Quem matou Sean Hoare, a primeira peça do escândalo das escutas? Será preciso exumar Agatha Christie?

Por esta altura o correcto seria dizer-se, no entender da Scotland Yard, porque faleceu Sean Hoare, o jornalista responsável pelo início da denúncia das escutas telefónicas que está a abalar o Reino Unido e o império mediático de Rupert Murdoch? Para uma das mais bem treinadas (e pagas) polícias do mundo, Sean Hoare morreu de forma inexplicável mas não pensam que a sua morte seja suspeita. São estas as palavras precisas: “unexplained, but not thought to be suspicious”. Não é inacreditável?

Mas vejamos a história: Sean Hoare denúncia que o seu editor, Andy Coulson, era uma das pessoas responsáveis pelas escutas às principais figuras da política, da família real, do showbiz, enfim, da socialite dos brits. Com o escândalo na praça pública os nomes vão saltando como pipocas uns atrás dos outros, sendo que dez pessoas já foram constituídas arguidas e Paul Stephenson, chefe da Scotland Yard, já pediu a demissão. Só Rebekah Brooks, mulher de mão de Rupert Murdock para o News of The World, que entretanto fechou portas, esteve 10 horas sob interrogatório. Por seu lado, a News Corporation, que continuou a crescer 8% ao ano no pico da crise financeira, perde concursos e negócios que estavam praticamente garantidos, e David Cameron é acusado de fugir do país para que o terramoto não fira, ainda mais, o seu governo e a sua governação. A Rainha, impávida, não é provável que tenha grandes razões para estar serena.

Sean Hoare, que aparentemente já pouco interessava para o caso, aparece agora morto em sua casa sem que as autoridades digam as razões da sua morte ao mesmo tempo que dão instruções para que se afastem as suspeitas sobre a hipótese, diria que no mínimo plausível, de estarmos perante um eventual assassinato.

A notícia é dada assim, sem grande espanto nem grandes razões para as perguntas que se impõem, numa espiral que tem tudo para fazer mais vítimas mais ou menos colaterais. Jornais, rádios e televisões referem todos os factos citados aqui mas não colocam as vírgulas que se exigem num caso como este. Se Bob Woodward, Carl Bernstein e, à sua maneira, Julian Assange fossem assassinados, tudo isto era relatado num canto de página e na discrição do final dos telejornais? Não, e ainda bem. Porque é assim no caso de Sean Hoare?

Se morreu de causas naturais, quais foram essas causas num homem de meia idade aparentemente de boa saúde? Se foi assassinado, ou sabia mais do que já tinha dito, ou disse à polícia mais do que sabemos (e assim sendo a polícia é a principal suspeita uma vez que é implicada no caso por corrupção, precisamente por Sean), ou era mesmo irrelevante e trata-se de um pérfido golpe de pedagogia? Em qualquer das hipóteses, uma, várias ou todas as figuras citadas nesta posta ou está envolvida ou sabe quem foi o assassino.

Não vos parece elementar?

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

14 respostas a Quem matou Sean Hoare, a primeira peça do escândalo das escutas? Será preciso exumar Agatha Christie?

  1. Henrique Pontes diz:

    “quais foram essas causas num homem de meia idade aparentemente de boa saúde?”

    Duvidável que assim o seja. Veja:

    http://www.guardian.co.uk/media/2011/jul/18/sean-hoare-news-of-the-world

    He knew this very well, because he was himself a victim of the News of the World. As a showbusiness reporter, he had lived what he was happy to call a privileged life. But the reality had ruined his physical health: “I was paid to go out and take drugs with rock stars – get drunk with them, take pills with them, take cocaine with them. It was so competitive. You are going to go beyond the call of duty. You are going to do things that no sane man would do. You’re in a machine.”

  2. nao diz:

    mas também: “I want to right a wrong, lift the lid on it, the whole culture. I know, we all know, that the hacking and other stuff is endemic.”

  3. a anarca diz:

    Era um ser em autodestruição, se levou ou não um empurrãozinho é mais do que posso saber …
    não é o único
    não será o último.
    os ingleses são estranhos, muito estranhos 🙂

    • Renato Teixeira diz:

      Ou a cocaína lhe entrou pelas narinas contra a sua vontade ou as escadas decidiram trocar-lhe as pernas. No second chance.

  4. a anarca diz:

    o disco é uma delicia 🙂
    o Sean deveria saber que quem escuta atrás das cortinas normalmente morre por excesso de zelo *:)

    * vem em Shakespeare

  5. hamlet diz:

    alguém me chamou?

  6. Omega-3 diz:

    os ingleses saõ useiros nestas mortes matadas.No tempo de Blair houve um cientista q apareceu morto numa sebe no meio do campo,agora este.É de facto,estulto que não chamem os burros pelo nome,tal e qual como fazem com Putin-Blair e Cameron.Mas os média de refer^ncia são referência no seu próprio referencial……. e,eis como se constroi um discurso,retórica duaslista.2 pesos,duas medidas!

    • Renato Teixeira diz:

      indeed. E hoje recordaram-me aquela do secretário de estado, ou lá o que era, que se foi depois de denunciar o bluf das armas de destruição no Iraque… Como era mesmo o nome?

  7. Pingback: Para quem tinha dúvidas: “O SIS, por vezes, colabora com empresas privadas se elas forem estratégicas para o interesse do Estado.” | cinco dias

Os comentários estão fechados.