As viúvas de Sócrates

Há uma pandilha na blogosfera que continua a espernear. São os últimos moicanos. Ainda não descobriram que Sócrates, como homem coerente, foi-se embora no mesmo dia da semana que se licenciou: a um domingo. Tirando eles, já ninguém liga à criatura. Um dos saudosos (será da política de ajuste directo?) o Valupi brinda-me com a seguinte frase:

“O 5 Dias acabou por ser o blogue do Nuno Ramos de Almeida, um dos fundadores. O Nuno é a matriz que inspira o actual folclore radical anti-poder e anti-sistema. Acontece que ele próprio depende do sistema, sendo um jornalista que trabalha para os maiores capitalistas e reaccionários que tenham serviço para lhe dar. Foi assim que andou alegremente na TVI a mando da Moura Guedes”.

A ideia do jornalista andar a mando é maravilhosa: pela mesma lógica parva podíamos dizer  que a luz dos olhos do publicitário do Aspirina b é um capacho do João Marcelino.

A teoria é peregrina. Aplica-se também aos desmandos contra o Figueira. Quando se é contra o capitalismo tem de se ir para a selva e montar uma comuna autogerida. O capitalismo tem a particularidade de existir em todo o mundo. Ao contrário de alguns, a maioria não pode viver sem trabalhar.

PS- Usando a terminologia tão criativa do Valupi, o mastim dos manos Oliveiras, certamente soprado pela fada das sandálias, veio usar a sua coluna para mais um ajuste de contas. Não há como um repórter dos hotéis de cinco estrelas para elevar a questão.

 

 

Sobre Nuno Ramos de Almeida

TERÇA | Nuno Ramos de Almeida
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

62 Responses to As viúvas de Sócrates

  1. Pingback: O caso António Figueira | Aventar

  2. Pingback: A capitulação do jornalista ao capital at Aspirina B

Os comentários estão fechados.