Música para os tempos que correm V – Sexo, drogas, feminismo, distorção e Carlos Guimarães Pinto.

Do Sérgio Lavos ao Carlos Guimarães Pinto, confunde-se entusiasmo com análise materialista da realidade. Factos são factos e Breivik levou a guerra para casa. É como quem diz, para jihad, jihad e meia. Ao contrário do que pensa o Pinto, é principalmente o método que o unifica ao Anders Breivik, pecando porventura por defeito. A guerra do Iraque e do Afeganistão, bem como a limpeza étnica em curso na Palestina, são bem mais violentas do que os atentados na Noruega. A esquerda, mesmo a armada, costuma ser mais criteriosa a evitar vítimas inocentes.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

27 Responses to Música para os tempos que correm V – Sexo, drogas, feminismo, distorção e Carlos Guimarães Pinto.

Os comentários estão fechados.