Para o socratino de ouro

O Valupi sempre me divertiu. Escreve bem. É inteligente. Gosta apenas de torcer a realidade. No seu último post sobre o 5 dias. Tem a seguinte conclusão: se eu sou jornalista e não gosto do capitalismo, só me resta mendigar ou trabalhar no Avante. Sem desprimor, para hipótese de um dia ter de mendigar, dado os geniais governos do engenheiro Sócrates e do apoderado Passos Coelho, eu defendo que um jornalista pode e deve exercer a sua profissão, mesmo que se oponha à forma como funciona esta sociedade. Nunca deixarei de defender as minhas ideias e pretendo viver do meu trabalho. Simples, como se vê. Sobre o processo Freeeport, o diploma do Sócrates, o processo da Cova da Beira, as casinhas da Guarda, acho normal os jornalistas investigarem esses casos. Estou completamente de acordo com as perguntas que os magistrados do caso Freeport tentaram fazer ao primeiro ministro, e que infelizmente ficaram sem resposta. E subscrevo a opinião de um membro do Conselho Superior do Ministério Público, colega de Sócrates no governo de Guterres, que escreveu que se devia ter constituído arguido o antigo primeiro ministro no caso Freeport para que fosse apurada a verdade.

Sobre Nuno Ramos de Almeida

TERÇA | Nuno Ramos de Almeida
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

46 Responses to Para o socratino de ouro

Os comentários estão fechados.