiqueta dos cartazes (nem politica, nem por exemplo nos concertos ou outros espetáculos)

    Quanto ao resto, ao ler as declarações eu não infiro que o M12M esteja a reinvindicar a ÚNICA autoria da defesa da auditoria…mas isto sou eu que estou na província e essas coisas passam-me ao lado…não se esqueçam que Portugal não são só os corredores do poder (e contra-poder) de Lisboa…

  2. miguel castro caldas diz:

    não sei quem pôs o cartaz, mas não é um ataque ao cartaz do pcp, porque diz: “por detrás destas máscaras existe mais que carne, por detrás destas máscaras existem ideias”. Ora por detrás daquela máscara específica está o cartaz do pcp. É preciso saber ler os cartazes no sítio onde estão.

    • Renato Teixeira diz:

      Miguel é preciso alguma poesia para chegar a isso. O pessoal do materialismo dialéctico é capaz de não ter achado grande piada à piadola. Ou deverei dizer, elogio?

      Quanto ao resto é tudo uma questão de pontaria. Eu escolheria outros alvos para o “cross-painting”, alguns dos quais bem mais interessantes de colocar em xeque.

    • Rita Natálio diz:

      Miguel, ainda bem que manténs a tua poesia. É por te ler que sigo com vontade de fazer coisas em vez de me apetecer desligar o computador e dormir 15 horas.
      Só nos resta autonomizar o pensamento para que a propaganda e a contra-propaganda não nos infernizem a vida e deixem de nos tomar por seres de plasticina.

    • Chalana diz:

      o pá, não digas disparates!

    • Vasco diz:

      Pois pois, bela conversa. O cartaz por cima do cartaz do PCP serve para o valorizar. Que bela conversa. Mas o cartaz do PCP apela à luta contra o pacto de agressão e contra o corte no subsídio de desemprego. Mas que interessa isso perante uma luta tão internacional, não é?

  3. Chalana diz:

    Renato!

    Mas qual é a dúvida sobre a partidarização do bloco em relação à manif de dia 15?
    Repara:

    Precários Inflexíveis = Bloco de Esquerda
    FERVE = Bloco de Esquerda
    UMAR = Bloco de Esquerda
    SOS Racismo = Bloco de Esquerda
    Panteras Rosa = Bloco de Esquerda
    Professores e Educadores 3R= Bloco de Esquerda

    ATTAC… bem! Aqui há uma variante: há uns anos, houve malta a sair e queixar-se da manipulação & partidarização do… Bloco de Esquerda. Bem… pensando melhor… Não há variante alguma!!

    Revista Rubra = ex-bloco de esquerda
    Socialismo Revolucionário = ex-bloco de esquerda

    Jornal Mudar de Vida= cisão da “política operária” que foi, em tempos, uma cisão da udp.. Ou seja: ex-bloco de esquerda avant la lettre!

    Marcha Mundial das Mulheres= ok! até deve ser preconceito meu, mas tem pinta de ser… Bloco de Esquerda!

    Democracia Já +Acampada de Lisboa + Indignados de Lisboa + Artistas e Públicos Indignados + Portugal Uncut + Movimento 12 de Março + Movimento GerAcções… Ufa!!!
    Mas tudo se resume, nesta constelação de siglas, à unidade difusa do bloco de esquerda + autonomistas + anarcas + estudantes e pseudo-intelectuais da FCSH, artistas oprimidos e amigos dos animais.

    OK! Nem tudo será Bloco de Esquerda: há também a salganhada que junta jovens católicos e activistas gay, Casa do Brasil, um tal de “boletim agulha” ou Alvorada Ribatejo” – seja lá o que isso for!

    Tás a ver o famoso “abraço de urso”? Já te aconteceu.
    Quanto à destruição de propaganda do PCP… infelizmente não se estranha. Os anarcas curtem bué lutar contra os “autoritários”, não é assim?

    • Renato Teixeira diz:

      Chalana a conversa soa a Déjà vu. Os activistas do BE têm participado e o seu contributo tem sido, diferenças políticas à parte, correcto. Este artigo é algo que chega completamente em sentido contrário. Assim os activistas do PCP o fizessem e se juntassem à “salganhada”. Teriam constatado, entre outras coisas, que nem só do BE vive o movimento.

      Manobras à parte, a coisa vai… e vai ser lindo!!

      Até dia 15?

    • João diz:

      Sinceramente, vir para aqui ladrar um tipo cujo contributo para a revolução é manter um blog com o único e declarado objectivo de combater o BE é , no mínimo, nojento.

  4. Chalana diz:

    tu é que já te estás a queixar, Renato… vai ser lindo, vai.

  5. João Labrincha diz:

    Óptima análise, Renato! Sempre atento!

  6. João Labrincha diz:

    E aqui está o esclarecimento do M12M: http://movimento12m.org/blog/?p=282

    • Renato Teixeira diz:

      Boa resposta que também visa o mal entendido do esquerda.net (ainda que sem o citar). Percebo as razões pelo qual não o nomeiam e se o BE perceber a simpatia reformula o texto e devolve a graça. 😉 Amanhã se verá.

      Relativamente à proposta não posso estar mais em desacordo. É que defender a auditoria sem a suspensão do pagamento é como aceitarmos que os hospitais públicos passem só a fazer diagnóstico, deixando cair o direito da cura.

      Abraço.

      • João Labrincha diz:

        O M12M defende a suspensão de pagamento enquanto a auditoria é feita.

        O JN foi referido pq foi o primeiro a lançar o artigo da Lusa. Tal como o esquerda.net, outros órgãos veicularam a notícia manipulada depois disso.

        Mas é totalmente compreensível a tua indignação face ao caso específico do BE/esquerda.net, também eu fiquei perplexo!

        • Renato Teixeira diz:

          João, então há um problema de comunicação e só tem passado a primeira parte da proposta.

          De tal forma se está a colocar o cenário (económico mas também político) que o mais justo até começa a ser a defesa da anulação da dívida.

          Por um lado a banca e o sistema financeiro continua a acumular juros indevidos, por outro os Estados continuam a esconder (e assim a proteger) as contas da falcatrua.

  7. Augusto diz:

    Mas afinal onde quer chegar Renato Teixeira,,,,
    Alguem colou um cartaz , por cima de um de propaganda do PCP, só quem não anda por Lisboa ignora, que os cartazes do BE e do PCP são diariamente vandalizados por tudo o que é festa de estudantes, de associações , de empresas de mudanças, de cantores pimba., etc etc .

    Por exemplo um cartaz do Bloco em frente á estação de Massamá foi vandalizado por um da Festa do Avante e esta…..

    Vamos a coisas mais sérias, há quem tente por todos os meios boicotar a manifestação de sabado, essa é a grande realidade, e há aqueles que estão de alma e coração com ela.

    O Renato uma vez mais está a acertar ao lado do alvo, devia preocupar-se em desmontar os argumentos , daqueles que entendem ser unitário e tão só, aquilo que eles organizam e CONTROLAM.

    Aliás acho perfeitamente ridiculo , que alguem, sugira que uma serie de associações sejam meras correias de transmissão de determinado partido, e que por isso a manifestação do próximo sabado, seria, digamos, uma manipulação.

    Mas vindo de onde vem, nada me admira…..

    Aliás a proposito de associações unitarias, a começar pelos sindicatos muito haveria para discutir, como evitar por exemplo que esse tipo de estruturas sejam uma mera correia de transmissão de objectivos partidários?

    • Renato Teixeira diz:

      releia augusto. Vai ver que não dói nada.

    • Chalana diz:

      Augusto:

      Que os adesivos/apoiantes do BE$ sejam a maioria dos manifestantes do dia 15 – a mim não me faz espécie nenhuma! É pá! Tomara eu que tivesse sido o BE$ e não o Partido dos Animais a eleger 1 deputado na Madeira.

      Mas não deixa de ser curioso como os meninos e meninas que passam a vida a berrar contra o “controleirismo do PCP”, fiquem agora tão nervosos quando se aponta – e ninguém foi capaz de desmentir a hegemonia do BE$ nos movimentos sociais citados – a influência “grande” – chamemos-lhe assim – dos bloquistas na manif do dia 15.

      2 pesos e 2 medidas…? Certo!

    • Chalana diz:

      O Sr. Augusto falha redondamente o alvo.
      Explico porquê (e sem as suas meias palavras):

      a) A CGTP tem 700.000 trabalhadores sindicalizados. A maioria dos sindicatos da CGTP têm na sua direcção comunistas eleitos pela base sindicalizada. Repare: a maioria dos 700.000 trabalhadores sindicalizados na CGTP, em eleições livres, elege delegados e dirigentes sindicais comunistas – que não lhes escondem as suas propostas e programas.

      b) Tomemos o exemplo fos “Precários Inflexíveis”… Quantos são? 7? 70? 700 não chegam a ser… Aí temos uma organização que não representa nada, senão os seus próprios mentores – os jovens adesivos do bloco.

      c) consegue ver a diferença entre organizações de massas representativas, com tradição de combate onde, pelo seu inquebratável espírito de luta os comunistas ganharam a confiança dos seus camaradas de “fábrica”, dos movimentos sociais artificalmente criados por 1 partido que se serve deles como “correia de transmissão”? Leia a prova: http://anti-trollurbano.blogspot.com/2008/07/deixemo-nos-de-brincar-aos-movimentos.html

    • Vasco diz:

      Correia de transmissão? Ao contrário de outros movimentos, muito “novos” e muito “limpos”, os sindicatos têm as suas direcções ELEITAS pelos trabalhadores, que sabem muito bem em que estão a votar. Se votam nos comunistas é porque lhes reconhecem a audácia, a coragem e a coerência de se baterem pelos direitos dos trabalhadores. Sem os comunistas nestas estruturas poderia acontecer o que sucedeu noutros pontos da Europa – os sindicatos passaram a ser, aí sim, «correias de transmissão» da social-democracia e os trabalhadores perderam importantes combates. Mas podemos ir por aí, pelos movimentos que pretendem representar camadas e sectores que não os elegerem nem tão-pouco os conhecem e que partem para a luta (para além de tarde, mas como diz o outro mais vale tarde que nunca) do zero, como se não tivessem atrás de si anos e anos de lutas travadas, vitórias e derrotas, mas sobretudo lições. Não as querem? Pior para eles. E para todos nós.

  8. anon diz:

    Eu vou participar no 15 de Outubro mas estou cada vez mais céptico com a coisa sinceramente. É que este filme já eu vi muitas vezes, e olhando para quem anda a organizar isto já sei o que esperar.
    Enfim, venham de lá as teatradas e o circo, o espirito verdadeiramente combativo fica em casa, ou se por acaso ocorrerem incidentes já sabemos de quem podemos esperar as demarcações, deja-vu de Natos, OSCE’s, etc.

  9. Vasco diz:

    MISERÁVEL ataque a um cartaz do PCP. Quem foi, não sei, mas não se faz.

    Quanto ao resto: a luta será longa, quem sabe longuíssima e não há soluções fáceis ao virar da esquina. Só unidos e ORGANIZADOS poderemos vencer o pacto de agressão e transformar Portugal…

    • Anónimo diz:

      mas compreende também q não se pode ficar refém de agendas políticas marcadas pl comissão de festas:
      e só p citar 3 exemplos recentes,
      – comício marcado p o mesmo dia da manif 12 março______ pq o pcp fazia anos.
      – manif da cgtp marcada p 1 de outubro________________pq a cgtp fazia anos.
      – inauguração sede sind professores na madeira ao lado de jardim em plena campanha eleitoral_________pq sindicato professores fazia anos.

      chiça n há nada p o s. martinho?

      • JMJ diz:

        7 de Novembro há a revolução Russa.
        15 de Novembro – 50 anos do assassinato de Candido Capilé, nas manifestações e greves em Almada
        19 de Dezembro – 50 anos do assassinato de José Dias Coelho (“a morte saiu à rua”, já ouviu falar?)
        1 de Janeiro – Revolução Cubana.

        Como se vê, a luta dos povos (fez-se e) faz-se todos os dias… e não nasceu com a internet.

      • Vasco diz:

        Ao menos há quem tenha história atrás de si e aniversários para comemorar. No caso dos 90 anos do PCP, foram e são nove décadas de luta ininterrupta contra o fascismo, pela democracia e o socialismo. Com todo o respeito, não foram os promotores do 15-O que passaram 10, 15 e 20 anos nas prisões ou que foram assassinados no Tarrafal. Quanto aos 40 da CGTP, tratam-se de quatro décadas sobre a formação, CLANDESTINA, de uma estrutura intersindical, de coordenação da luta dos trabalhadores em pleno fascismo, que veio à luz do dia com toda a força no 1.º de Maio de 1974.

        Nada contra os novos movimentos, mas um pouco de modéstia não lhes fazia mal. Se apareceram agora (e bem-vindos sejam) é porque antes de vocês muitos outros lutaram e resistiram. Mais respeitinho, s.f.f.

  10. Anónimo diz:

    onde está o grande crime? valha que não foi em cima de um cartaz da nossa senhora que quando tal haveria risco de excomunhão.
    quando da manifestação do 12 de março vi com estes dois que a terra há-de comer muitos cartazes do pcp, não um, muitos, colados em cima de cartazes ou papéis que apelavam à participação na manifestação. o que diziam esses cartazes? apelavam por sua vez a um comício com o jerónimo de sousa, marcado exatamente para a mesma data e hora da manifestação do 12 de março ….mas longe do local da manifestação não fosse o contágio dar-se. pcp mais uma vez ao lado dos trabalhadores e do povo, muito ao lado.

    • Chalana diz:

      Anónimo:

      Calha bem que, em Lisboa, o PCP (tal como o bloco) tem os seus espaços de propaganda legalmente atribuídos. Talvez se tenha dado o caso de terem colado cartazes em espaço atribuídos ao PCP – nunca o inverso!

      Quanto à “teorias da conspiração”… ó pá! boa noite! Sim?
      E dá-te ao trabalho de consultares a documentação e declarações dos dirigentes do Partido antes de mandares o 1º bitaite que faz flash na cabecinha, que é pra não passares muito, muito, ao lado!

    • A.Silva diz:

      fosga-se, há gente mesmo retorcida, lololol

    • rafael diz:

      o pcp esteve representado na manif de 12 de março em Lx, com uma delegação (não sei se oficial ou oficiosa, mas com a presença de vários deputados) de cerca de 200 pessoas. Se isso é estar muito ao lado no sentido que lhe atribui, eu vou ali e já venho…

      • Renato Teixeira diz:

        200 em 200 mil, sem participação organizativa é muito pouco Rafael. O PCP, assim quisesse, teria bem mais a dar ao movimento. Abraço.

        • rafael diz:

          Meu caro amigo, em nome pessoal e sem ter sequer discutido isto dentro dos orgãos proprios do partido, e logo, não tendo noção do que é opinião do colectivo partidário digo-te que eu vejo com algumas reservas tanto a manif do 12 M como a do 15O. Não tanto por o que elas têm ou demonstram (apesar de haverem pontos que me parecem claramente fora de contexto e generalizadores), nem por quem a organiza (apesar de ter uma esclarecida e desconfiada opinião sobre alguns pretensos movimentos basistas ou assemblários) mas sim por não ter uma perspectiva clara do que se podem tornar (se é que têm sentido de evolução/ organização). Nesse sentido,vou estar no 15O mas porque acho apenas importante que sejam dados todos os sinais a este Governo que a luta social e económica está na rua. Quanto à luta politica creio que ainda temos muito trabalho de mobilização e esclarecimento para fazer para que as manifs sejam um crescendo de consciencialização e não meras panelas de escape do sistema.
          Um abraço e só não nos vemos no dia 15 pq vou estar no Porto

          • Renato Teixeira diz:

            Então vamos estar juntos. Tenho bastante acordo com o que dizes, mas a batalha por tudo isso tem que ser dada com as contradições que existem, não com as que idealizados. Abraço.

  11. Von diz:

    Pá, se formos reagir e confrontar todos os pecadilhos em cada esquina, não fica tempo para mais nada.

  12. Fernando Pereira diz:

    Renato, apesar de cada vez te achar menos piada, por já teres perdido aquela novidade de quem revoluciona o mundo na ponta dos dedos, confesso que me intriga algo…

    A entrevista e a consequente notícia foi divulgada amplamente e com títulos bastante diferenciados. Falando em “Movimentos Sociais propõem auditoria…”, ou “Indignados propõem …” ou “Movimentos Sociais propõem…”, etc.

    Se fosse eu, diria obviamente que a confusão lançada na entrevista se deve a que o M12M, parece-me, até com razão, quer ganhar esse terreno socialmente e na Assmbleia Popular. Para isso, nada melhor do que antecipadamente falar e ganhar esse tema do ponto de vista social, nos media. Tenho a certeza absoluta que um militante experiente como tu, também farias isso, quero dizer, acharias isso (desculpa a imprecisão).

    Mas intriga-me que tu, revolucionário quase-experimentado, prefiras continuar a atacar o BE (de quem, devagarinho, vais começando a dizer coisinhas diferentes), e tenhas escolhido baixar o teu cavalinho sobre esta discussão com o M12M, e portanto, aceitando a derrota à partida sobre este tema.

    Colocada a centralidade política na necessidade da auditoria cidadã à dívida, e não no não-pagamento, então, dá ideia que, derrotado numa das tuas ideias essenciais de combate à crise e à finança, te diriges ao BE é uma espécie de saco de pancada.

    Porque de facto, nos media, o BE pouco disputa sobre espaços de comunicação, mesmo que fosse muito manhoso e cínico na forma como destorce a informação, porque diga-se de passagem, o esquerda.net não chega do ponto de vista de leitores, nem aos calcanhares de público do Correio da Manhã, qt mais do Público, DN ou Expresso. Ainda assim, a tua escolha foi: direito ao BE bater no ceguinho ao mesmo tempo que defendes um bom esclarecimento do M12M.

    🙂 Explica lá: achas mesmo que é tudo ingenuidade do outro lado, ou preferes aceitar essa derrota para continuares a ter o teu palco para o teu megafone ruidoso?

    Um abraço fraterno e com muitas saudades

    • Renato Teixeira diz:

      Caro que afinal não mudou assim tanto, o esquerda.net tem mais informação para não errar do que qualquer um dos meios que citas. O M12M faz a sua agenda. Concorde-se ou não. Não fazem todos? O BE mentiu. Parece-me bem mais simples do que saudades de crocodilo. Até dia 15. Lá terás que levar comigo ao megafone. É a vida.

  13. Leonardo Silva diz:

    Tanta discussão estéril e ódios de estimação…
    O que me faz confusão é ainda não ter havido um apoio claro da CGTP ao 15 de Outubro, pelo menos a interjovem. Nos EUA o apoio de vários sindicatos está a dar uma maior expressão e significado à luta, não será no meio desta gente que protesta que se deve fazer o futuro dos sindicatos, perceber as preocupações desta gente?

    O PCP e o Bloco também deviam fazê-lo tal como outros partidos que partilhem das reivindicações.

    Agora se o grupo de amigos do chinquilho tem gente do pc, do bloco ou é dissidente de algum são discussões de pouco relevo perante aquilo que se pretende, é que o trabalho de contra informação nos média já é mais que suficiente.

    O facto de uma pessoa de qualquer dos movimentos ser militante do PC, do Bloco ou de outro saco de gatos pouco me interessa, apenas quero saber o que faz, como o faz e o que defende nos movimentos em que actua.

    Estou farto do discurso apartidário, além do mais muito desse discurso é fascistóide!
    Ninguém tem mais ou menos autoridade por ser militante de um partido. Estou farto dos puros e dos puristas. Em França e em Espanha as pessoas levam as bandeiras dos seus partidos e movimentos com orgulho, misturam-se e convivem pela mesma causa, não há quem lhes diga em que parte da manifestação devem de ir nem com quem, não existem os medos de “contaminação” cá do burgo.

    • Burguês Simpático diz:

      uff…!!! Alguém meteu os putos na ordem! Este string de comentários recorda-me o passado. Parece que, para ser de esquerda, é preciso saber lutar da lama e obrigatório aprender, desde cedo, o truque porco do dedo no cu!

      Com esta esquerda a vitória (da direita) é certa!

      Cumps.

    • JMJ diz:

      e Eu ainda estou para ver o apoio do 15 de Outubro à luta dos trabalhadores da TNC; da Transtejo e Soflusa; dos Enfermeiros; dos trabalhadores da administração local; da CP; etc., etc., etc…..

      • Burguês Simpático diz:

        Pois… a Sorefame e a Lisnave…
        JMJ só respondo porque saltou lama. Essa esquerda subsidiária de classe é racista. Não une, desculpe lá este dedo maroto.

  14. Pingback: BE rectifica – The inestimable power do 5dias | cinco dias

Os comentários estão fechados.