Mais velhos discos de cabeceira

Clash, Tom Robinson Band, Stranglers

Does it rings a bell?

 

 

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged . Bookmark the permalink.

8 respostas a Mais velhos discos de cabeceira

  1. Vitor Ribeiro diz:

    …lot’s of bells.

  2. The Clash e Tom Robinson Band foram parte importante do soundtrack da minha juventude. Ainda hoje quero ter um Grey Cortina a pala desse álbum. Quantos aos The Clash é melhor nem começar, senão nunca mais daqui saio!

  3. Von diz:

    Ouço-os, aos 3, com devoção e quase todos os meses.

    • paulogranjo diz:

      Ò Von… Não me dê cabo da imagem!

      (Brincando, né?)

      • Von diz:

        Com estes discos não se brinca. Power in the darkness, é talvez a melhor canção de protesto que foi escrita.

        • Von diz:

          E a estes 3, eu juntaria ainda Sandinista e London Calling dos Clash, Fresh Fruit for Rotting Vegetables dos Dead Kennedys e Plebe Rude com Nunca Fomos tão Brasileiros (http://www.youtube.com/watch?v=xCnoCp_1Zs8).

          Já agora, ainda no espírito, mas muito mais recente, Pennywise com Land of the Free?, com o seu Fuck Authority

        • paulogranjo diz:

          Pois eu sou mais de considerar que com tudo se brinca e com tudo se pode (por vezes, deve) brincar. Sobretudo, quando se trata de coisas importantes e significativas para nós.
          Quando recusamos isso a nós próprios ou aos outros costumamos tornar-nos, não apenas chatos, mas perigosos.
          Saravá!

Os comentários estão fechados.