Ficção/Não-ficção

“A minha vida dava um filme”, chamado “a minha vida dava um filme” (ficção/não-ficção). Eis o meu dilema moral: aproveito o saque do Fortnum and Mason para roubar uma latinha de smoky earl grey (pequena ou grande?) ou limito-me a pôr no ar um video do saque do Fortnum and Mason com o meu dilema moral como legenda? Am I just the trembling bourgeois, joking on the edge of the sin I fear to commit, or the daredevil, the subversive indulger? (A lata grande dura mais tempo.)

Sobre António Figueira

SEXTA | António Figueira
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

38 respostas a Ficção/Não-ficção

  1. xana diz:

    I vote for the ‘trembling bourgeois’
    it suits you better,
    you don’t have what it takes to be a ‘subversive indulger’,
    you live according to your lights,
    you’re not a jay walker
    🙂

    • António Figueira diz:

      You mean the guts?
      Many thanks, M’am… 🙂

      • xana diz:

        it’s not a matter of having the guts to do it
        you think too much to be subversive
        and you’re not indulgent, when you act you expect to get more than a tin can 😉

  2. Renato Teixeira diz:

    Este vídeo é capaz de não cair tanto nas boas graças quanto o do jovem agredido mas é seguramente mais próximo do que se está a passar.

    E o sorriso dos trabalhadores, virão? Acho que foram eles a ficar com as caixas grandes.

  3. |Y| diz:

    Its a bourgeois tragedy, your dilemma. 🙂

  4. José diz:

    Um Darjeeling bem perfumado ainda me tentaria…

  5. Renato Teixeira diz:

    E trufas, será que havia?

  6. marquês de pombal diz:

    O 5 Dias está em festa. Virão?!

  7. Abilio Rosa diz:

    Há um anúncio da Smirnoff , quando os bolcheviques invadem o Palácio de Inverno em São Petersburgo, e onde os sucessivos chefes revolucionários vão saboreando a boa vodka que lá havia….
    O bom gosto não exclusivo das classes ricas e degeneradas, como é a família real britânica que fez fortuna sobre castelos de caveiras, piratarias e escravidão!

  8. |Y| diz:

    Petit Bourgeois, that horrendous affliction of the nerves!!

    Darjeeling’s scent is far too extravagant and pompous, I’d say. You are an ego seeking expression, are you not?

    Simple black, orange pekoe or pekoe would do just fine. Earl grey, in the morning, preferably with sweets.

    LOL

    🙂

    PS: que se f*d*m as classes, as lutas de classes, os classistas, os vanguardistas, os carroceiros inspirados…enfim…f+d+m-se todos uns aos outros!!

    • xana diz:

      lol
      muito inspirado, sim senhor 🙂

    • António Figueira diz:

      É preciso acabar com esta discussão de merda.
      O dado é a lata gorda, de 250 gr, de smoky earl grey, “first created in response to a specific request from the Palace for a smokier Earl Grey […] a unique blend [combining] traditional bergamot with a touch of Lapsang and Gunpowder tea”. Durante anos (os que contam, digo eu), “it was the only Earl Grey available at Fortnum and Mason”; depois deu-lhes os modernismos, e é o que se vê.

    • José diz:

      Sou. E, ainda assim, gosto do Darjeeling. O verde da gorreana também me leva, é verdade, mas o gosto a moscatel do Darjeeling é um must. Com ou sem ego.

  9. |Y| diz:

    Abílio Rosa

    Eu sempre pensei que o bom gosto era um atributo único das famílias reais e seus derivados reais ou imaginários.

    Obrigado. Fez-se luz. Pensando melhor, conheci um jovem carroceiro que tinha um bom gosto irrepreensível. LOL

    PS: ó Einstein, é evidente que o bom gosto n tem classe social. Vocês são mesmo retro. Foda-se. Que seca!! Complexados do caralho! Dwelling in the self-evident.

    Boa noite

  10. |Y| diz:

    Mas, este verde é do melhor que há. A sério!! I shit you not!

    http://www.gorreana.net/

  11. |Y| diz:

    Discussão?? Pronto, já percebi que o menino António leva o seu chã muito a sério.
    O meu preferido é o PG. Very working class e capaz de acirrar os neurónios do Alzheimers!!

    abraço
    y

    • António Figueira diz:

      PG tips, in the pyramid bag? Day in, day out: trago sacos disso cada vez cada vez q vou à Ilha, o Fortnum & Mason é só para fazer ice tea para os putos, no Verão, a sério. 🙂

  12. |Y| diz:

    Nem sequer estava a tentar obnubilar seja o que for. Sei mt bem que sabes. Os outros n precisam de saber. Thats all.

    Açoreano até à medula.

  13. |Y| diz:

    Sempre adorei o PG. Sincero, robusto e electrificante!!

    What else could one ask for?

    Quando vou à ilha mais a norte trago biscoitos, vegemite e blue stilton de cornwall. Barato. Arranjo-te o contacto, se quiseres. 🙂

  14. António Figueira diz:

    Tu és um duro – de certeza que não pões Marmite no pão?!
    Mas manda esse contacto, claro! 🙂
    Até amanhã, vou dormir
    A.

  15. |Y| diz:

    Comia Marmite e Vegemite todos os dias on toast quando vivia na GB. Adoro aquela merda.

    Boa noite compa
    abraço
    z

    • António Figueira diz:

      Ok, esse é o teste: Marmite no pão = cafrealização total. I’m afraid to say that now you’re one of them, buddy. 🙂

  16. |Y| diz:

    Yes, I am one of those who eats marmite or vegemite with butter on toast. Um pequeno truque: experimenta com queixo , de pref. cheddar, com um pouco de compota. Agridoce. Yummie.

    Toda a gente sabe!!!!!???
    Cambada de Sherlocks frustrados!!

    Contacto: 🙂 (tens que ir a Cornwall. Diz que és amigo do melhor trabalhador que eles já tiveram lol)

    http://www.independent.co.uk/life-style/food-and-drink/news/the-british-cheese-that-left-the-french-feeling-blue-2144016.html

  17. |Y| diz:

    <Ahhhh

    Costumas ir ás Scilly. Eu também ia quando vivia na GB. Regressarei quando os fundos comunitários o permitirem….

    Mas podias experimentar também as Flores ou a bela ilha do Pico!!

    O Maine, nos EUA, também vale a pena.

  18. |Y| diz:

    Parecemos dois yuppies.
    Vais ser excomungado do 5.
    Cuidado! 🙂

Os comentários estão fechados.