Nós somos lixo

Sempre gostei de lixo. Particularmente aquele onde se encontram rolos fotográficos por revelar, cadernetas de cromos, maquinetas antigas, cadeiras de formatos esquisitos, marcadores em couro, monitores de 15″… e outros objectivos, vá, rústicos, menos rústicos, insignificantes, bugigangas, óptimos para revenda, decorativos qb, inúteis ou ± inúteis. Será que o corte da Moody’s nos faz um país rústico, menos rústico, uma bugiganga, óptimo para revenda, decorativo qb, inútel ou ± inútil?

Enfim, leiam atentamente esta magnífica linguagem para nós que somos lixo:

‹‹A agência de ‘rating’ desceu de ‘Baa1’ para ‘Ba2’ o ‘rating’ de Portugal com perspectivas negativas, o que quer dizer que podem seguir-se novos ‘downgrades’ à nota do País em breve.

(…)

A Moody’s também desceu a dívida de curto prazo de Portugal para ‘Not prime’, o nível equivalente a ‘lixo’ na dívida de longo prazo.

(…)

A Fitch e a Standard and Poor’s têm um ‘rating’ de ‘BBB-‘ para Portugal.››

Até sei algumas coisas de português e de inglês, mas desta confusão nada se percebe, exceptuando uma coisa: tal como nas ruas, em que o lixo se encontra à mão de todos, a esta escala significa exactamente o que?

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged , , . Bookmark the permalink.

4 respostas a Nós somos lixo

  1. AA diz:

    Independentemente da posição que se tenha perante as regras do jogo do capitalismo, é fácil compreender o significado do “rating” e “credit default swaps”.

    • Youri Paiva diz:

      Não, não é assim tão fácil. E aquele b-a-bas e downgrades? Acho fantástico que se diga que é fácil compreender quando não se percebe bem o que é uma agência de rating e como tem assim tanto poder. Percebo uma parte, mas, nem sequer me parece lógico.

  2. José R. diz:

    No meio disto tudo, há sempre boas notícias:
    o Mira Amaral diz que « esta descida de ‘rating’ é uma acção de terrorismo financeiro».
    É sempre um prazer ouvir os agentes do capital chamarem estes seus “bois dourados” pelo seu nome…

  3. José R. diz:

    O Professor José Reis saúda os novos indignados.

Os comentários estão fechados.