the dark side of the moon.

A resistência pacífica é fundamental, cada vez mais. Isto — a violência — é o que os poderes desejam, para poderem à vontade justificar a repressão. Por isso não tenciono perder um segundo a acusar os amotinados quando os nossos dedos devem estar voltados para quem cria as condições para esta realidade. Fizeram-nos e deformaram-nos assim e agora apontam-lhes o dedo? Cameron, que devia estar em tribunal com toda a sua família Murdoch, vem dizer que os vai fazer sentir a força da lei. Cameron, representante dos que, de colarinho branco e sempre com comida na mesa, roubam, expoliam, exploram e enganam como modo de vida, vem dizer que isto é pura e simples criminalidade. Não, pura e simples criminalidade é a de Cameron. É a de Cavaco. Isto não é puro nem simples. The riots are the dark side of the moon, not a different planet.

Há quem tenha direito de os interpelar, sim. Mas não é o Cameron. É, por exemplo, esta mulher.

“If you’re fighting for a cause, then fight for a fucking cause.”

Sobre Sassmine

evil fingering.
Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged , , , . Bookmark the permalink.

22 Responses to the dark side of the moon.

  1. Pingback: Sérgio Lavos 3.G | cinco dias

Os comentários estão fechados.