A esquerda produções fictícias

O Daniel resolveu insultar toda a gente do 5 dias repegando as teses do seu novo guru, o Ferreira Fernandes. É muito fácil insultar o Daniel distorcendo as suas ideias, resumindo a sua carreira profissional e até amplificando a sua deriva política. Apesar de ter deixado hoje de ser amigo dele não o vou fazer.

Sobre Nuno Ramos de Almeida

TERÇA | Nuno Ramos de Almeida
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

42 Respostas a A esquerda produções fictícias

  1. É interessante como os insultos diários (muitos deles abjectos) a mim dirigidos aqui te pareceram sempre naturais e encarados com um sorriso. Quanto à amizade, não é assunto que trate em publico.

    • Nuno Ramos de Almeida diz:

      Deves estar a gozar se acho bem quando te insultam. Mas pelos menos não vais dizer que te insulto. O mesmo não se pode dizer de ti. Não pretendo conversar mais contigo. Por mim, o assunto está encerrado.

      • De diz:

        Nuno Ramos de Almeida:
        Posso?
        Uma excelente resposta ao Daniel.
        (…e continuar mais com isto é um desperdício de tempo e de energia).

    • Carlos Vidal diz:

      Estou certo que este oliveira nada trata nem tratará em público.
      Trata tudo desde a cadeirinha da Impresa, onde, como diz um leitor aqui, saltita, saltita, como quem vai amanhã aplicar um golpe de estado em Obama e no mundo.

  2. Pisca diz:

    O Danielzinho, aquele dos pulinhos na cadeira, nem com um pano encharcado no frontespicio (a.k.a trombas), merece

    É um refeirito a fazer de conta, assalariado para dar “ares” de esquerda na Impresa, fica sempre bem, ainda ou vou ver a fazer a Tertulia cor de Rosa, assim lhe paguem

  3. António Figueira diz:

    Nuno,
    Amizade não comento, nem sequer conheço o DO.
    Que encerres o assunto acho muito bem: o texto do DO é tão estúpido que não merece resposta.
    Abraço, AF

    • LAM diz:

      Tenho seguido o assunto com um interesse relativo. Para além do “caso em si” tem sido mais curioso assistir aos alinhamentos que tem suscitado. Alguns genuínos e respeitáveis, outros tolos como é costume. Destaco também pela enésima vez a incomodidade e dificuldade que o protagonista (António Figueira), ao contrário dos seus espontâneos defensores, tem tido em lidar com o assunto “por falta de pachorra” ou correndo tudo a estúpido que não merece resposta. Não lhe fica bem mas admito que já tivesse começado a exercer.

  4. Haverá sempre quem queira ser mais papista do que o próprio papa. No caso do DO um dó nunca chegará a FÁ!

  5. Renato Teixeira diz:

    Toda a solidariedade, Nuno. Este desabafo, que posta e texto é outra coisa, para lá da sua dimensão pessoal, que não me diz respeito, encerra a uma parte substancial da dimensão política. Há limiares mínimo da honestidade intelectual da qual o Daniel, na senda de tantos outros Ferreiras Fernandes, prescindiu naquele texto. O seu campo político tem seguramente interpretes mais sérios para continuar os debates que valem a pena. Aquele abraço.

  6. m diz:

    o Daniel é a pessoa mais choninhas da bloga. tanta chonice cheira-me a tartufice. penso que perder um tartufo choninhas empregado do balsemão e do expresso não lhe há-de fazer grande mossa.
    e a gente gosta de comentar sangue !!!!!.mas era bem mais sensato se não nos fizesse o gosto e se remetesse ao cagar de alto.

  7. Sérgio Lavos diz:

    Como é que o Nuno Ramos de Almeida, por quem sempre tive consideração, tem a lata de falar em insultos depois dos vómitos lançados mais acima pelo seu colega Vidal? Um blogue que se permite infestar com criaturas do nível do Vidal não tem nenhuma moral para criticar quem quer que seja, ainda por cima gente com muito mais educação e elevação do que a dupla Dupont e Dupond, Vidal/Teixeira. A retrete do Vidal retrata muito bem o ambiente que este blogue agora respira.

    • Carlos Vidal diz:

      Convem esclarecer que a retrete é uma obra de Antonio Lopez García.
      E não, não é obra para débeis.

      • Nuno Ramos de Almeida diz:

        É uma espécie de Duchamp telúrico, presumo.

      • Sérgio Lavos diz:

        Não, não é para débeis, é para iluminados. O Vidal pensa que, por conhecer Lopez (um pintor muito mais medíocre do que o excelente filme que o retrata), ler Deleuze (o filósofo para quem não gosta de filosofia) e ouvir Wagner (que pouca gente conhece), está um degrau acima na escala evolutiva. Bom, está; um degrau acima da ameba. Concedo.

      • Sérgio Lavos diz:

        Ah, ah, ah, agora percebi. Vidal achava que eu pensava que a retrete era obra dele. Eh, eh. Impagável.

        • Nuno Ramos de Almeida diz:

          Lavos, não tinha lido o teu último post. É aquilo que tu pensas? Não é para ficar muito feliz, pois não?

          • Sérgio Lavos diz:

            Vá, diz lá, quem é que eu insulto que já não me tivesse insultado antes? Caramba, pá, eu leio isto desde o início, continuo a cá vir todos os dias à espera de um texto teu, ou do Figueira, ou do Tiago, ou da Morgada, ou mais um ou outro que postam menos. E irrita-me, sempre que aqui venho, levar com insultos da dupla do costume. Queres que eu fique contente, que não me meta, que não insulte de volta? Dois dos melhores gajos a pensar a esquerda da blogosfera, o Zé Neves e o Ricardo Noronha, tiveram de sair por causa do ar do blogue estar empestado. É assim tão difícil de perceber a diferença entre uma discussão mais acalorada e a constante provocação, quase sempre sem qualquer fundamento ou argumento?

          • Sérgio Lavos diz:

            Ressalvando que vocês fazem com o blogue aquilo que querem. Não estejam é à espera que a paciência do pessoal que é atacado dure para sempre.

          • Sérgio Lavos diz:

            E por mim a conversa também acaba aqui. Isto é tão pouco produtivo… tenho mais que fazer.

          • Helena Borges diz:

            Mais que fazer… Como está a correr esta nova campanha com as Nandas? Já distribuíram muitos crachás?

  8. Carlos Carapeto diz:

    Não se zanguem. Sejam amigos, estão condenados a ter que se entender. Para onde vão que melhor estejam senão no BE? As inscrições no PSD por enquanto estão fechadas, acabaram-se as fichas. No PS depois de 2014, e é preciso que ganhe as eleições.

    • Nuno Ramos de Almeida diz:

      :) Eu não sou do BE e o Daniel é demasiado grande para ficar num partido. É uma dadiva a toda a humanidade. Sou péssimo para esses tachos, só fui militante de sítios que não têm poder.

      • Carlos Carapeto diz:

        Tá-se a ver. Houve um tempo em que uns rapazolas juravam a pés juntos que nunca tinham pertencido àquela associação de caridade que partia ossos.

        Mas esses eram mais corajosos, metiam a fotografia no jornal.

        Não digo que haja semelhanças. Faltam à verdade. É só.

  9. Nuno Ramos de Almeida diz:

    Lavos, a conversa não é contigo. Viste-me a insultar alguém do arrastão? Leste algum insulto do António Figueira? Eu quando critico uma pessoa, que não me insultou, tento não fazê-lo. E muito menos coloco todo um blogue no insulto. Blogue esse que tem vários conhecidos, amigos e até familiares. Penso que consegues perceber isso.

    • Sérgio Lavos diz:

      Pois, Nuno, nunca insultaste ninguém, muito menos o Figueira (que eu sempre gostei de ler). Mas há quem tenha passado os últimos dois anos a fazê-lo neste blogue. O Vidal deu logo o exemplo no post a seguir. Insultos, insultos a sério, má educação, falta de respeito. Tem feito isso com o Daniel, comigo, e com quer que lhe apareça pela frente no Arrastão (certamente que o Jugular e o Vias de Facto ainda têm mais razão de queixa, mas quanto a isso não me quero pronunciar). E agora vens tu falar em insultos no texto do Daniel??? Eu li e reli, e não vejo nada que se pareça remotamente coma permanente guerrilha verbal do Vidal e do Teixeira. Falta-te legitimidade para te sentires ofendido. E sim, tens alguma razão: a conversa não é comigo. Mas passa a ser quando aquilo de que tu acusas o Daniel – insultar um blogue inteiro – é constantemente feito aqui no 5 Dias. Quem não se sente não é filho de boa gente.

      • Nuno Ramos de Almeida diz:

        Lavos, quando o Vidal insulta o Daniel e o tipo lhe responde, tratam-se pelo nome. O Daniel insultou o Figueira que nunca o fez e resolveu identificar todo o 5 dias no seu insulto. Não és burro perceberás a diferença.

        • Sérgio Lavos diz:

          Percebo a diferença, mas não percebo qual é o insulto. Mas isso deve ser porque sou débil.

          • Carlos Vidal diz:

            (Eu só dialogaria com o chefe deste papo-seco choramingas e beiçolas.)

          • Nuno Ramos de Almeida diz:

            Eu vou encerrar esta conversa. Não disse que és débil. Não acredito que não percebas que o que o Daniel escreveu é um insulto e que nele inclui todos os membros do 5 dias. Apenas distingue o Figueira que nunca o insultou para o chamar de vendido. Se te reconheces nestas práticas e as justificas, faz bom proveito.

  10. m diz:

    venho fazer uma queixinha : comentei lá no arrastão , resumido , que o figueiras podia ser chamado de homem que escreve no albergue espanhol e que o daniel só podia mandar bitaites se escrevesse e aparecesse numa cema propriedade de cooperativa ( coitado , o pingo doce diz-lhe que só quamdo empregador pode mandar bitaites e eu disse-lhe que só quando membro de uma cooperativa de média pode fazer julgamentos sumários ..) juro que não disse nem uma asneira , nem sequer merda. pois censurou-me , coño. os choninhas são sempre os piores. é dos compllexos , só pode.

    • Sérgio Lavos diz:

      Queixinhas, pois claro. Por acaso sabe se o Daniel já teve oportunidade de ver o seu comentário? Aprovou algum depois do seu. Complexos, pois é, é isso.

  11. m diz:

    :)) é mesmo certo que quem não chora não mama. assim que chorei aqui , os complexados cromos da bola e dos elaborados comentários intelectualoides sobre tarantino , mensagem clara , em linguagem acessivel , que toda a gente percebe e gosta , não presta aprovaram logo.

  12. Nuno,

    Eu não chamei vendido a Figueira. Se assim o leste talvez seja incomodo teu pela evidencia dos factos. Para mim, que não conheço o Antonio Figueira, é apenas uma pessoa que se diz de esquerda e trabalha hoje no gabinete de Miguel Relvas. O adjectivo fica para quem os quiser usar. É falso que o Vidal e o Teixeira não tenham, inúmeras vezes, insultado todas as pessoas do Arrastao. Em colectivo e sem nomes. Nunca te vi incomodado. Para mim, assunto encerrado. Acho que fazes bem em defender os teus amigos quando achas que são injustamente atacados. Nunca é tarde.

    Não estava a pensar em varias pessoas aqui do cinco dias quando escrevi, nunca me referi a TODOS eles, que são imensos (como muito bem sabes, algumas aqui ate me são muitíssimo mais próximas do que tu e suponho que não te atreves a pensar que as incluía na critica) mas em muitos revolucionários da treta que aqui escrevem. E mantenho cada linha que escrevi que ate acho terem sido especialmente educadas. Não escrevi, ao contrário do que aqui é habitual, nenhum insulto. Os factos chegam-me. Mas a regra do cinco dias parece ser esta: tudo se pode escrever sobre os outros, porque cada um fala por si. Mas que ninguém se atreva a dar a resposta no tempo certo, que o blogue está unido para defender o indefensável.

    Assunto encerrado.

    • Nuno Ramos de Almeida diz:

      Daniel, é preciso ter lata. Tu nomeias o 5 dias em geral e falas sobre o Figueira em particular. O teu post começa assim: “O blogue cinco dias, há anos a dar lições de pureza ideológica à blogosfera nacional”. É claro. Não é a um fulano e a um sicrano que tu falas, mas ao blogue com toda a gente incluida. Nunca me viste a mim e ao Figueira a insultar-te a ti em particular, nem ao Arrastão em geral. No entanto, tu resolveste fazer um post insultuoso que nos incluia e visava explicitamente o António Figueira. Como te digo é muito fácil reproduzir a tua argumentação e fazer um post sobre ti. Seria tão mentira quanto o teu. O facto de tu não reconheceres os erros não é surpresa. Nunca na vida erraste. É normalmente a realidade que se engana. Passa bem.

      • zero diz:

        “O blogue cinco dias, há anos a dar lições de pureza ideológica à blogosfera nacional”

        dizer que um blog dá lições de pureza ideológica, não quer dizer necessariamente que todos os membros do blog têm algum post que o faz…

        deixar de ser amigo de alguém por merdas.assim se vê que sentir que se conhece alguém por o ler todos os dias é tão ridículo como pregar um sermão a um actor porque o seu personagem o mereceria.é para quem esta novela?

        (gostava de saber o que este comentário tem para não ser aprovado…..)

  13. Que tal escreveres a frase que vem logo depois?

  14. Justiniano diz:

    Caro NRA, desculpe-me o atrevimento e indevida intromissão (compreendo que me censure, aliás só compreendo que me censure, eu censuraria este comentário!! Depois meditaria!) Mas, o que é isto “..Apesar de ter deixado hoje de ser amigo dele…”!!?? Que espécie de bússola será essa!?

  15. Oderico diz:

    Estou sempre a ser censurado.
    It is an injustice, yes it is!

  16. flash diz:

    Não deviam distinguir a defesa do blogue – que consideram ter sido “atacado como um todo” – e a defesa e justificação da opção do Figueira? Ele lá poder trabalhar para o Relvas, pode (tanto que vai). E até pode fazer sentido a sua manutenção no 5 dias (já estava no albergue espanhol, aliás). Mas não podiam politizar um bocado mais o tema e deixarem de se abrigar no guarda-chuva esburacado da diferença absoluta entre política e trabalho?

Os comentários estão fechados