A música que continua a correr pelo sul, apesar do norte

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

14 respostas a A música que continua a correr pelo sul, apesar do norte

  1. Gentleman diz:

    Interessante que o Carlos Vidal tenha agora optado por desligar a possibilidade de comentar os dois mais recentes artigos. O contraditório fica, assim, anulado. Aonde é que já vimos isto?

    P.S. Gostei da canção de Mercedes Sosa

    • Helena Borges diz:

      A opção do Carlos é legítima, facultada pelo blogue, e terá a sua razão. Pode acusar-se o Carlos de muitas coisas – boas, sobretudo –, mas não de temer o contraditório.

      (Se o gosto é sincero, há uma réstia de esperança na tua conversão.)

      • José diz:

        Escolher os contraditores, afastando quem não se gosta, não parece ser das actuações mais temerárias, Helena.

        • De diz:

          Quais contraditores quais carapuça.
          Qual temeridade qual quê

          Carlos Vidal tem o inalienável direito de fechar os comentários aos seus posts.Tanto mais que alguns destes se revestem apenas de conteúdos provocatórios para distrair do essencial
          Este José sabe do que eu falo.Eu sei que ele sabe e todos sabemos do que falamos.

          Vidal assume de caras o seu apoio a uma frase “lapidar”.
          Ponto final parágrafo.Ter que aturar os abutres armados em púdicas vestais é algo que ele não está disposto.Não aturar isto ou não aturar qualquer outra coisa mais que ele assim o entenda.É da sua exclusiva liberdade

          Aparecer agora este José armado em criancinha birrenta e a colocar em causa a “temeridade” de Carlos Vidal não é só uma criancice
          É uma provocação

          Geralmente passa-se de lado a tal tipo de atitudes
          Mas eu ainda não tenho o traquejo suficiente para o fazer

          Peço desculpa pela intromissão minha cara Helena
          Eu sei que tem muito mais jeito que eu para este tipo de coisas.E também por isso a admiro

    • Carlos Vidal diz:

      Cavalheiro, começo a não gostar de linguagice.

      • Carlos Vidal diz:

        De, percebeu mais do que o suficiente: a frase de Ahmadinejad é clara e eu apoio-a!
        Dito, escrito, feito.
        E já aqui escrevi que não concordo com a existência do estado de apartheid, étnico, fascista e militar (de ocupação) chamado Israel.
        Nada mais a dizer nem a debater (muito menos com o Gentleman ou o José ou outro qualquer anónimo ou o que quer que seja).

        • José diz:

          Anónimo como o De…
          lol
          Há muito que não lhe ligo ou respondo, CV: seria dar importância a quem a não tem, seria caucionar quem, num blog de impecáveis referências pluralistas e de liberdade de comentário, adopta políticas de censura, políticas a quem alguns chamaria pidescas, outros próprias da KGB, enfim, totalitárias.
          A evidente qualidade de alguns dos seus posts não apagam esses defeitos de carácter.
          Não debate, porque há muito que lhe deixei de responder, CV…
          Percebe agora, Helena?

          • De diz:

            Hmmm
            José?
            De beca vestida a mostrar que…?

            Mas gostei de alguém que diz que este blog tem impecáveis referências pluralistas…
            alguém esse que há poucochito dizia que é ” a vertente museológica que fascina na visita a este blog.”

            Lolol

            Sem comentários adicionais para caracterizar tal enredo.

            Dois comentários finais
            Essa das políticas de censura é um pouco como aquele outro que nem sequer sabia o que era o comunismo….lembra-se?
            Este último era um ignorante(lembra-se de quem era?).
            O que fala em censura com aquele palavreado tonto, é também um ignorante.
            Censura só mesmo quem autoriza os comentários…de modo que a censura deve ser mais um artifício linguístico próprio de um causídico assim um pouco…hum,desculpe o termo…”manhoso”?

            Quanto à qualificação de pidesco..há aqui algum desespero não acha?
            É que eu não gosto de utilizar tal vocabulário debalde.Nem a este José o aplico.
            Mas registo.
            E para além de evidenciar uma notória pobreza de conteúdo e de desnorte…revela também o tal carácter com que José enche a boca

            Mas não fique amuado se não lhe responderem
            Eu sei que o umbigo é do tamanho do verniz dos seus sapatos de baile….mas não vale a pena
            Tal como o José
            Certo?
            Certo!

          • Tiago Vasconcelos diz:

            Se criássemos uma medida chamada “densidade de ideias”, o De tinha dos coeficientes mais baixos. O De é um perito em escrever muito e dizer pouco. O seu vazio de ideias torna a leitura dos seus comentários uma tarefa penosa.

          • De diz:

            Coeficiente de ideias?
            Hummm

            Para um adepto das grandes empresas de construção civil qualquer tarefa que saia da rotina torna-se penosa

            Compreende-se
            Esforce-se
            Ou não leia
            Valeu?

  2. martinez diz:

    mercedes és ùnica!
    jà agora a Cathy Barberian…bom, comento?
    Un mot:
    GENIAL !!!!!!!!!!
    Va Paris est sous la pluie et les voix, les corps de ces femmes chantent la vie
    et l’humour de cathy est un régal!
    abraço,
    LM

Os comentários estão fechados.