Pagar para ser comido

Ainda não tinha perdido tempo a perceber como funciona a coisa. Mas a notícia que a Câmara Municipal do Porto não renovou o contrato com a Fitch, alertou-me para o facto de uma entidade pública poder ter contratos com agências de notação financeira.
Fui ao portal dos Ajustes Directos e, lá estava! A querida Moodys, só aqui e aqui, já nos levou mais de 50.000,00€.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

6 respostas a Pagar para ser comido

  1. FR diz:

    As câmaras municipais governadas pela vanguarda do proletariado também fazem desse tipo de contratos?

  2. Leitor Costumeiro diz:

    Só de Portugal foram uns 9 000 000€ para os subsídios de férias dos cabrões…

    • Bolota diz:

      Diogo,

      Espantoso é. E se a Moodys tiver razão??…se tiveres atenção anda tudo p´ró incomodado. Antes o serviços da Moodys eram os melhores e certificavam as falcatruas, agora está tudo a rasgar os contratos. Não me perguntes porquê mas qualquer coisa nos esta a escapar.
      Se sobrar alguma coisa, sabes para quem sobra??? Sobra para o Bolota que não tem nada a ver com isto.

Os comentários estão fechados.