Democracia grega ou uma visão moderna das trincheiras

Via Tiago Mendes
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

14 respostas a Democracia grega ou uma visão moderna das trincheiras

  1. Camarro diz:

    Até que enfim um post sobre a Grécia! Toda a solidariedade ao povo grego e àqueles que se opõem à destruição do seu país! E nós?

    • gina diz:

      O Ponta Esquerda já manifestou também a sua opinião e o seu pensamento sobre o povo grego esperemos que , de um modo ou outro, com o menor sofrimento possível consigam sair da terrível situação em que os colocaram.

  2. Grécia e Portugal, A LUTA CONTINUA !

  3. João Pais diz:

    Vale a pena ler este texto: http://inter.kke.gr/News/news2011/2011-06-29-strike-day2/ e valerá a pena pensar na quantidade de polícias que, é público, se infiltram nestes grupos pseudo-anarquistas para os conduzir para as ditas “trincheiras”… se assim é, porque o será? A trincheira a sério, a que dói mais que uma bastonada, é a do local de trabalho, onde não se pode pôr máscara e onde fazer greve pode custar o emprego no dia/semana/mês a seguir. Mas porque raio a comunicação social não falará da repressão que houve sobre os piquetes de greve?! Fica a dica…

  4. k diz:

    pois é, finalmente um post sobre a actualidade grega rápidamente empurrado para baixo por um post de música burguesa do imperialismo cultural anglo-saxónico. e assim se também se vê quem realmente é revolucionário ou não. é que isto de se querer acabar com a burguesia e ao mesmo tempo ter gostos burgueses tem que se lhe diga (desde quando é que o povo tem carros com travões ABS?). é tudo uma questão de seriedade.

    votando à Grécia, agrada-me que o RT mostre a combatitividade daqueles que considera estarem ao nível dos “freaks, lumpens e empatas”, ou sejas os anarquistas. pena é que os trotkystas-leninistas-estalinistas da nossa praça tenham muita literatura e pouco colhão.

    • Renato Teixeira diz:

      Sim que “colhão” é coisa que todos têm tido por cá. Devia perceber melhor o que se passa na Grécia embora me pareça pouco disposto. Que a revolução leve a música e o ABS a tutti quanti.

    • marocas diz:

      Diz o K, comodamente sentado em sua casa, usando uma ferramenta inventada pelo imperialismo cultural anglo-saxónico, para aceder a uma invenção do imperialismo cultural anglo-saxónico para escrever um comentário anti-imperialismo cultural anglo-saxónico. Não satisfeito, com ou sem ABS, ainda tem carro, uma máquina de transporte pessoal criada pelo imperialismo cultural anglo-saxónico. Provavelmente (ou não), já deve ter viajado a Londres e ter dito “que cidade fantástica”, aquela que é uma das capitais do imperialismo cultural anglo-saxónico. Por sua vez, deve ter viajado de avião… e mais não digo para não embaraçar muito o “grande revolucionário” K.

  5. uma amostra do que poderia vir a acontecer por cá, mas por cá nada se passará… o povo está sentado a dormir no sofá.

  6. Morcego diz:

    Bem, penso que não seria difícil ter-se organizado uma iniciativa de solidariedade com o povo grego junto à embaixada da Grécia….digo eu!

    Que o pessoal é empata e ativista revolucionário de sofá/computador, é verdade! Enfim….merda de país!

  7. a anarca diz:

    Hellas, A Grécia dita e a Europa assimila…
    Democracia + trincheiras = Um novo humanismo … 🙂

    Aguardemos .

  8. FNV diz:

    Da foto. Estes fascistas de capacete de mota e e barra de ferro são iguais a todos os fascistas.

  9. Camarro diz:

    Depois de Berlusconi, agora foi a vez de Sarkozy. Quem se segue? Merkel, Passos, Zapatero?

    http://economico.sapo.pt/noticias/sarkozy-agredido-em-franca_121783.html

Os comentários estão fechados.