Uma gota no oceano

Começou Setembro e começaram os telejornais sobre as torres, sobre os aviões contra as torres; sobre os homens que saltaram das torres, sobre os homens que juntaram os bocados dos homens que saltaram das torres; sobre o pastor-alemão-português que farejou as ruínas das torres, sobre o pivô-português que fareja a torre que nasce das ruínas das torres.

Para depois do telejornal, a SIC Notícias prometia o 11 de Setembro visto pela Al-Qaeda. Apanhei-o a meio, falava a viúva de um membro importante da organização. Dizia que, perante as vítimas muçulmanas dos anos que passam, as vítimas do atentado de 2011 são uma gota no oceano, uma gota no oceano. Na guerra entre o Oriente e o Ocidente ou entre o Ocidente e o Oriente, tinha a vitória prometida por Deus e a derrota prometida por Bush.

Durante a entrevista, a viúva agarrava-se ao Alcorão. Fez-me lembrar os que (só) se agarram às torres, aos aviões contra as torres; aos homens que saltaram das torres, aos homens que juntaram os bocados dos homens que saltaram das torres; ao pastor-alemão-português que farejou as ruínas das torres, ao pivô-português que fareja a torre que nasce das ruínas das torres. Soldadinhos de chumbo.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

15 respostas a Uma gota no oceano

  1. Pedro Penilo diz:

    Vivemos num mundo violento – todos os dias, todos os minutos violento. Todos os dias o mundo se acaba para alguém. Não se pode viver pensando sempre nisso. Não se pode mudar o mundo ignorando isso.

    Na razão porque os mortos estão mortos se trava a luta para acabar com o capitalismo e a sua barbárie.

    • Helena Borges diz:

      As imagens dos aviões contra as torres de Nova Iorque angustiam, como poderiam angustiar as imagens das bombas contra as casas de Cabul. Mais bárbaro do que matar inocentes é admitir que uns inocentes sejam mais inocentes do que outros. Uns são gente e outros são danos colaterais.

      • Bolota diz:

        Nem mais,

        Já agora:
        Como é que se invade o Iraque sob elementos valsas e está tudo bem…
        Como é que o avião que embate no Pentagno mede 13 metros de frente e o buraco é de 6 metros
        Como é que o avião cujos tripulantes enfreitam os suposto bandidos cai e não hávestigios de vitimas , apenas uma pequena cratera ficou??

        Não sou de alinhar en teorias mas que a historia está mal contada isso é mais que evidente. Até a morte de Bin Laden és de uma hipocrisia total.

        E assim se vai destroindo o que o mundo tem de bom as suas gentes e costumes.

        • Helena Borges diz:

          E como contar a história do atentado sem explicar quem são os tais dos talibãs e como ascenderam ao poder?

          • Bolota diz:

            Helena,

            Quem são os tais dos talibãs? ?Eu percebo…quem são até ao momento em que deixaram de ser o braço armado dos USA na guerra do Afagnestão contra os Russos que acabaram por derrotar – A partir daí…sabias que a America está alerta e preparada para um atentado premeditado pelos talibãs??? Mas a porra é como dizes, como se promove um atentado não existindo???

      • Sassmine diz:

        e é aí, e todo aí, que reside o busílis. viste aquele cartaz que dizia “your 9/11 is our 24/7, sincerely, Palestine”? tudo dito.

  2. Dinada diz:

    Cara Helena,
    Sem demagogia, esta foto poderia ser de uma mulher de um qualquer talibã depois de lhe ser aplicado o devido castigo por se ter recusado a usar a burqa.

    Infelizmente, milhares, milhões de mulheres vivem ainda essa terrível opressão, não só dos talibãs mas de todos os radicalistas islâmicos…

    Um àparte, enfim!

    • Helena Borges diz:

      Cara Dinada, também sem demagogia: esta menina não precisou de fazer-se mulher para sofrer um indevido castigo que não foi um castigo talibã.

    • Pedro Penilo diz:

      Dinada

      A menina foi “salva” do radicalismo islâmico. Deve estar felicíssima. Tenha vergonha!

      • Dinada diz:

        Esse tipo de comentário mostra uma flexibilidade democrática notável, meu caro!

        E foi o senhor que ao meu comentário o assunto “salvamento” , já que eu fiz questão de ‘saltar de tema’!!!

        Não tenho vergonha, veja lá!

  3. De diz:

    Excelente comentário..E excelente post

  4. Dylan diz:

    ” perante as vítimas muçulmanas dos anos que passam, as vítimas do atentado de 2011 são uma gota no oceano, uma gota no oceano”.

    Reparei que pegou nessa expressão para aproveitar à sua prosa. Coincidência…
    Nessa guerra entre o “Ocidente e o Oriente”, são sempre os primeiros a originar as vítimas muçulmanas?

    • Helena Borges diz:

      A ideia é da viúva, sim. A guerra existe, e mais do que cruzada islamófoba é sede de controlo dos recursos orientais pelas potências ocidentais. Não há coincidências.

      Originar vítimas muçulmanas é matar muçulmanos? Os muçulmanos matam muçulmanos como os cristãos matam cristãos.

Os comentários estão fechados.