Os primeiros detidos a ser julgados são trabalhadores, boa parte está desempregada e muitas das acusações alegam ataques à polícia. Se nada se passou além de vandalismo, o que impedia o crime organizado de tomar as ruas antes do assassinato de Mark Duggan?

Pergunto-me se em Tahrir, não obstante a natureza do protesto ser bem diferente, não houve abuso e vandalismo? E no 25 de Abril de 1974? E na Rússia em 1917? E na Revolução Francesa? A redução de um processo político à sua esfera criminal interessa apenas a reaccionários ou a diferentes variantes de idiotas úteis e questionar isso não é dizer que de cada revolta nascerá uma revolução. É dizer que nenhuma revolução será imaculada. À barbárie imposta pelo capitalismo não podemos defender morais tão pífias quanto burguesas. O que está para vir está longe de ser um chá dançante e quem alimenta a ideia de que a resposta pode ser isenta de mácula, não é provável que algum dia ajude a que das barricadas nasçam trincheiras com maiores horizontes.

Ainda assim, há quem prefira continuar a reduzir tudo o que se está a passar em Inglaterra a meia-dúzia de abusos, repetidos à exaustão. Do Arrastão ao Insurgente, do Blasfémias ao 31 da Armada, ninguém quer ver a realidade, olhos nos olhos. Valha-nos a imprensa francesa, alguma esquerdaJavi Povés para nos ajudar a subir à montanha: “Em vez de tanto 15-M e tanta hóstia, o que tem que fazer é ir aos bancos e queimá-los, cortar cabeças. Claramente lhe digo. A sorte desta parte do mundo é a desgraça dos outros.”

A schoolworker, a hairdresser and an Exeter university student were among the first alleged rioters to be unmasked.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

70 respostas a Os primeiros detidos a ser julgados são trabalhadores, boa parte está desempregada e muitas das acusações alegam ataques à polícia. Se nada se passou além de vandalismo, o que impedia o crime organizado de tomar as ruas antes do assassinato de Mark Duggan?

  1. paulo diz:

    portanto o renato julga que a violência é um mio justificavel para tudo desde a revolução de 1917 até pilhar lojas?
    porque não admite que há tambem em londres abusos por parte de quem dá cabo do patrimonio alheio.
    imagino o renato no campo pequeno a fuzilar capitalistas……..e a ter o seu orgasmo revolucionário

    • Renato Teixeira diz:

      Depende de que património fala mas não vejo onde é que isso não se pressupõe em todo o debate que tenho vindo a fazer sobre o tema.

      Quanto ao Campo Pequeno deixe lá isso. Wimbledon é que está a dar.

  2. Von diz:

    Na Rússia em 1917, houve essencialmente abuso.

    • Renato Teixeira diz:

      Foi. A malta andava falta de meiguices.

      • Von diz:

        Não, a malta passou de um estado brutal para outro. Apenas isso.

        • Renato Teixeira diz:

          Isso foram os Czares. Os outros conseguiram, entre outras coisas, sovietes, pão e paz.

        • De diz:

          A revolução bolchevique foi uma revolução que marcou todo o século XX.Para melhor.Melhorou não só a forma de viver da população soviética,dando-lhes trabalho,comida, educação e saúde.Mas a revolução bolchevique não fez só isso.Ela influenciou decisivamente o nível de vida dos trabalhadores no ocidente.Era ver os detentores do capital evitarem as tomadas de posição demasiado “agressivas”face ao mundo do trabalho.Tinham receio do contágio…

          • António diz:

            ahahahahahah….ahahahhahahah… Desculpe… é mais forte do que eu… ahahahaha….. na net apanha-se com cada um…. AHAHAHAHAHAHAHAH

          • Katulo diz:

            Para todo esse progresso o trabalho escravo de milhões de prisioneiros do Gulag também deu uma ajuda. Ainda há dias li que o número de escravos que passaram pelo Gulag excedeu o número de escravos transportados entre a África e as Américas em 4 séculos de tráfico.
            Realmente não podemos negar que o Comunismo alcançou na sua história feitos extraordinários.

          • Luis diz:

            “A revolução bolchevique foi uma revolução que marcou todo o século XX.Para melhor.”

            De chorar a rir. Tão bom que aquilo era, e eles não sabiam, vejam bem.

          • De diz:

            Quando o Katulo fala agora, fala em nome de que nick?O que fala nos Gulags ou o que defende a pena de morte?Ou será do que defende a livre circulação de armas
            E leu sobre os escravos?E sobre o tráfico…espere eu também li…ah já sei onde foi…acho que foi no Arrastão…por um sujeito que não era o Katulo…mas cujo texto é quase igual ao de Katulo.Mas o Katulo tem uma escola onde propaga o seu conhecimento e os seus alunos copiam-no cegamente…ou afinal o Katulo está a fazer um jogo sujo?
            Quanto à revolução bolchevique,se me for permitido,posso?
            Ahahahhahahha
            Foi uma grande revolução.E ainda deixam coisas como o Katulo António Luís um pouco fora de si.E foi há quase um século
            De facto um grande salto para os povos da então União Soviética.De tal forma que os USA tiveram alguém que lhes fizesse frente
            Ainda borrados Katulo António Luís?

          • Katulo diz:

            Ainda bem que ao triste “De” lhe restem as memórias de glórias passadas (mesmo que essas glórias sejam ornamentadas com alguns dos maiores crimes jamais perpetrados na História da humanidade).

            Para nós, os amantes da liberdade, ficamos contentes que o comunismo seja uma doutrina em vias de extinção. Cabe-nos apenas a útil tarefa de ir lembrando esses vergonhoso episódios históricos às gerações futuras. Pois aqueles que não se lembrarem do passado estão condenados a repeti-lo.

          • De diz:

            Katulo voltou aqui?
            Que se passa?
            Está atarefado em repor as suas verdades?Não as históricas mas as do “Katulo”?

            Katulo: os que não se lembrarem do passado estão condenados a repeti-lo?
            Katulo essa é uma “asneira ” de grande profundidade.Ahahahahhaha

            Outra asneira:parece que o comunismo está em vias de extinção(esta de pequena profundidade)

            Quanto aos crimes…Katulo já viu os seus argumentos serem postos em causa.Tanto que volta para trás…para reafirmar aqui o que foi obrigado e engolir mais adiante?
            Katulo,eu sei que pessoalmente o Katulo não resiste.Mas a História resiste à sua tentativa de a reescrever

          • Manolev diz:

            Acerca da Festa do Avante 2011! Nao passa da comemoração do terror.

            “No Espaço Internacional estará presente e viva a luta dos trabalhadores e dos povos.” – PENSEI QUE SERIA DOS TRABALHADORES E POVOS DE GDANSK E DE TODA A POLÓNIA DURANTE OS ANOS 80, MAS DEVO ESTAR ENGANADO.
            “… contra a agressão e a guerr…a imperialista” – QUE BOM, VÃO-SE REDIMIR DAS INTERVENÇÕES CUBANAS E SOVIÉTICAS PELO MUNDO FORA.
            “…contra a exploração e a opressão” – QUE BOM, VÃO-SE REDIMIR DOS GULAGS E EXPLORAÇÃO DO TRABALHO ESCRAVO, DAS PERSEGUIÇÕES PRISÕES E ASSASSINATOS POR DELITO DE OPINIÃO, DO MURO DE BERLIM QUE FARIA POR AGORA 50 ANOS.
            “… pelo progresso e justiça social” – DE FACTO, PROGRESSO E JUSTIÇA SOCIAL FOI O QUE MAIS EXISTIU E EXISTE NO DEFINHADO MUNDO SOCIALISTA.
            “… pela soberania e independência nacionais.” – QUE BOM, VÃO-SE REDIMIR DAS FOMES NA UCRÂNIA, DA DIVISÃO DA ALEMANHA, DO GENOCÍDIO NO CAMBODJA, DO FAZER DE CONTA QUE CUBA E COREIA DO NORTE NÃO EXISTEM. QUE BOM.

            De facto, não há festa como esta

    • Vasco diz:

      Abuso? Foi uma revolução. Uma classe derrubou outra e substituiu-a no poder. Modernizou o País, generalizou direitos, arrancou das trevas milhões de camponeses, educou todo um povo.
      Que tem isso a ver com Londres?

      • Tiago Resende diz:

        E enviou para valas comuns outros tantos milhões!

      • Manolev diz:

        “generalizou direitos”?!!
        Pricipalmente o direito à livre expressão! Um gajo exprimia-se e ganhava uma estadia num SPA na Sibéria!

        “…Arrancou das trevas milhões de camponeses”
        Brilhante, os camponeses da Ucrânia que o digam!

  3. |Y| diz:

    “Se nada se passou além de vandalismo, o que impedia o crime organizado de tomar as ruas antes do assassinato de Mark Duggan?”

    O crime organizado há muito que tomou as ruas destes boroughs problemáticos, Renato.

    Eu vivi em Hackney, Tottenham e Harlesden (3 das áreas mais afectadas) e posso assegurar que os criminosos é que dominavam as ruas. Mesmo se afirmarmos, erradamente, que se trata “apenas” de criminalidade (este ênfase pretende desviar as atenções das condições sociais e económicas que engendram este tipo de criminalidade) teremos que explicar porque é que isto aconteceu. A criminalidade generalizada não surge de um vácuo social e económico. Só um imbecil é que não percebe isto.

  4. |Y| diz:

    There is no such thing as pure criminality. Cameron, no Q&A no Parlamento, insiste que tudo isto tem que ver exclusivamente com “pure criminality.” Não é um protesto político, diz ele. De facto não se trata de um protesto político explícito e deliberado. Mas é inegavelmente um processo político-social.

    http://www.bbc.co.uk/news/uk-politics-14488247

    • Renato Teixeira diz:

      Naturalmente. Só Cameron e Lavos não enxergam isso.

      • Luis diz:

        O Renato e os comentadores do 5 dias querem à força que seja um protesto, e político, ainda por cima. E não contentes, que seja pelas boas razões (as que o Renato gostava que fossem..).

        Vai daí, repete a ladaínha dos pobres e desempregados a soltarem a sua raiva.

        Tough luck.

  5. |Y| diz:

    Manchester é pior ainda. A tensão entre blacks e asians em manchester é palpável, assim como em outras cidades britânicas. A culpabilização já começou. Os Asians, mais bem integrados economicamente, acusam os Blacks e vice versa. Situação explosiva.

  6. |Y| diz:

    Agora estão a falar de “role models.” (uma outra tentativa de isolar o problema e instituir uma miopia analítica que é falaciosa e extremamente perigosa)

    Este é um problema social e político.* Não há volta a dar. A classe política prefere a miopia intencional e calculada á clarividência. Não querem ser responsabilizados pelos problemas sociais. São uns cobardes.

    * http://www.independent.co.uk/news/uk/crime/how-gangs-have-taken-the-place-of-parents-in-urban-ghettoes-2335074.html?service=Print

  7. Manuel Monteiro diz:

    As sociedades capitalistas actuais:
    Fechadas
    Opressivas
    Os pobres cada vez mais pobres
    Os ricos cada vez mais ricos
    Os jovens sem emprego e sem futuro
    Os mais velhos tratados como lixo sem préstimo
    Câmaras de vigilância por todo o lado
    Tribunais cuja finalidade é ajudar os ricos a roubar os pobres
    Destruição das conquistas históricas do proletariado ao longo dos séculos
    Avanço do fascismo, sobretudo nos países ricos
    Guerras de rapina do imperialismo sobre as riquezas dos povos
    Milhões de seres morrem à fome em África, provocada pela ganância dos ricos
    Esvaziamento dos processos eleitorais, apresentando um programa eleitoral aliciante para em seguida aplicar outro repressivo.
    Reforço das polícias e dos exércitos, armados com sofisticado armamento
    E o rol de patifarias podia continuar
    Perante este quadro são legítimas todas as revoltas, mesmo as mais anárquicas.
    E da revolta virá a revolução

    Manuel Monteiro

  8. Luis diz:

    Talvez tenha chegado o momento de se “debater” o que de facto é “violencia”, desde aquela em que uns partem vidraças at

    Talvez tenha chegado o momento de se “debater” o que de facto é “violencia”, desde aqueles que a usam para partir vidraças até aos que a usam para se manterem no poder. Que necessidade de a usar tem uns e outros? Que processos usam uns e outros? Que puniçao tem uns e outros?
    A quem interessa ou nao este género de debate, aos das vidraças ou ao do poder? Pela resposta podemos concluir a genese de toda esta bagunça e donde vem a necessidade de sacudir tanta agua do capote.

  9. Rui F diz:

    lolololol

    Grande cagada esta Óh Renato.
    Os primeiros detidos a ser julgados foram trabalhadores? Trabalhadores da “noite” evidentemente. A Canhota faz sempre esse tipo de confusões e tem sempre uma desculpa: o crime organizado foi mais forte que a revolução. Ou seria “revolussão”?

    • De diz:

      O Rui lá sabe se são seus colegas na sua profissão.Mas parece-me que não.Parece-me que são trabalhadores não ligados aos meios nocturnos do Rui

  10. Dédé diz:

    Pois é Renato, é bem evidente que nem de toda a revolta nasce uma revolução, como o presente caso ilustra. Mas antes Amotinado por um dia, que Acampado toda a vida.

  11. NR diz:

    Parece-me inegável que uma parte destes motins vai para além da resposta à morte de Duggan pela polícia e que nestes motins também haja quem se aproveita da situação. No entanto, não deixa de ser redutor afirmar que se trata unicamente de uma questão criminal, e que tal não tem ligações sócio-políticas. Esta revolta vem da própria natureza, de uma necessidade de resposta a uma opressão social que o sistema neoliberal tem vindo a incentivar, ao mesmo tempo que existe uma sociedade de consumo com políticas agressivas, em especial a jovens, para o mero consumo, uma mera fantasia que os jovens a quem a direita chama de “arruaceiros” não é capaz de atingir por lhe serem negados os meios para tal, seja pelo falhanço do sistema educativo, seja pela ausência de políticas de integração, seja pelo primado do capital em detrimento do trabalho que potencia a exclusão social. Numa coisa a direita parece-me ter razão, ainda que maioritariamente o afirma ou por medo ou por preconceito, que é o facto de que o que move a maioria destes jovens em Londres não é o desejo consciente de uma revolução socialista. Contudo, a direita peca, ou quer pecar, por não perceber que este sentimento de revolta, se correctamente enquadrado numa ideia de revolução socialista, poderá provocá-la. Querer olhar para tudo isto como mera “escumalha” e não querer ver a questão de fundo, insistindo na política da quarentena e num Estado policial, apenas permite que a revolta seja cada vez maior e, por consequência, a possibilidade de uma revolução.

    • Miguel diz:

      “Parece-me inegável que uma parte destes motins vai para além da resposta à morte de Duggan pela polícia e que nestes motins também haja quem se aproveita da situação.”

      Como? Também há quem se aproveita da situação ou só há quem se aproveita da situação? Fico-me pela segunda “hipótese”, pois até ao momento ainda não se viu nada mais do que aproveitamente e vandalismo por parte destes pseudo-indiganos e vitimazinhas do sistema.

      “Esta revolta vem da própria natureza, de uma necessidade de resposta a uma opressão social que o sistema neoliberal tem vindo a incentivar,… blá blá blá”

      Esta tua frase é de partir o coco a rir!

      • NR diz:

        Se queres ser o senhor da razão, é contigo. No dia em que essas certezas não apenas se abalarem mas caírem como um castelo de cartas depois vem dizer que é apenas nos subúrbios de Londres que existem vândalos.

        • Luis diz:

          Já cheira mal essa história do incentivo ao consumo. Irra, os gajos que mais pregam contra o consumo são precisamente os que mais se “indignam” de não poder consumir.

  12. l'outre diz:

    A lei é para todos. Independentemente de serem trabalhadores, desempregados ou banqueiros. Se pilharam casas e lojas, se partiram montras, se atearam fogos a habitações e automóveis, têm de ser punidos. Os problemas de exclusão que existem não podem branquear o crime e o vandalismo. Crime é crime. Vandalismo é vandalismo. Roubo é roubo. A luta pelos mais desfavorecidos e por um mundo mais justo não é nada disto, nem nunca o será.

    • nunocastro diz:

      em relação ao l’outre poder-se-ia dizer “O mesmo é o l’outre”. Ou seja é sempre a mesma conversa de merda.

      mas invertendo: se lhes retirarem as casas e as lojas; se os despejarem dos lares ou lhes confiscarem o automóvel; se os despojarem dos empregos e do ganha-pão… quem irá ser punido?

      quando é que se pune um conselho de administração que atira com os empregados para a rua só para ficar mais “leve” e a valer mais em bolsa.? Quando é que punem os verdadeiros criminosos?

      • l'outre diz:

        O problema é que não são “os verdadeiros criminosos” que estão a ser punidos, mas sim as gentes comuns: os seus vizinhos, os pequenos comerciantes, os utilizadores do autocarro que queimaram, etc.

    • Renato Teixeira diz:

      Já marcaram o julgamento de Blair e Cameron, entre outras coisas por crimes e guerra?

      • De diz:

        Na mouche.E o que blair e cameron fizeram nos países bombardeados e esventrados é bem pior do que estas cenas em Inglaterra.Um milhão de vezes pior

        • l'outre diz:

          Então puna-se o Blair e o Cameron e não o povo londrino. E desde quando é que fazer justiça equivale a roubar?

          • De diz:

            A desonestidade intelectual quer venha com sotaque francês ou inglês é sempre desonestidade intelectual.Dizia um tipo de nick l´outre:”A lei é para todos. Independentemente de serem trabalhadores, desempregados ou banqueiros.”
            Respondia-lhe lapidar Renato Teixeira,perante essa da “lei é para todos” e cito-o:”Já marcaram o julgamento de Blair e Cameron, entre outras coisas por crimes e guerra?”
            Resposta larvar do Outre:”Então puna-se o Blair e o Cameron e não o povo londrino”
            Que dizer deste nível de argumentação?
            Quanto ao comentário do Luís.peço desculpa mas esse não conta.

        • Luis diz:

          Bom argumento. Podemos ir todos dormir.

    • Vasco diz:

      Santa Igualdade das Leis, que tanto condena o pobre como o rico por pedir esmola. Qualquer coisa do género dizia o Marx. Acontece que os ricos não pedem porque não precisam. A lei trata por igual o que manifestamente é diferente…

      • l'outre diz:

        Portanto o sol não deve brilhar para todos nós? Só para alguns? A lei existe exactamente para garantir a igualdade de tratamento entre os cidadãos, independentemente de quem sejam. Naturalmente que nem o mundo nem a lei são perfeitos, mas é sempre melhor que o despotismo que privilegia sempre os mais fortes em detrimento daqueles que não se conseguem defender.

        • De diz:

          ” o despotismo que privilegia sempre os mais fortes em detrimento daqueles que não se conseguem defender.”
          É o que geralmente sucede aqui e em Inglaterra.Até que às tantas a panela explode
          Alguém já se apercebeu de quantos crimes de colarinho branco são efectivamente condenados?Dias Loureiro por exemplo onde pára?…e tantos mais…

          • l'outre diz:

            E para combater os crimes de colarinho branco vamos roubar a mercearia da esquina? Vamos deitar fogo a autocarros? É isso fazer justiça?

          • De diz:

            A resposta foi dada em comentário acima transcrito.
            Basta ler e verificar o que quero dizer.E acrescentar-lhe aquele juízo piedoso,escrito por si e que reza assim…”A lei é para todos. Independentemente de serem trabalhadores, desempregados ou banqueiros”

  13. Vasco diz:

    Concordo com parte do raciocínio do Renato. Tenho é dúvidas de lhe chamar «movimento político». Expressa a natureza do capitalismo, que condena milhares de pessoas à exclusão, ao desemprego e à miséria? Sim, sem dúvida. Mas ficar-se-á por aí…

  14. Vasco diz:

    Quanto à condenação do Cameron e o Blair por crimes de guerra no Afeganistão, Iraque e Líbia, sem dúvida. De acordo. Mas quem os julgaria? O tribunal penal internacional? Esses só julgam as vítimas que resistem (sejam progressistas ou fdp soberanos)…

  15. Pingback: A extrema-esquerda e a barbárie (2) « O Insurgente

  16. Johnny Inglês diz:

    Renato, lembre-se de algo muito simples: a diferença entre um trabalhador e um pulha é que o primeiro não pilha as lojas aos camaradas.

  17. Mais uma vez, tenho de dizer que concordo com o texto, no essencial, tal como acontecia com o do Tiago Mota Saraiva. No entanto, faço notar que não há duas revoluções iguais; não estamos perante uma revolução política na Inglaterra, ao contrário do que acontecia em Tahrir, mas sim perante uma de muitas convulsões sociais, motivadas por uma tensão entre as classes cada vez mais avassaladora; por fim, mesmo que haja sempre abusos em todas as revoluções, os sectores mais politizados não podem anuir a cabeça em aprovação de todos os actos dos sectores mais atrasados, em termos de consciência de classe. Aliás, em plena tomada do Palácio de Inverno, o Comité Militar Revolucionário era duríssimo quando alguém tentava surripiar bens do palácio. Isto num país pobríssimo e faminto.

    • Renato Teixeira diz:

      Não estamos, pura e simplesmente, perante uma revolução. Não entendo a circularidade desse debate, posto isso.

  18. Pingback: Da cegueira « Farmácia Central

  19. Luis diz:

    ” A Lei é para todos”, sim…………………mas feita por quem?

  20. Luis diz:

    “Modernizou” ? “Generalizou direitos”?

    Isso é um eufemismo para “chacinou”, “escravizou”, “atrasou irremediavelmente o país”?

    • De diz:

      Eufemismo?Qual eufemismo qual carapuça..Os USA têm de facto tal padrão de comportamento:chacina,escravidão,atraso irremediável do país.
      Basta ver o que fizeram no Iraque,na Líbia…e em tantos outros.

  21. campus diz:

    Ganda revolucionário me saíste, ó renato.
    Sabes se o campo pequeno está livre?
    Sabes se os capitalistas vão fazer alguma corrida nestes dias?
    um abraço.

  22. Pingback: I told you so « O Intermitente (reconstruido)

Os comentários estão fechados.