A carta às esquerdas de Boaventura

Num artigo da “Visão” muito replicado nas redes sociais, Boaventura Sousa Santos elabora uma bela prosa-manifesto sob o título “Carta às esquerdas”. O seu conteúdo tem a qualidade de poder inscrever diferentes quadrantes políticos e espoletar interessantes conferências e reflexões, potencialmente patrocinadas por distintas fundações e multinacionais. Sintetizando, tem mercado.

Continua…

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged . Bookmark the permalink.

20 Respostas a A carta às esquerdas de Boaventura

  1. Carlos Carapeto diz:

    O homem se tem soluções que as apresente. Nem sequer precisa vir lembrar que tudo está mal para quem trabalha. Sentimos isso.

    Se B S Santos tivesse lido António Aleixo poupava-nos deste parlapié.

    Que isto vai mal dizemos
    E vai de mal a pior
    Afinal o que fazemos
    Para que tudo melhore?

    Como catavento, não é de esperar melhor sermão.

    Não foi este Senhor que em tempos dirigiu uma carta aberta com um discurso verrinoso a Carvalho da Silva, ?

    Agora tem a lata de propor a unidade? Só para se promover a ele.

  2. Augusto diz:

    Sintetizando tem mercado…

    Outros como o seu amigo ( e correlegionário….será?) António Figueira , estão no mercado, como qualquer jogador de futebol, a ver quem dá mais.

    Neste caso foi o Relvas.

    • Tiago Mota Saraiva diz:

      Augusto, queira saber que não lhe aprovo mais nenhum comentário deste teor. Publico-o apenas para demonstrar a debilidade mental e política de alguns comentadores que escrevem dizendo-se “de esquerda”. Se, para mim, alguns dos nossos comentadores fascistas que se dizem apoiantes do PS não são mais do gente de esquerda a fingir-se do PS, comentários como o seu parecem-me exactamente o contrário. Passe bem (ou mal… será?).

  3. tric diz:

    é o mesmo que há pouco tempo atrás afirmava que ” Zapatero era o Farol da Europa”…já agora qual é o modelo económico do Partido Comunistas Português?? é o Chinês, é o de Cuba?

    • miguel cunha diz:

      é o português! Fazias melhor em tirar as palas e poupares um comentário idiota. Irra que já não há pachorra!

      • tric diz:

        aquele de ocupar as empresas e as terras!!???? que levaram à
        destruição económica de Portugal no pos-25 de Abril!!!??? e cujas consequencias estamos todos ainda a pagar…é de loucos!!!

  4. Tiago,

    Não se trata de ter mercado, nem de ser fofinho. Trata-se do momento histórico que atravessamos. Ou nos unimos do PS ao MRPP ou num futuro não muito longínquo não passaremos de residuais. Já tive o meu momento Aires Rodrigues/Carmelinda Pereira. Isto passa … ;-)

    • Tiago Mota Saraiva diz:

      Fernando, passaríamos a administrar interesses absolutamente contraditórios. Para quê? Diga-me um país em que tenha funcionado. Temos é de trabalhar por aqui: http://www.publico.pt/Pol%C3%ADtica/be-e-pcp-assumem-convergencia-e-dialogo_1488949

      • Tiago, não se pode falar de esquerda excluindo o PS. Num primeiro momento a convergência BE e PCP será a mais natural. Mas acredita que a esquerda sem o PS dispõe de força eleitoral suficiente? Meter todo o PS no saco da social-democracia também me parece redutor. Concordará que existe gente com ideias de esquerda entre os socialistas. IMHO cumpre-nos puxar o PS à esquerda e não marginalizá-lo neste processo, como se tivesse peçonha. E esquecer ódios antigos. Um momento posterior desta crise pedirá unidade e não divisão. Mas isto sou eu a pensar …

        • Tiago Mota Saraiva diz:

          Fernando, estou em total desacordo. Não se pode falar de esquerda com o PS. Mas o PS a que me refiro são os seus dirigentes e não quem vota ou apoia. Estamos a falar de gente diametralmente diferente. A maioria dos dirigentes do PS não me merece qualquer confiança. Seria gente, que traria ruído e trairia a coligação à primeira cenoura de um Amorim qualquer.

  5. Picamiolos diz:

    Este, é como aquele xuxalista que foi á universidade de verão do PSD !
    A coerência política desta gente é feita de plasticina !

  6. esquerda4ever diz:

    então que sugere o tiago que as esquerdas façam? e que é isso do um novo sistem politico?

  7. Homem de Esquerda diz:

    Aqui vai uma reportagem que acompanha um grupo de turistas franceses em visita à Coreia do Norte. Para quem tem dúvidas…
    http://dai.ly/otPugm

  8. Revolucionário diz:

    Só num país 30 anos atrasado em termos de ideias, um sociólogo como BSS logra tamanha atenção.
    Reparem bem no que ele escreve e diz: é tudo tão redondo, tão politicamente correcto, tão decalcado na velha vulgata do marxismo cultural.

    Deviam deixar o homem bem sossegado na vala comum da história. Faz lembrar aquele filme com a Nicole Kidman ( The Others)….está morto mas ainda não percebeu que está.

    E sim, tem mercado…a moda retro tem algum significado… o saudosismo vende bem, especialmente no Canal Memória, ou na M80.

  9. closer diz:

    Caro Tiago

    Não acha que é tempo da esquerda toda repensar a sua estratégia, para deixar de ser puramente defensiva? Eu acho que as relações entre o PCP e o BE estão substancialmente melhores do que há um ano atrás, mas parece-me pouco. É preciso mais qualquer coisa, não só entre estes dois partidos, mas com muitos socialistas (não os troikistas, claro), com outros pequenos partidos e com os movimentos sociais emergentes.

    Não me revejo totalmente no artigo do Boaventura e, a própria pessoa, merece-me algumas reservas. Mas tem pelo menos o mérito de querer agitar as águas, de tentar implicar o conjunto das forças de esquerda nas tarefas de repensar a contextura presente e a reagir de acordo com ela.

    Há uma coisa que me preocupa e que deve preocupar todas as pessoas de esquerda. A direita mais reaccionária está no poder. Fará um mandato de 4 anos e depois poderá perder as eleições. Seguir-se-á, nessa altura ou depois, o PS, no rotativismo pantanoso central que existe desde 1976. E nós? Continuaremos a protestar nas ruas, nas redes sociais, a lançar farpas no parlamento e a ganhar algumas autarquias. Quando é que vai chegar a altura de irmos para o poder e aplicarmos políticas de esquerda? Estaremos à espera (os mais optimistas dirão a preparar) da revolução?

    Vamos continuar presos a purismos de natureza ideológica (todos nós, comunistas, bloquistas e outros)? Vamos continuar com as grandes tiradas do Louçã no parlamento, ou os grandes comícios de Jerónimo na festa do Avante que são muito justos, mas que nada mudam?

    Quando é que a esquerda vai deixar de ter uma estratégia puramente defensiva e passa ao ataque? Defendemos, justamente, os serviços públicos; defendemos, justamente, os salários e o roubo do subsídio de Natal; defendemos, justamente o trabalho com direitos. E quando é que passamos ao ataque? Quando é que começamos a lutar não para que as coisas não piorem, mas para que as coisas melhorem?

  10. Revolucionário diz:

    “Quando é que começamos a lutar não para que as coisas não piorem, mas para que as coisas melhorem?”

    Como sói dizer-se: de boas intenções está o inferno cheio.
    É espantoso que, após os monumentais falhanços ( e o seu cortejo de repressão, genocídio e miséria), ainda haja quem acredite que é desta vez que a utopia não descamba na distopia. Isto diz muito de quem assim escreve…diz, sobretudo, de uma enorme arrogância, da crença despudorada e inabalável de que o sujeito é a plenitude da história, de que é ele o Messias, dotado de virtudes que nenhum dos que o antecederam e tentaram, possuiram.

    Típica do pensamento adolescente, esta crença de que é melhor do que os outros, de que os outros não eram capazes, de que basta partir candeeiros e gesticular farroncas para “mudar o mundo”.
    É típica também esta mania de classificar a preto e branco…nós, os bons, os progressistas, os iluminados, os do lado certo, os cheirosos, eles, os “reaccionários”, os maus.

    No fim de tudo o Complexo de Peter Pan, a recusa de crescer e entender…

    • closer diz:

      Meu caro revolucionário, ou, talvez, reaccionário.

      Se me quiser dedicar à psicanálise de mercearia, encontrarei meios mais adequados e bem humorados do que o comentário que fez ao meu comentário

Os comentários estão fechados